Vivendo Pela Palavra

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Home Catecismo O Pacto - As obrigações do homem para com Deus

O Pacto - As obrigações do homem para com Deus

E-mail Imprimir PDF

BREVE CATECISMO DE WESTMINSTER - PERGUNTA 12

PERGUNTA 12: Que ato especial de providência exerceu Deus para com o homem no estado em que ele foi criado? RESPOSTA: Quando Deus criou o homem, fez com ele um pacto de vida, com a condição de perfeita obediência: proibindo-lhe comer da árvore da ciência do bem e do mal, sob pena de morte.

O que é o Pacto? O pacto é um acordo unilateral entre Deus e o homem, firmado unicamente com base na vontade soberana e na sabedoria de Deus, não é como um contrato, no qual todas as partes precisam concordar.

O Pacto: Tão grande é a distância entre Deus e a criatura, que, embora as criaturas racionais lhe devam obediência, nunca poderiam usufruir nada de Deus a não ser pela sua livre e soberana vontade, a qual foi representada pelo pacto.

Isaías 40,13-14: “Quem guiou o Espírito do SENHOR? Ou, como seu conselheiro, o ensinou? Com quem tomou ele conselho, para que lhe desse compreensão? Quem o instruiu na vereda do juízo, e lhe ensinou sabedoria, e lhe mostrou o caminho de entendimento?”

O pacto é fruto da livre graça de Deus, apesar disto, a responsabilidade da criatura permanece inalienável. O pacto não tem origem em qualquer necessidade ou carência de Deus, mas é voltado para manifestação da glória de Deus na salvação de seu povo.

A soberania de Deus: Deus é soberano e absoluto em sua natureza e qualidades, não tem necessidade de nada fora de si mesmo, tanto na constituição física do universo como em suas criaturas. A soberania de Deus não depende da cooperação de suas criaturas.

O amor de Deus não é um sentimento afetivo pelas suas criaturas, mas uma manifestação de sua glória em atos práticos que resultam na salvação do homem em Cristo.

1 João 4,9: “Nisto se manifestou o amor de Deus em nós: em haver Deus enviado o seu Filho unigênito ao mundo, para vivermos por meio dele”.

A criação do universo, do homem e dos anjos são atos de misericórdia de Deus e não representa uma necessidade divina, o pacto visa à salvação e ao bem estar do ser humano. Deus não precisa do homem, Ele é um ser completo e plenamente feliz em si mesmo.

Atos 17,24-25: “O Deus que fez o mundo e tudo o que nele existe, sendo ele Senhor do céu e da terra, não habita em santuários feitos por mãos humanas. Nem é servido por mãos humanas, como se de alguma coisa precisasse; pois ele mesmo é quem a todos dá vida, respiração e tudo mais”.

O Pacto de Obras: O primeiro pacto feito com o homem foi estabelecido por Deus como um pacto de obras; nesse pacto a vida foi prometida a Adão, e nele, a toda sua posteridade, sob a condição de perfeita obediência pessoal.

Neste primeiro pacto, Adão é o representante da humanidade. Ele não cumpriu o pacto e caiu, Adão experimentou a partir da queda, a exclusão da comunhão divina; a vida prometida consistia na continuidade desta comunhão divina e na felicidade resultante.

Romanos 5,12: “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram”.

A partir da quebra do pacto, o homem passaria a viver de acordo com as leis do mundo, herdando a natureza pecaminosa resultante da queda, e tornando-se incapaz de restabelecer a comunhão perdida.

1 Coríntios 15,22: “Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo”.

O pacto de obras continua através da história do povo judeu, a Lei, que foi dada a Moisés é uma mera continuação do pacto de obras, que, da mesma forma se mostra incapaz de salvar o homem, pois ninguém será salvo pelas obras da lei.

Romanos 3,20: “Visto que ninguém será justificado diante dele por obras da lei, em razão de que pela lei vem o pleno conhecimento do pecado”.

Como vimos até aqui, pelas obras e pela lei vem somente o conhecimento do pecado, pois nenhum homem em toda a humanidade jamais conseguiu ou conseguirá cumprir rigorosamente toda a lei, porque quem tropeça em um ponto tropeça em toda a lei.

Tiago 2,10: “Pois qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos”.

Por todos estes motivos, sendo o homem incapaz de cumprir a lei, Deus fez um segundo pacto: o pacto da graça, onde ele oferece aos pecadores a vida e a salvação por Jesus Cristo, dando a eles a fé em Cristo e o arrependimento para a vida para que sejam salvos.

A aliança da graça é realizada entre Deus e Ele mesmo na pessoa de Jesus Cristo

Efésios 2,8: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus”.

Este novo pacto não representa redução de termos ou compromissos do primeiro pacto.

Jesus Cristo, perfeito Deus e perfeito homem, através de uma vida de perfeita obediência cumpriu, em lugar de seu povo, toda a obediência que Adão não havia sido capaz de cumprir e por sua morte sacrificial propiciou a ira de Deus que pesava sobre os eleitos.

2 Coríntios 5,21: “Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus”.

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario

busy
Última atualização em Seg, 14 de Novembro de 2011 05:43  

Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: "Julgai todas as coisas, retende o que é bom". Louvado seja Deus!

  • Temos para download 717 Livros
  • Este site tem um total de 1653 itens publicados em Artigos

Adicionar aos Favoritos

Adicione aos Favoritos!

Estatísticas

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até outubro de 2017:
934.835
Total de páginas visitadas até setembro/2017:
2.405.646