Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até março de 2018:
995.184
Total de páginas visitadas até março 2018:
2.536.941

Mais Baixados

Antropologia

A árvore do conhecimento do bem e do mal

A árvore do conhecimento do bem e do mal

vivendopelapalavra.com

Por: Helio Clemente

Deus colocou o homem para viver no Jardim do Éden, onde ele tinha tudo o que precisava para viver, ou… quase tudo. Então ele recebeu uma ordem de Deus: O Pacto de Obras.

Gênesis 2,16-17: “E o SENHOR Deus lhe deu esta ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás”.

Como foi dito acima, o homem não era feliz, faltava a ele alguma coisa, uma companheira.

Gênesis 2,22: “E a costela que o SENHOR Deus tomara ao homem, transformou-a numa mulher e lha trouxe”.

O homem passou então a viver com sua mulher e estava satisfeito, privava da comunhão com Deus e vivia bem com sua companheira no Jardim do Éden. Mas, o homem ainda não era feliz, ansiava por algo que nem ele mesmo sabia, não queria viver pela justiça de Deus, ansiava por sua justiça própria. Aproveitando-se deste fato, a serpente, que é Satanás, aproximou-se da mulher e a seduziu para desobedecer à ordem de Deus e comer o fruto proibido junto com Adão, disse a serpente:

Gênesis 3,5: “Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal”.

Existem algumas interpretações divergentes quanto à natureza do conhecimento do bem e do mal que procedia da árvore, mas uma coisa é concorde em todas as interpretações: A árvore do conhecimento do bem e do mal é simplesmente a árvore do conhecimento, que pode ser tomado em um sentido de complementação ou em um sentido moral.

O sentido de complementação de um conhecimento já existente é patente em qualquer consideração, pois o fruto do conhecimento sempre acrescentaria algo ao que Adão já sabia, como de fato aconteceu. Desta forma, a interpretação adotada pelo autor é o sentido moral deste conhecimento, ou seja: Em lugar da autoridade de Deus como o único parâmetro para estabelecimento da lei moral, Adão pretendia adquirir por seus próprios recursos e decidir por si mesmo o conhecimento do que era bom ou era mau.

Gênesis 3,6: “Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu”.

Esta interpretação faz todo o sentido como estabelecimento do pecado original, pois ele permanece com a mesma natureza em que foi a intenção de Adão, o homem se recusa a aceitar a lei de Deus como o padrão moral único e suficiente para dirigir a sua vida e procura, como Adão, decidir por si mesmo o que é bom ou mau.

Oséias 6,7: “Mas eles transgrediram a aliança, como Adão; eles se portaram aleivosamente contra mim”.

Inclui-se nesta consideração a grande maioria dos “cristãos professos” que procuram formas de relacionamento com Deus conforme os desejos de seu coração, desprezando tanto a lei moral como o evangelho, indo após falsos mestres e criando um deus conforme sua imaginação.

2 Timóteo 4,3: “Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos”.

Você quer conhecer Jesus? Então siga as instruções que ele prescreveu aos religiosos de seu tempo, que continuam válidas até hoje:

João 5,39: Examinai as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim”.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 66 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário