Vivendo Pela Palavra

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Home Palestras ABORTO – O TESTEMUNHO DA BÍBLIA

ABORTO – O TESTEMUNHO DA BÍBLIA

E-mail Imprimir PDF

ABORTO – O TESTEMUNHO DA BÍBLIA

 

O que é uma criança ainda não nascida?

Uma criança ainda não nascida é um ser humano completo constando de corpo e alma tanto quanto um adulto. O corpo é diferente, mas, nosso corpo era diferente quando tínhamos um ano, era diferente quando tínhamos cinco anos, se somos velhos nosso corpo é diferente de quando éramos jovens.

Tudo isto é verdade, o corpo muda a cada dia, mas ele é próprio do indivíduo, ele é sempre o mesmo corpo entre todas as suas mudanças ao longo do tempo.

João 21,18: “Em verdade, em verdade te digo que, quando eras mais moço, tu te cingias a ti mesmo e andavas por onde querias; quando, porém, fores velho, estenderás as mãos, e outro te cingirá e te levará para onde não queres”.

O que é o aborto? O aborto é a expulsão de um ser humano em formação no ventre de sua mãe através da intervenção voluntária do homem com o objetivo de exterminar este ser humano.

Êxodo 20,13: “Não matarás”.

O sexto mandamento - não matarás – não proíbe matar animais para alimentação humana e não proíbe propriamente toda a morte, pois, todo o homem que, voluntariamente, matar a outro homem deverá pagar com sua própria vida, este é um mandamento bíblico, a pena de morte é indicada biblicamente e deve ser obrigatória em um país cristão, todavia, este sexto mandamento poderia ser melhor colocado da seguinte forma: “Não derramarás sangue inocente”.

Êxodo 21,12: “Quem ferir a outro, de modo que este morra, também será morto”.

É preciso tomar cuidado com pessoas voltadas a religiões humanistas que usam este mandamento “não matarás” de forma tão abrangente que vai muito além do propósito da Escritura, proibindo que se matem animais para alimentação humana ou proibindo a execução de criminosos.

Este tipo de posicionamento tem gerado mais problemas que soluções, com propostas de direitos humanos que invariavelmente acabam por proteger marginais e criminosos ao invés de socorrer aos cidadãos inocentes.

São estes mesmos naturalistas e humanistas que defendem a legalização do aborto, conforme sua filosofia é mais importante prevenir a superpopulação que as vidas humanas em jogo.

Deuteronômio 19,10: “Para que o sangue inocente se não derrame no meio da tua terra que o SENHOR, teu Deus, te dá por herança, pois haveria sangue sobre ti”.

Este “sangue inocente” diz respeito às ordenanças divinas, que proíbem a morte de pessoas sem julgamento prévio.

Na justiça dos homens, todos são inocentes até que se prove sua culpa, e isto deve ser feito de forma bastante cuidadosa, o Velho Testamento não admite a condenação por um único testemunho, terá que haver pelo menos dois testemunhos e desejável um terceiro.

Em vista disto, perguntamos: qual o crime cometido pelo feto? Ser inoportuno? Se fôssemos eliminar todas as pessoas inoportunas teríamos uma verdadeira carnificina a nível mundial.

Ora, o homem foi feito à imagem e semelhança de Deus, e isto se observa desde o momento da concepção; a criança no ventre da mãe é um ser humano completo que está sob as vistas de Deus, vejamos abaixo o exemplo de Jeremias.

Jeremias 1,5: “Antes que eu te formasse no ventre materno, eu te conheci, e, antes que saísses da madre, te consagrei, e te constituí profeta às nações”.

Temos também o exemplo de João Batista, ainda no ventre da mãe ele recebe o Espírito quando da visita de Maria.

Lucas 1,44: “Pois, logo que me chegou aos ouvidos a voz da tua saudação, a criança estremeceu de alegria dentro de mim”.

Vemos desta forma, que a criança no ventre materno é um ser humano completo e acabado, pois já recebeu de Deus a sua alma e tem um corpo em formação. Como já vimos acima, o corpo humano está em constante transformação durante toda a vida do homem.

Os defensores do aborto afirmam que o feto ainda não é uma pessoa humana. Algumas religiões, ditas cristãs, atualmente corroboram esta tese dizendo que a criança somente passa a existir após o seu nascimento, mas já vimos acima, nos exemplos de Jeremias e João Batista que a criança é um ser humano antes de nascer.

Esta afirmação de que a criança somente é um ser humano somente após o nascimento nos traz uma pergunta crucial, a matéria bruta pode ter vida em si sem a presença do espírito?

João 6,63: “O espírito é o que vivifica; a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida”.

Davi, falando pelo Espírito, diz no salmo 139 que Deus olhava por ele no ventre de sua mãe, e já naquela situação, como um feto, todos os seus dias estavam escritos no livro da vida quando nenhum deles ainda existiam.

Salmo 139,16: “Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda”.

Neste mesmo salmo, Davi dialoga com Deus e se refere a si mesmo como uma pessoa humana com sua identidade completa e acabada embora estivesse ainda no ventre de sua mãe.

Salmo 139,13: “Pois tu formaste o meu interior tu me teceste no seio de minha mãe”.

Mais uma vez Davi nos conduz à certeza da identidade indiscutível do feto como um ser humano completo, desta vez de forma negativa, com relação ao pecado, ora, o pecado somente pode ser imputado a um ser humano completo, uma massa de carne informe e sem vida não pode ser pecadora.

Salmo 51,5: “Eu nasci na iniquidade, e em pecado me concebeu minha mãe”.

O pecado a que Davi se refere não é o ato sexual, perfeitamente lícito no matrimônio, mas a pecaminosidade inerente a ele e a todas as pessoas desde o momento de sua existência como ser humano.

Tudo isto caracteriza o feto como um ser humano completo, pois somente assim poderia ser atribuído a ele o pecado.

Apenas complementando este tema, mesmo que a criança seja filha de pais ímpios, os pecados dos pais não são atribuídos aos filhos e nem os dos filhos aos pais. O contrário também é válido, pais cristãos não garantem a integridade de seus filhos.

Ezequiel 18,4: “Eis que todas as almas são minhas; como a alma do pai, também a alma do filho é minha; a alma que pecar, essa morrerá”.

Um leão não é pecador por matar uma zebra, ou um crocodilo por matar uma garça e nem tampouco uma pedra que rola morro abaixo destruindo construções e matando pessoas é pecadora, somente homens e anjos são pecadores, se Davi foi concebido em pecado, ele era um ser humano completo no ato da concepção.

Outro trecho bíblico que se refere ao aborto relata o fato de dois homens brigando virem a ferir uma mulher grávida provocando o aborto (hebraico: yatsa - nascimento prematuro).

- Em uma primeira suposição o aborto é considerado como um parto prematuro, havendo a sobrevivência da mãe e da criança, neste caso o infrator estará sujeito ao pagamento de indenizações.

- Em um segundo caso, havendo a morte do feto ou da mãe o infrator estará sujeito à morte, o que prova mais uma vez que o V. Testamento considera o feto como um ser humano completo.

Êxodo 21,22-25: “Se homens brigarem, e ferirem mulher grávida, e forem causa de que aborte (yatsa: nascimento prematuro), porém sem maior dano, aquele que feriu será obrigado a indenizar segundo o que lhe exigir o marido da mulher; e pagará como os juízes lhe determinarem. Mas, se houver dano grave, então, darás vida por vida...”.

Os apóstolos, logo após a morte de Cristo iniciaram o seu ministério de ensino, eles elaboraram uma espécie de manual cristão denominado Didaquê onde explicavam de forma simples os princípios do cristianismo, neste manual encontramos a seguinte exposição quanto ao aborto:

O Didaquê - Capítulo II: “Não assassinarás uma criança pelo aborto, nem matarás aquele que está gerado”.

Tertuliano - Apologia IX: “Em nosso caso, sendo o assassinato totalmente proibido, não podemos destruir nem mesmo o feto no ventre. Impedir um nascimento é tão somente um homicídio mais rápido; não há diferença entre tirar-se a vida do que é nascido ou do que virá a nascer. Já é homem, aquele que se tornará em um; na semente, já tendes o fruto”.

Por todas estas coisas pode-se ver claramente que o aborto é um crime condenado pela Escritura conforme o mandamento: “não matarás”. Todos os subterfúgios utilizados para se fugir a esta verdade bíblica serão vãos e inúteis aos olhos de Deus, pois ele é aquele que perscruta os corações e esquadrinha os pensamentos, não há como se esconder de Deus.

Salmos 139,23: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos”.

Vemos então colocado acima que o aborto é um crime conforme a posição bíblica e todos os cristãos são obrigados pela sua consciência a lutar contra este fato que deverá em breve ser descriminalizado na lei civil dos países ocidentais, é apenas uma questão de tempo.

Todavia, o que passamos a questionar a partir daqui é a separação entre o estado e a igreja, Jesus disse a este respeito: “Dai a Cesar o que é de Cesar e dai a Deus o que é de Deus”.

Nenhum dos apóstolos ou mesmo Jesus jamais se dispuseram à luta política contra as autoridades estabelecidas, eles sempre se engajaram na luta pelo reino, e suas armas sempre foram as Escrituras.

Marcos 12,17: “Disse-lhes, então, Jesus: Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. E muito se admiraram dele”.

Quais as armas dos cristãos? As armas dos cristãos são o conhecimento de Deus e da Palavra, com estes instrumentos Jesus e os apóstolos venceram o mundo. O ativismo político não é próprio dos cristãos, a oração, o testemunho de Cristo e a pregação da Palavra são as formas pelas quais o cristianismo é levado ao mundo.

O aborto, hoje, vem sendo utilizado como uma panacéia para unir todas as seitas e religiões em torno de uma questão importante, mas periférica com relação à doutrina cristã.

Por um lado, a doutrina cristã não deve ser dividida por estas questões periféricas, como modos de aplicação de batismo, liturgia dos cultos, tipos de música, dias, horários e outros, mas por outro lado, os cristãos não podem se unir a seitas e religiões que renegam as doutrinas básicas do cristianismo: a divindade de Jesus, a Trindade divina e a confiança na Escritura como norma de vida para o cristão, estas verdades são inegociáveis, a não ser que a pessoa negocie com elas a sua alma.

Mateus 16,16: “Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”.

O que é a pedra sobre a qual Jesus edificou a sua igreja? A pedra é esta declaração: Tu és o Filho do Deus vivo. Este é o princípio da igreja e da religião cristã: a divindade de Cristo, e consequentemente a Trindade Divina, ele não é um homem comum, ele é Deus encarnado, o Verbo de Deus que veio ao mundo para salvar o seu povo.

Esta sim é uma questão divisória entre o cristianismo e todas as seitas e religiões do mundo, nenhum outro líder religioso em todos os tempos reivindicou para si mesmo a divindade, somente Jesus é Deus encarnado, somente Jesus salva, nada que o homem possa fazer vai lhe trazer mérito ou justiça para a salvação.

Ninguém vem ao Pai por si mesmo, somente pela graça de Deus em Cristo e nada mais além disto.

João 14,6: “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim”.

À luz de tudo o que dissemos, com relação ao aborto, cada pessoa, que deve lutar dentro de sua família e de suas possibilidades e conhecimentos, sem alienação com relação ao mundo, todavia, sem envolvimentos políticos ou com pessoas que se aproveitam de situações para promover interesses políticos ou pessoais.

O perigo da questão em torno do aborto é a utilização deste tema, que não diz respeito propriamente às questões básicas da doutrina cristã, como um motivo de unificação da religião cristã com religiões e denominações espúrias em torno da futura religião ecumênica, a religião do anticristo, onde se abandonam as verdades bíblicas e se unem em torno de verdades humanistas.

2 Timóteo 4,3: “Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos”.

Comentarios (0)Add Comment

Escreva seu Comentario

busy
Última atualização em Sex, 21 de Agosto de 2015 09:57  

Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: "Julgai todas as coisas, retende o que é bom". Louvado seja Deus!

  • Temos para download 713 Livros
  • Este site tem um total de 1649 itens publicados em Artigos

Adicionar aos Favoritos

Adicione aos Favoritos!

Estatísticas

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até outubro de 2017:
934.835
Total de páginas visitadas até setembro/2017:
2.405.646