Vivendo Pela Palavra

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Home Confissão de fé 37 – Capítulo XXXII - O ESTADO INTERMEDIÁRIO

37 – Capítulo XXXII - O ESTADO INTERMEDIÁRIO

E-mail Imprimir PDF

Confissão de fé de westminster

Por: Helio Clemente

37 – Capítulo XXXII - O ESTADO INTERMEDIÁRIO

Capítulo XXXII, Seção I – O estado intermediário

Depois da morte, os corpos dos homens retornam ao pó e vêem a corrupção (1); mas as suas almas, que não morrem nem dormem, tendo uma existência imortal, voltam imediatamente para Deus que as deu (2): as almas dos justos, sendo então feitas perfeitas em santidade, são recebidas no mais alto céu onde contemplam a face de Deus em luz e glória, esperando a plena redenção dos seus corpos (3); e as almas dos ímpios são lançadas no inferno onde ficarão em tormentos e trevas espessas, reservadas para o juízo do grande dia (4). A Escritura não reconhece nenhum outro lugar, além destes dois, destinado às almas separadas de seus respectivos corpos.

1 – Gênesis 3,19: “No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás”.

2 – Lucas 23,43: “Jesus lhe respondeu: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso”.

3 – Romanos 8,22-23: “Porque sabemos que toda a criação (*), a um só tempo, geme e suporta angústias até agora. E não somente ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, igualmente gememos em nosso íntimo, aguardando a adoção de filhos, a redenção do nosso corpo”.

(*) - Criação: Anjos e seres espirituais criados, que desconhecem o tempo previsto para o juízo final e desejam ardentemente a restauração de todas as coisas.

4 – Eclesiastes 12,7: “E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu”.

Resumo

Na morte do homem o corpo e a alma se separam, indo o corpo para a corrupção e a alma para Deus que a deu.

Existem somente dois destinos para as almas após a morte física: céu e inferno.

Na segunda volta de Cristo o corpo ressurreto se une novamente à alma no estado glorificado.

O estado intermediário

É preciso ter sempre em vista que o homem é uma unidade composta pelo corpo e a alma, o corpo é material e na morte física ele se decompõe, a alma é espiritual e imaterial, como consequência, imortal. A morte física consiste na separação do corpo e da alma, de forma que o corpo se corrompe, mas a alma volta imediatamente a Deus, dirigindo-se a seu destino final: a alma dos eleitos para a presença de Deus no céu e a dos réprobos ao castigo infindável no inferno.

Neste estado, chamado intermediário, a alma aguarda a segunda vinda de Cristo, quando os corpos serão ressuscitados e unidos novamente com suas respectivas almas para o julgamento final.

Lucas 16,22-23: “Aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico e foi sepultado. No inferno, estando em tormentos, levantou os olhos e viu ao longe a Abraão e Lázaro no seu seio”.

Não existe nenhuma evidência ou afirmação bíblica que existam outros estados para as almas após a morte, como o limbo ou o purgatório, ou ainda o sono ou morte da alma. O estado do homem após a morte é definitivo e jamais será mudado, motivo pelo qual o culto aos mortos é herético e condenado pela Escritura.

Lucas 9,60: “Mas Jesus insistiu: Deixa aos mortos o sepultar os seus próprios mortos. Tu, porém, vai e prega o reino de Deus”.

Apesar da decomposição do corpo, a individualidade de cada pessoa será preservada até o dia da ressurreição, o Dia do Juízo, quando o corpo ressurge, espiritual e glorificado unindo-se à alma de forma definitiva, a identidade, o conhecimento e a cultura de cada pessoa serão preservadas para que ela se submeta ao juízo como um ser único, responsável e consciente diante do Cordeiro.

Ezequiel 37,3-6: “Então, me perguntou: Filho do homem, acaso, poderão reviver estes ossos? Respondi: SENHOR Deus, tu o sabes. Disse-me ele: Profetiza a estes ossos e dize-lhes: Ossos secos, ouvi a palavra do SENHOR. Assim diz o SENHOR Deus a estes ossos: Eis que farei entrar o espírito em vós, e vivereis. Porei tendões sobre vós, farei crescer carne sobre vós, sobre vós estenderei pele e porei em vós o espírito, e vivereis. E sabereis que eu sou o SENHOR”.

Capítulo XXXII, Seção II – Transformação e ressurreição

Os que estiverem vivos no último dia não morrerão, mas serão transformados (1); todos os mortos serão ressuscitados em seus próprios corpos e não outros, ainda que com qualidades diferentes, e ficarão unidos às suas almas para sempre (2).

1 – 1 Tessalonicenses 4,17: “Depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor”.

2 – 1 Tessalonicenses 4,16: “Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro”.

Capítulo XXXII, Seção III – O estado final

Pelo poder de Cristo os corpos dos injustos serão ressuscitados para a desonra, os corpos dos justos serão ressuscitados, pelo seu Espírito, para a honra e para serem semelhantes ao próprio corpo glorificado de Cristo (1).

1 – João 5,28-29: “Não vos maravilheis disto, porque vem a hora em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida; e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo”.

Resumo

No Dia do Juízo os que vivem serão transformados e os mortos ressuscitados para o julgamento final.

Esta transformação dos corpos será definitiva à semelhança do corpo ressurreto de Cristo.

Corpos transformados

Haverá um dia do juízo para toda a humanidade, todos os que existiram em todos os tempos. Conforme o apóstolo Paulo, os mortos serão ressuscitados primeiro e os que estiverem vivos neste dia serão transformados e revestidos de imortabilidade e incorruptibilidade.

Todos se apresentarão para o julgamento, os eleitos para a glória junto a Cristo e os réprobos para a ignomínia e o castigo infindável no fogo do inferno. Não existirá a partir de então jovens e velhos, todos serão estáveis e imortais, tanto justos como condenados. A Escritura não detalha o estado dos réprobos condenados, mas seus castigos e sofrimentos serão indizíveis e infindáveis.

Apocalipse 20,14-15: “Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo. E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo”.

Os eleitos de Deus receberão corpos perfeitos, à semelhança do corpo ressurreto de Jesus, estarão então livres do pecado original e dos pecados factuais. A identidade de cada um será mantida e preservada com a personalidade e a racionalidade própria da pessoa, retomando então a imagem de Deus, perdida na queda. Os filhos de Deus não mais estarão sujeitos ao pecado e à queda, não porque tenham adquirido esta capacidade, mas porque estarão preservados para sempre por Cristo e entrarão no gozo de sua graça e proteção indefinidamente, por todos os séculos dos séculos, amém.

1 Coríntios 15,42-45: “Pois assim também é a ressurreição dos mortos. Semeia-se o corpo na corrupção, ressuscita na incorrupção. Semeia-se em desonra, ressuscita em glória.   Semeia-se em fraqueza, ressuscita em poder. Semeia-se corpo natural, ressuscita corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual. Pois assim está escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito alma vivente. O último Adão, porém, é espírito vivificante”.

Veja no verso acima que Paulo afirma que o corpo ressurreto será espiritual, não sabemos explicar como será isto, mas a Bíblia de Estudo de Genebra, John Gill, Matthew Henry e outros comentaristas e teólogos respeitáveis concordam com este fato, o que é também a a convicção do autor deste comentário.

Ninguém sabe onde os crentes transformados irão habitar, é dito na Escritura que Deus habita em luz inacessível, coisa que nenhum homem consegue sequer imaginar. É também dito que olhos não viram, ouvidos não ouviram e em coração humano jamais penetrou o que Deus tem reservado àqueles a quem ama. Também está escrito: desceu ao inferno, subiu aos céus, mas estas coisas não dizem absolutamente nada de real a respeito do céu, especular a este respeito é pura invenção humana, pois nada está revelado na Escritura, cabe ao cristão confiar e aguardar confiante no poder de Deus.

1 Coríntios 2,9: “Mas, como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam”.

Agostinho, em suas “Confissões”, afirma que o céu criado no primeiro verso do Gênesis é o céu espiritual, morada dos anjos e das almas dos eleitos após a morte, bem como o inferno, morada das almas dos ímpios após a morte e reservado aos anjos caídos, alguns dos quais, conforme Judas já se encontram ali. A terra, neste mesmo verso, seria o universo material criado a partir do nada.

Judas 1,6: “E a anjos, os que não guardaram o seu estado original, mas abandonaram o seu próprio domicílio, ele tem guardado sob trevas, em algemas eternas, para o juízo do grande Dia”.

Especulações

Afirmar coisas não reveladas na Escritura é especulação, este tipo de coisa deve ser evitado a todo custo, porém, teólogos e religiosos insistem em “descobrir” coisas relativas ao que irá acontecer nos últimos dias e ao que se seguirá o juízo. Estas coisas não são reveladas e os cristãos devem rejeitar especulações a este respeito.

Deuteronômio 29,29: “As coisas encobertas pertencem ao SENHOR, nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem, a nós e a nossos filhos, para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei”.

Muitos teólogos e religiosos se apegam à segunda carta de Pedro, onde ele se refere aos novos céus e nova terra, para afirmar que os eleitos de Deus transformados continuarão a habitar a mesma terra modificada. Esta é uma idéia que não condiz com os versos anteriores onde Pedro afirma que: ‘Os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas’.

Isto leva a crer que todas as coisas existentes serão destruídas, inclusive a terra e todo o universo. As leis naturais da física, pelas quais a providência de Deus usualmente opera, também indicam a morte do universo, seja pela expansão contínua que provocaria a desagregação dos elementos, ou contração pela multiplicação dos buracos negros que levaria o universo à sua condição inicial, contido em um ponto singular (argumento cosmológico Kalan).

2 Pedro 3,10-13: “Virá, entretanto, como ladrão, o Dia do Senhor, no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas. Visto que todas essas coisas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade, esperando e apressando a vinda do Dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão. Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça”.

Uma vez que os crentes ressurretos habitarão com Deus, é inimaginável supor que a terra transformada possa conter a Deus e todos os seres espirituais já criados. Deus criou o universo fora de si, este é o princípio básico da criação exposto na bíblia. Imaginando que os crentes continuarão a viver na terra transformada, as pessoas que crêem nisto estão simplesmente adotando o panteísmo, ou seja: supondo que a terra conterá a Deus, elas supõem que o universo é uma extensão do Ser de Deus.

2 Crônicas 2,6: “No entanto, quem seria capaz de lhe edificar a casa, visto que os céus e até os céus dos céus o não podem conter? E quem sou eu para lhe edificar a casa, senão para queimar incenso perante ele?”

Conforme Agostinho, Omo vimos acima, a primeira criação no tempo foi o céu, entendido como a morada de Deus, esta morada de Deus não é co-eterna com ele, mas destituída de matéria física, onde o tempo não tem decorrência, pois não existe movimento.

Agostinho (Confissões): “Por isso a matéria comum a todas as coisas invisíveis e visíveis, matéria ainda informe, mas susceptível de forma, e de onde se fariam o céu e a terra – em outras palavras, a criação invisível e visível – mas uma e outra tendo recebido forma, foi designada por essas expressões de terra invisível e informe, e de trevas reinando sobre o abismo. Com a seguinte distinção: por terra invisível e informe deve-se entender a matéria corpórea antes de ser qualificada pela forma; e por trevas reinando sobre o abismo, a matéria espiritual, antes da restrição de sua, digamos, imoderada fluidez antes de ser iluminada pela Sabedoria (*). Poderia alguém afirmar, se quisesse: Esses termos céu e terra não significam realidades perfeitas e acabadas, lá onde lemos: No princípio Deus criou o céu e a terra – mas um esboço ainda informe, uma matéria passível de receber forma e servir para a criação; nela já existiam, como que um embrião, sem distinção de formas e de qualidades, essas criações, uma espiritual, e outra material que, ordenadas como estão agora, são chamadas de céu (espiritual) e terra”.

(*) “A terra, porém, estava sem forma e vazia” – A matéria corpórea elementar antes de sua forma final. “Havia trevas sobre a face do abismo” - A matéria espiritual fluida sem a iluminação da Sabedoria de Deus (os primórdios do céu espiritual – a morada de Deus).

Outro verso bastante abusado nesta questão está em Romanos, onde o apóstolo diz que a criação aguarda com ansiedade a revelação dos filhos de Deus. Ora, como um pedaço de pedra ou uma porção de terra, ou uma massa de água tem ansiedade?

A criação, neste verso, refere-se a seres inteligentes e conscientes que são os anjos e seres espirituais, bem como as almas no estado intermediário, conforme se pode observar no livro do Apocalipse.

Apocalipse 6,10: “Clamaram em grande voz, dizendo: Até quando, ó Soberano Senhor, santo e verdadeiro, não julgas, nem vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?”.

Estas criaturas desconhecem, tanto quanto nós, os tempos predeterminados por Deus, e aguardam com ansiedade aquele momento em que todas as coisas serão restauradas, em caráter definitivo juntamente com os filhos de Deus.

Romanos 8,20-23: “Pois a criação está sujeita à vaidade, não voluntariamente, mas por causa daquele que a sujeitou, na esperança de que a própria criação será redimida do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus. Porque sabemos que toda a criação, a um só tempo, geme e suporta angústias até agora. E não somente ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, igualmente gememos em nosso íntimo, aguardando a adoção de filhos, a redenção do nosso corpo”.

O que cabe ao crente é aguardar com tranquilidade os tempos previstos por Deus, orando e vigiando conforme instruiu Nosso Senhor.

Lucas 21,36: “Vigiai, pois, a todo tempo, orando, para que possais escapar de todas estas coisas que têm de suceder e estar em pé na presença do Filho do Homem”.

Comentarios (1)Add Comment
0
problemas..
escrito por camillo, maio 17, 2014
olha o catecismo de westminster tinha a visao amilenista...no que pude ver ao menos...porem existem problemas...se a alma vai pro inferno ou ceu...temos que definir o que e inferno ja que nao pode ser o lago de fogo porque nen o propio satanas foi ainda...essa doutrina e complicada pois nao foi bem resolvida ate hj...graças a DEUS que a salvação esta bem resolvida e e pela fe rsrsrs

Escreva seu Comentario

busy
 

Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: "Julgai todas as coisas, retende o que é bom". Louvado seja Deus!

  • Temos para download 717 Livros
  • Este site tem um total de 1653 itens publicados em Artigos

Adicionar aos Favoritos

Adicione aos Favoritos!

Estatísticas

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até outubro de 2017:
934.835
Total de páginas visitadas até setembro/2017:
2.405.646