Vivendo Pela Palavra

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Home Catecismo Os Dez mandamentos - finalização - Rev. 2012

Os Dez mandamentos - finalização - Rev. 2012

E-mail Imprimir PDF

BREVE CATECISMO DE WESTMINSTER – PERGUNTAS 82 A 84

PERGUNTA 82: Alguém será capaz de guardar perfeitamente os mandamentos de Deus? RESPOSTA: Nenhum homem, desde a queda de Adão, é capaz, nesta vida, de guardar perfeitamente os mandamentos de Deus, mas quebra-os diariamente por pensamentos, palavras e obras.

O pecado é a transgressão da lei, mas não é somente isto, todo pecado é uma quebra da relação com Deus e digno de castigo eterno, por isto, todos os homens pecaram e estão debaixo da justa ira de Deus, somente em Cristo existe o perdão.

1 Coríntios 15,22: “Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo”.

O pecado original foi o de menosprezar a sabedoria de Deus, ignorando a proibição divina. A partir disto, a vontade do homem foi colocada em oposição à vontade de Deus, revelando a sua tendência natural à vaidade e ao engrandecimento de si mesmo.

Romanos 3,10-12: “Como está escrito: Não há justo, nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer”.

Adão e Eva entenderam que a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal representava uma restrição à liberdade, e Satanás, aproveitando-se desta fraqueza humana apresentou o fruto proibido como capaz de transformar o humano em divino: “como Deus, sereis...”

O homem moderno, religioso ou não, insiste no mesmo pecado: endeusando a si mesmo e adorando a criatura no lugar do Criador. Desta forma, vemos que a queda corrompeu a natureza do homem, destruindo qualquer possibilidade de comunhão com Deus.

Romanos 11,32: “Porque Deus a todos encerrou na desobediência, a fim de usar de misericórdia para com todos”.

Do coração procedem os maus sentimentos, somado a isso, a existência do homem em meio a tantas dificuldades, as tentações do mundo, o meio social deteriorado, todas estas coisas contribuem e tornam irreversíveis a revolta e a malignidade do homem.

Efésios 2,3: “Entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais”.

O Pecado universal: Sendo Adão e Eva a origem da humanidade, a culpa do seu pecado foi imputada aos seus descendentes; e a morte, bem como a sua natureza corrompida foram transmitidas a toda a sua posteridade, que deles procede por geração física.

Salmo 51,5: “Eu nasci na iniquidade, e em pecado me concebeu minha mãe”.

Mesmo as pessoas incapazes, como fetos, crianças e débeis mentais trazem em si a natureza corrompida pelo pecado. Os primeiros pais não eram somente a origem da humanidade, mas constituíam toda ela, sendo desta forma, a humanidade plena e total.

Além do pecado original, cada pessoa carrega sobre si o peso dos pecados do dia a dia, mesmo os cristãos sinceros carregam o peso dos pecados durante toda sua vida.

Romanos 5,12: “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram”.

O pecado original é comum a todos os homens e está presente na natureza humana, sendo igual para todas as pessoas, tanto os ateus como os religiosos carregam o peso deste pecado, desta forma, os pecados individuais procedem da queda e do pecado original.

Romanos 7,18: “Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum, pois o querer o bem está em mim; não, porém, o efetuá-lo”.

Nenhuma pessoa alcançará a perfeição nesta vida terrena, não há distinção, ninguém constitui exceção, todos os apóstolos nunca se colocaram como santos, pelo contrário, sempre confessaram a dependência absoluta e total de Cristo para sua salvação.

O que diz o apóstolo Paulo - 1 Timóteo 1,15: “Fiel é a palavra e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal”.

O apóstolo Pedro - Lucas 5,8: “Vendo isto, Simão Pedro prostrou-se aos pés de Jesus, dizendo: Senhor, retira-te de mim, porque sou pecador”.

O apóstolo João - 1 João 1,10: “Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós”.

A graça de Deus não remove o pecado nesta vida, todos os eleitos continuam pecadores, porém remidos em e por Cristo. O pecado original e os pecados fatuais continuam a existir em todas as pessoas, mesmo nos cristãos sinceros durante toda vida terrena.

Desta forma, o homem, mesmo sendo eleito por Deus para a salvação, somente pode ser perdoado pela vida perfeita e pelo sacrifício vicário de Jesus Cristo, que sofreu toda penalidade do pecado em lugar do seu povo, propiciando desta forma a ira de Deus.

2 Coríntios 4,6-7: “Porque Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo. Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós”.

PERGUNTA 83: São igualmente odiosas todas as transgressões da lei? RESPOSTA: Alguns pecados em si mesmos, e em razão de circunstâncias agravantes, são mais odiosos à vista de Deus do que outros.

Não existe pecado sem importância para Deus, todos os pecados são malignos e odiosos à vista de Deus, não existe pecado que possa ser descartado.

O pecado: O pecado é o amor a si mesmo, o desejo e a determinação de ter o próprio caminho. Não é correto ver o pecado somente como a quebra da lei, o pecado é uma violação da relação pessoal com Deus. Cristo não agradou a si mesmo, agradou a Deus.

O maior obstáculo no relacionamento do homem com Deus é o ego, a negação de seus méritos e de sua justiça própria são os primeiros passos do homem para seguir a Cristo.

Romanos 15,3: “Porque também Cristo não se agradou a si mesmo; antes, como está escrito: As injúrias dos que te ultrajavam caíram sobre mim”.

O menor dos pecados é uma ofensa contra um Deus santo e infinito, todavia, a bíblia nos coloca alguns pecados que são em si mesmos agravados pela malignidade contida.

Agravante - os pecados religiosos: O pecado mais grave ocorre, de forma ativa, quando a pessoa viola um preceito que ela sabe ser verdadeiro, de forma passiva, quando a pessoa tem o conhecimento para evitar a violação do preceito e não o faz.

Hebreus 10,29: “De quanto mais severo castigo julgais vós será considerado digno aquele que calcou aos pés o Filho de Deus, e profanou o sangue da aliança com o qual foi santificado, e ultrajou o Espírito da graça?”.

Pecados mortais e veniais: Esta classificação não tem suporte bíblico, o salário de qualquer pecado é a morte, o perdão dos pecados ocorre unicamente em Cristo, nada que o homem realize pode, por si mesmo, representar o perdão dos pecados.

Romanos 6,23: “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor”.

O senso comum: Isto traz uma idéia de que Deus tolera os pequenos pecados, Ele é todo amoroso e não levará em conta estes pecadilhos. Muitos os chamam de faltas, falhas ou deslizes, mas não se iludam, todo pecado será levado em conta, de Deus não se zomba.

Gálatas 6,7: “Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará”.

O pecado imperdoável: Este pecado é não propriamente contra a pessoa do Espírito Santo, mas a negação de sua obra, atribuindo a salvação a outras causas, sejam elas: Os santos, os anjos, ou o próprio homem que conquistaria a salvação por mérito próprio.

Marcos 3,29: “Mas aquele que blasfemar contra o Espírito Santo não tem perdão para sempre, visto que é réu de pecado eterno”.

O pecado para a morte: Este não é um ato inocente, mas um erro voluntário com relação ao evangelho, quando a pessoa recebeu o conhecimento da verdade e renegou esta verdade, negando que a salvação e a vida eterna são exclusivamente pela graça de Deus.

O pecado para a morte é a negação voluntária a respeito do verdadeiro evangelho, que é a salvação pela graça somente e mediante a justiça perfeita de Jesus Cristo, nada mais será acrescentado, o trabalho de Cristo não pode ser complementado pelo homem.

2 Pedro 2,22: “Com eles aconteceu o que diz certo adágio verdadeiro: O cão voltou ao seu próprio vômito; e: A porca lavada voltou a revolver-se no lamaçal”.

É fato, também, que as pessoas que cometem o pecado para a morte, o fazem de forma consciente e não desejam as orações a este respeito, aqueles que julgam ter cometido este pecado e desejam orações a este respeito, seguramente estarão no caminho da salvação.

1 João 5,16: “Se alguém vir a seu irmão cometer pecado não para morte, pedirá, e Deus lhe dará vida, aos que não pecam para morte. Há pecado para morte, e por esse não digo que rogue”.

PERGUNTA 84: Que merece cada pecado? RESPOSTA: Cada pecado merece a ira e a maldição de Deus, tanto nesta vida como na vindoura.

1 - A punição natural do pecado: São as consequências advindas do próprio pecado, por exemplo: o ébrio desgraça a si mesmo e a sua família, o jogador perde todas suas posses, o devasso se desmoraliza e perde a saúde e o respeito etc.

Agostinho diz em suas “Confissões” que o pecado é a primeira punição do pecado.

2 – A punição positiva: É devida à ofensa, voluntária ou inconsciente, em pensamento ou realização, em conhecimento ou ignorância e merece a punição no inferno.

Tiago 2,10: “Pois qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos”.

A punição do pecado, assim como a salvação, não envolve castigo ou recompensa, mas a manutenção da ordem na legislação determinada por Deus em seus Decretos Eternos.

A punição pelo pecado é devida a toda a humanidade, todos pecaram e merecem somente a ira divina, somente a graça de Deus, em Cristo, pode salvar o pecador.

Efésios 1,4-5: “Assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade”.

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario

busy
Última atualização em Qua, 30 de Maio de 2012 05:48  

Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: "Julgai todas as coisas, retende o que é bom". Louvado seja Deus!

  • Temos para download 713 Livros
  • Este site tem um total de 1649 itens publicados em Artigos

Adicionar aos Favoritos

Adicione aos Favoritos!

Estatísticas

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até outubro de 2017:
934.835
Total de páginas visitadas até setembro/2017:
2.405.646

Assista Também