Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até outubro de 2018:
1.035.642
Total de páginas visitadas até outubro 2018:
2.647.499

Mais Baixados

Comentários Bíblicos

1 PEDRO 3,19-21 – A. A. HODGE

1 PEDRO 3,18-20 – A. A. HODGE

vivendopelapalavra.com

Revisão, diagramação e versos acrescentados (RA) por: Helio Clemente

1 Pedro 3,18-20: “Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus; morto, sim, na carne, mas vivificado no espírito, no qual também foi e pregou aos espíritos em prisão, os quais, noutro tempo, foram desobedientes quando a longanimidade de Deus aguardava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca, na qual poucos, a saber, oito pessoas, foram salvos, através da água”.

Esta é uma passagem muito obscura. A interpretação católico-romana, é que Cristo foi ao Limbus Patrum e pregou o evangelho aos espíritos presos que esperavam o seu advento.

A interpretação comum dos protestantes é que Cristo foi morto fisicamente, mas vivificado, ou restaurado à vida, pelo Espírito, o mesmo Espírito pelo qual, inspirando a Noé como pregador da justiça, Cristo, muitos séculos antes, tinha descido do céu e pregado aos homens daquela geração. Estes, em seus pecados e em sua incredulidade, eram os “espíritos em prisão”.

Somente oito pessoas creram e foram salvas; por isso os cristãos professos e os pregadores do evangelho não devem ficar desanimados face a incredulidade dos homens atualmente.

Outra interpretação, sugerida pelo arcebispo Leighton numa nota, como sua última opinião, e explicada largamente pelo falecido Dr. Brown, de Edimburgo, é que Cristo, morrendo fisicamente como sacrifício vicário, e vivificado no espírito, isto é, vivificado espiritualmente, manifestado como o Salvador perfeito num grau muito superior ao que foi possível antes; morrendo como um grão de trigo, ele começou a produzir muito fruto; e vivificado assim, ele agora, por meio da inspiração do Espírito, prega aos “espíritos em prisão”, isto é, aos prisioneiros do pecado e de satanás, do mesmo modo como tinha feito anteriormente, posto que com menor poder, por meio de Noé e de todos os profetas, quando os espíritos eram desobedientes.

Sob o ministério de Noé foram salvas só oito almas; porém depois de vivificado Cristo no espírito, isto é, depois de manifestado como o Salvador perfeito, multidões têm crido.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário