Vivendo Pela Palavra

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Home Catecismo Pergunta 13 - A Queda - Breve Catecismo de Westminster (Revisão 2013)

Pergunta 13 - A Queda - Breve Catecismo de Westminster (Revisão 2013)

E-mail Imprimir PDF

BREVE CATECISMO DE WESTMINSTER

PERGUNTA 13: Conservaram-se nossos primeiros pais no estado em que foram criados? RESPOSTA: Nossos primeiros pais foram deixados à liberdade da sua própria vontade e caíram do estado em que foram criados, pecando contra Deus.

A queda: Nossos primeiros pais, seduzidos pela astúcia e tentação de Satanás, pecaram, comendo o fruto proibido. Segundo o seu sábio e santo conselho Deus determinou e ordenou este pecado para o cumprimento do Decreto da Salvação em Cristo.

Gênesis 3,13: “Disse o SENHOR Deus à mulher: Que é isso que fizeste? Respondeu a mulher: A serpente me enganou, e eu comi”.

 

Adão, como representante (federal) da raça humana, transmitiria a toda humanidade os efeitos da queda: a natureza depravada e a total incapacidade do homem em fazer o que quer que seja para agradar a Deus e salvar a si mesmo. Esta é a herança dos primeiros pais que os homens carregam até hoje. Não é preciso ser religioso para ter a consciência universal do pecado.

 

Goethe: “Não vejo falta alguma cometida que eu também não a tivesse cometido”.

O pecado original não se transmite pela substância do corpo ou da alma, mas é imputado pelo decreto de Deus em função do pecado de Adão, pois ele era o representante da humanidade no pacto das obras. Não somente todos os homens carregam em si o peso do pecado original como também a terra é amaldiçoada pela desobediência de Adão. O pecado original é imputado à pessoa e não somente à alma ou ao corpo, desta forma, como a pessoa de Jesus é divina, o pecado de Adão não foi imputado a ele.

O pecado original

Os primeiros pais pecaram e com eles caiu toda humanidade, o pecado específico que cometeram foi comer o fruto proibido. Deus determinou este pecado na eternidade, para louvor de sua própria glória no plano de salvação dos seus eleitos em Cristo.

1 - O primeiro pecado cometido por Adão e Eva consistiu em colocar em dúvida a sabedoria da proibição divina e a infalibilidade do juízo de Deus: a incredulidade.

Gênesis 3,1: “...É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim?”.

2 - O segundo pecado foi o de colocar sua vontade em oposição à vontade de Deus.

Gênesis 3,6: “Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu”.

3 - O terceiro pecado, talvez o mais grave, foi o de furtar-se a assumir a culpa do pecado atribuindo a Deus e ao demônio o erro que foi de responsabilidade do próprio homem.

Gênesis 3,12-13: “Então, disse o homem: A mulher que me deste por esposa, ela me deu da árvore, e eu comi. Disse o SENHOR Deus à mulher: Que é isso que fizeste? Respondeu a mulher: A serpente me enganou, e eu comi”.

A presença do pecado no mundo mostra a fragilidade humana e o poder de Deus.

Havia no primeiro casal, a tendência à vaidade, o engrandecimento de si mesmo em detrimento de Deus. Desta forma, eles estavam sujeitos à tentação externa e à sedução do mal, o primeiro casal humano foi criado sem pecado, mas com possibilidade de pecar.

Gênesis 3,5: “Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal”.

Se Adão fosse moral e espiritualmente inalterável todo e qualquer artifício do tentador seria vão, tentação alguma atinge a divindade em virtude de sua absoluta imutabilidade.

Mateus 4,7: “Respondeu-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus”.

Jesus, quando submetido às mais fortes tentações, não pecou, porque ele, embora sendo verdadeiramente homem, recebeu o Espírito sem medida, e pelo decreto divino ele era impecável, no que também contribui a sua natureza divina, que é imutável.

João 3,34: “Pois o enviado de Deus fala as palavras dele, porque Deus não dá o Espírito por medida”.

Adão e Eva entenderam que a Árvore da Ciência do Bem e do Mal representava uma limitação à liberdade, Satanás, aproveitando-se da vaidade do homem, transformou o símbolo do pacto em objeto de cobiça, capaz de transformar o humano em divino.

O homem moderno, à semelhança do ancestral, continua adorando a criatura em lugar do Criador, atribuindo ao homem a capacidade de cooperar na obra de Cristo e salvar a si mesmo por sua própria justiça, a sedução de Satanás persiste: “Como Deus, sereis...”

Gênesis 3,5: “Como Deus, sereis...”

A humanidade decaída: Por este pecado eles decaíram da sua retidão original e da comunhão com Deus, e assim se tornaram mortos em pecado e inteiramente corrompidos em sua natureza: em todas as suas faculdades e partes do corpo e da alma.

A queda corrompeu a natureza do homem, destruindo qualquer possibilidade de comunhão com Deus. A capacidade do homem para cooperar ou decidir a favor do bem e da salvação não existe mais após a queda.

Romanos 5,12: “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram”.

O homem e o pecado: Como está escrito - do coração do homem procedem os maus pensamentos, mas além disso, as dificuldades da vida, a sedução do mundo, a sociedade corrompida, tudo colabora na revolta e maldade do homem.

Após a queda, a natureza humana é degenerada e corrompida, todos os homens naturais, filhos de Adão, nascem e vivem em rebeldia e inimizade voluntária contra Deus, somente a graça de Deus em Cristo pode regenerar o homem e restaurar a comunhão perdida.

Efésios 2,3: “Entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais”.

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario

busy
Última atualização em Qui, 30 de Maio de 2013 09:57  

Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: "Julgai todas as coisas, retende o que é bom". Louvado seja Deus!

  • Temos para download 717 Livros
  • Este site tem um total de 1653 itens publicados em Artigos

Adicionar aos Favoritos

Adicione aos Favoritos!

Estatísticas

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até outubro de 2017:
934.835
Total de páginas visitadas até setembro/2017:
2.405.646