Vivendo Pela Palavra

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Home Comentários Bíblicos Romanos 9,16 e o Arbítrio - Calvino

Romanos 9,16 e o Arbítrio - Calvino

E-mail Imprimir PDF

ROMANOS 9,16 E O ARBÍTRIO – CALVINO

vivendopelapalavra.com

Revisão livre e versos acrescentados (RA) por: Helio Clemente

Romanos 9,16: “Assim, pois, não depende de quem quer ou de quem corre, mas de usar Deus a sua misericórdia”.

Romanos 9,16 está muito longe de afirmar o livre arbítrio, usa também do testemunho do Apóstolo, já que ele diz não pertencer ao que quer, nem ao que corre, mas a Deus que se compadece; daí, alguns inferem haver algo na vontade e esforço humanos que, embora por si fraco, ajudado pela misericórdia de Deus, o homem pode conseguir resultado favorável pelas suas próprias forças (a graça cooperante).

Com efeito, se ponderassem sobriamente de que matéria Paulo trata aqui, não abusariam desta proposição de forma tão inconsiderada. Sei que eles podem citar a Orígenes e a Jerônimo como partidários de sua exposição. Eu poderia, de minha parte, opor-lhes também Agostinho. O que, porém, esses patrísticos tenham opinado, em nada nos é relevante, se é evidente o que Paulo quis dizer.

Aí ele ensina que a salvação foi preparada exclusivamente para aqueles a quem o Senhor julga dignos de sua misericórdia; em contrapartida, ruína e desolação subsistem a quantos ele não escolheu. Sob o exemplo de faraó, ele mostrara a sorte dos réprobos.

Romanos 9,17: “Porque a Escritura diz a Faraó: Para isto mesmo te levantei, para mostrar em ti o meu poder e para que o meu nome seja anunciado por toda a terra”.

Temos também, o testemunho similar de Moisés que confirma também a infalibilidade da eleição gratuita:

Êxodo 33,19: “Respondeu-lhe: Farei passar toda a minha bondade diante de ti e te proclamarei o nome do SENHOR; terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia e me compadecerei de quem eu me compadecer”.

E conclui: “Não é do que quer ou do que corre, mas de Deus que se compadece”.

Ora, se esta afirmação for entendida neste sentido, que nosso esforço e vontade não bastam, já que são insuficientes por si mesmos em relação a qualquer necessidade, bem pouco satisfatoriamente teria sido o que Paulo disse. Diante desse fato, longe de nós esses casuísmos tacanhos:

“Não é do que quer, nem do que corre, logo há alguma vontade, há alguma corrida.”

Mais simples, porém, é a mente de Paulo: Não é a vontade, não é a corrida que nos preparam o caminho para a salvação; aqui entra somente a misericórdia do Senhor. Pois tampouco o Apóstolo fala aqui de uma maneira diferente de Tito, onde escreve que a bondade e a humanidade de Deus se fizeram manifestas não por meio de obras de justiça que porventura tenhamos feito, mas em virtude de sua imensa misericórdia.

Tito 3,4-5: “Quando, porém, se manifestou a benignidade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com todos, não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo sua misericórdia, ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo”.

Certamente que nem mesmo os que reiteram insistentemente dizendo que, já que Paulo negou ser daquele que quer ou daquele que corre, ele dá a entender que há alguma vontade e alguma corrida, conceder-me-iam arrazoar da mesma forma, isto é, que pelo fato de Paulo negar que alcançamos a bondade de Deus em decorrência das obras que temos feito, por isso temos feito algumas boas obras.

Ora, se detectam vício nesta argumentação, abram os olhos e verão que a sua não os pode salvar da acusação de falácia! Firme é também esse arrazoado em que Agostinho se apóia:

“Se por isso fosse dito não ser daquele que quer, nem daquele que corre, visto não ser suficiente nem a vontade, nem a corrida, poderia reverter-se o argumento, dizendo que não é da misericórdia de Deus, porquanto ela nem mesmo operaria sozinha.”

Uma vez que este segundo ponto é absurdo, Agostinho conclui, com razão, que isso foi dito por que não há no homem nenhuma boa vontade, a menos que seja preparada pelo Senhor, e não porque não devamos querer e correr; pelo contrário, Deus opera em nós, a um e outro, esses dois elementos.

Torcida por certos indivíduos, não menos imponderadamente, é essa afirmação de Paulo: “Somos cooperadores de Deus”, que sem a mínima dúvida se restringe só aos ministros. Entretanto, chamam-se cooperadores não porque por si sós proporcionem alguma coisa; ao contrário, porque Deus se serve de sua obra, depois de os qualificar e os prover dos dotes necessários.

1 Coríntios 3,9: “Porque de Deus somos cooperadores; lavoura de Deus, edifício de Deus sois vós”.

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario

busy
 

Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: "Julgai todas as coisas, retende o que é bom". Louvado seja Deus!

  • Temos para download 713 Livros
  • Este site tem um total de 1649 itens publicados em Artigos

Adicionar aos Favoritos

Adicione aos Favoritos!

Estatísticas

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até outubro de 2017:
934.835
Total de páginas visitadas até setembro/2017:
2.405.646