Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até março de 2019:
1.066.209
Total de páginas visitadas até março 2019:
2.789.891

Mais Baixados

Doutrina

10 SERMÕES – R. MURRAY M’CHEYNE

Prefácio(s)
Queridos irmãos, é com grande alegria que compartilhamos com vocês estes belos escritos “colhidos das Mãos de Deus”, por Robert Murray M’Cheyne. Louvo ao Senhor por nos ter concedido o agraciado privilégio de traduzi-los para a língua portuguesa, pelas doces e profundas meditações que os textos nos têm proporcionado, e pela honra de dispensar tão precioso tesouro. Há cerca de um ano, o Senhor, por Sua Maravilhosa Graça, despertou-me para gloriosas Verdades, comumente chamadas de Doutrinas da Graça. Durante o início deste processo um tanto árduo e doloroso, agradou ao Senhor, em minhas buscas por “placas sinalizadoras” nos primeiros passos da jornada rumo a Sião, colocar diante de meus olhos textos e sermões de autores bíblicos fiéis, que tanto edificaram minha alma, e me apontavam para as Santas Escrituras como a Fonte da qual brotava o “mel que ilumina os olhos”, mel que brota da Rocha Eterna de nossa Salvação. Desta forma, cedo entendi que o Senhor pode abençoar os escritos que Ele mesmo concedeu aos Seus servos fiéis, cuja esperança está na Sua Palavra, e mantê-los, ao longo dos anos, atuais, preciosos e úteis para elevar ao Alto nossos corações e almas. Por volta de seis meses atrás, eu estudava sobre “depravação total do homem”, e deparei-me com um texto tão puro, bíblico e piedoso sobre o tema, como eu jamais havia lido: “A Incapacidade Humana de Vir a Cristo”, por Robert M. M’Cheyne. O texto como um todo, e um trecho, em especial, de forma peculiar, foram acolhidos em minha alma. Sim, “Se o Espírito age nas pessoas, estas simples palavras: ‘Segue a Jesus’, faladas em amor, podem ser abençoadas e salvar todos os ouvintes”. “Mais que os grandes talentos, Deus abençoa aqueles que refletem a semelhança de Jesus em suas vidas. Um ministro santo é uma arma poderosa nas mãos de Deus”. Já não se tratava de um “tema” de estudo, mas de uma consideração sobre a Pessoa de Cristo. E isto foi muito bom e deleitoso a mim. No mesmo dia em que li este primeiro texto de M’Cheyne, pude conversar com um querido irmão em Cristo sobre aquele autor, e especialmente sobre seu belo escrito. Desde então, o Senhor graciosamente trouxe às minhas mãos o precioso livro “Sermões de Robert Murray M’Cheyne”, contendo 24 dos cerca de 300 Sermões escritos pelo querido Robert, durante seu breve, frutífero e, –reconhecidamente – amoroso e piedoso ministério, de sete anos e meio, em Dundee, Escócia.
Os escritos de Robert M’Cheyne são verazmente bíblicos, fiéis, puros, piedosos, luminosos e essencialmente Cristocêntricos. Penso que esta é uma das maiores riquezas destes textos: com a graça de Deus, desvelam um pouco da Formosura, Suficiência, Glória e Sublimidade da Bendita Pessoa e Obra de nosso Senhor Jesus Cristo. As palavras têm aroma celeste, aroma suave como de “unguento derramado”, pois sempre versam, à Luz das Santas Letras, sobre o mesmo tema: Cristo! Cristo! Cristo! O que me faz lembrar as Benditas Palavras do Senhor: “E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim” [João 12: 32]. A cada sermão, lê-se um convite urgente e cheio de amor para que pecadores arrependam-se e venham a Cristo: “‘Eu sou o caminho, ninguém vem ao Pai senão por mim’. O mais culpado pode entrar por Jesus. E ouvir como docemente Ele diz: “Ao que vencer darei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus” (Apocalipse 2:7); “Há tudo o que você necessita na arca. Irmãos, como vocês escaparão, se negligenciam tão grande salvação? Se vocês desprezam uma arca tão forte, tão plena de provisão, como escaparão?”. Além disso, encontramos encorajamento para que cristãos cresçam em santidade e amor a Cristo, de modo que possamos deste já fruir do Esposo de nossas almas (pois, “ainda que tudo desapareça, seu amor, o amor de Cristo permanece. É como uma criança de meses no colo de sua mãe, confiante e seguro”); e nos alegrarmos reverentemente com a expectativa da partida, quando vamos, enfim, nos “juntar aos milhares de redimidos misturando com o deles o aroma de seu louvor […] como flores vivas para formar uma guirlanda para fronte do Redentor”. Ler mais de seus escritos, e conhecer um pouco mais sobre sua vida devotada a Cristo e à Sua Causa, tem sido extremamente edificante. Quão docemente a exposição da Palavra, a exposição de Cristo flui de seus lábios, atravessa seus escritos, e adentra em nossas “almas desoladas”, enchendo-as de Luz e Calor. Sim, a alma de todo crente é “esposa desolada”, que sente muitas saudades do Amado. Assim, que bendito consolo podemos encontrar em palavras como estas: “Assim como Cristo aqui diz dos crentes “minha irmã, minha esposa”, porque eles não estão apenas unidos a Ele por uma eleição e aliança, mas também porque eles Lhe são semelhantes”. Foi possível perceber, que a maior parte deste tesouro ainda não estava disponível em de língua portuguesa. Assim, com a Graça de Deus somente, e para a Sua Glória, somente, e em Cristo, somente, foi-nos concedido o privilégio de traduzir e divulgar mais algumas obras deste autor, em português. Espero que a leitura vos abençoe, ainda mais do que nos têm abençoado. E, sendo dito que “M’Cheyne talvez pregou com mais poder com sua vida que com suas mensagens”, queridos leitores, não deixem de ler e meditar também em sua biografia, que encontra-se no fim deste e-book. Nossa oração é que o Santo Espírito possa, Se assim Lhe aprouver, vivificar, como dantes, os escritos deste piedoso servo de Cristo, e torná-los instrumentos poderosos em Deus, para a conversão de pecadores ao Senhor Jesus Cristo e edificação de Sua Amada Igreja. Em Cristo Jesus, nós pedimos, já agradecidos. Amém e Amém. Soli Deo Glória! Soli Christus! Camila Rebeca Almeida, Ananindeua, Pará, 21 de Dezembro de 2013. ***
“Estamos alegres” Por quê? “Porquanto os nossos olhos são os que viram toda a grande obra que fez o Senhor” O que Ele fez? “Grandes coisas fez o Senhor por nós, então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cântico!” (Salmos 126:3; Salmos 126:2; Deuteronômio 11:7). Estamos muito felizes no Senhor. O grande Deus, a quem chamamos Pai, tem sido sobremaneira gracioso conosco não podemos dizer outra coisa senão que o Espírito tem nos dado “gozo sobre gozo no Senhor” (Isaías 29:19).
Esta felicidade transbordante vem de todas as obras que o Senhor tem feito em nossas vidas e por ter derramado abundantemente “graça por graça.” (João 1:16) sobre nós. E uma dessas alegrias, e uma dessas graças, que o Senhor tem nos proporcionado foi o conhecimento do ministério e escritos do reverendo Robert Murray M’Cheyne. O Senhor nos deu não somente conhecer, o que já seria maravilhoso, mas também o privilégio de poder traduzir seus escritos e, segundo os Seus eternos propósitos, também fazê-lo conhecido a outros.
A primeira vez que eu li algo pela pena do M’Cheyne foi a menos de um ano atrás, no site “Reformados.com.br”, o sermão, “Eu durmo, mas meu coração vela” retirado do livro “Sermões, por Robert Murray McCheyne” (PES, 2005 – trad. Odayr Olivetti). Encantei-me por tudo como um todo, pela maneira de escrever, e principalmente pela exposição fiel e poética das Santas Letras, especificamente do livro dos Cantares. Ao lê-lo lembrei-me “da simplicidade que há em Cristo.” (2 Coríntios 11:3). Hoje depois de ler alguns outros sermões pelo autor e de conhecer um pouco mais de sua biografia e ministério, sinto-me privilegiado por Deus, que durante tantas vezes, ao transcorrer dos anos, têm escolhido vasos de barro para depositar as joias celestiais de Sua Palavra e levantado pregadores fiéis para anunciarem o Seu Santo Evangelho de forma tão fiel, pura e simples como o foi com M’Cheyne.
Creio piamente, que uma das maiores necessidades do nosso tempo presente são pregações que sejam realmente fiéis às Escrituras. Precisamos de pregadores que não somente preguem, mas vivam o Evangelho. Pregadores que preguem com palavras e exemplos. Em nossos dias, quando em muitas igrejas o Verdadeiro Evangelho de Jesus Cristo “saiu de moda” e deu lugar ao “Show da Fé”, onde – já foi dito – o ingresso custa caro; e quando a glória de Deus é blasfemada pelo humanismo e mundanismo; e a simplicidade e pureza de Cristo foram substituídas por muitas outras abominações introduzidas e promovidas por Satanás e por seus filhos, é sem dúvida deleitável voltar ao “antigo Evangelho”, às “veredas antigas” “ao bom caminho” de Cristo e assim “encontrar descanso para as nossas almas” (Jeremias 6:16).
O M’Cheyne é um “pregador antigo”, daquele que não pregam para os homens, mas para a glória de Deus, como que diante de Deus. Um evangelista santo e poderoso, inflamado pelo Santo Espírito como Spurgeon. Teve talvez o ministério mais curto e mais produtivo já visto, ficando atrás apenas do mui amado missionário, do memorável David Brainerd.
Venha! E coma da gordura e bebam da doçura do Evangelho de Cristo Jesus, pela destra e piedosa pena de Robert Murray M’Cheyne.
A graça seja convosco.
Glória a Deus nas alturas. Amém!
William Teixeira, São Paulo, 21 de Dezembro de 2013.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário