Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até novembro de 2018:
1.040.321
Total de páginas visitadas até novembro 2018:
2.664.026

Mais Baixados

Teológicos

A consumação -Spykman

A Consumação

por  Gordon J. Spykman

O contexto central da história bíblica continua se desenvolvendo. O capítulo final está sendo escrito nos registros da história da redenção. Tradicionalmente leva o título de “Escatologia”. Várias vezes, como Barth comenta ironicamente, lhe é atribuído o título de “um capítulo breve e completamente inofensivo,” reservado para a última semana de um semestre de estudos, deixando pouco tempo para trata-lo seriamente. Mas tal prática reduz o ensino bíblico. Porque a doutrina das “últimas coisas” é “a interpretação [destes ‘tempos finais’] a partir de uma perspectiva do ponto central da Escritura”. O drama escatológico está sendo executado. Não introduz temas e aspectos totalmente novos, nunca ouvidos. Não apresenta um rompimento do passado com o presente. Todavia, há progresso. Porque esta história do “tempo final” leva adiante a história da criação, queda e redenção, reunindo a totalidade dos seus diversos elementos numa série de fantásticos atos que atingirão o seu ápice final. Por isso, na doutrina da consumação de todas as coisas estamos tratando com surpreendentes descontinuidades dentro da continuidade do atuar de Deus no mundo. Nas palavras de Bavink “a primeira e segunda vinda de Cristo estão numa mútua relação, tão estreita quanto possível. É uma única obra, confiada pelo Pai a Cristo, e essa obra se estende a todas as épocas, e inclui toda história da humanidade”.

Então, há uma marca vermelha a mais no calendário divino – o nosso encontro com o destino final dos homens e as nações. Como vamos receber este grande “dia do Senhor?” Não há necessidade de uma nervosa e temerosa ansiedade, em que se rói as unhas. Podemos focaliza-lo na confiança da fé, sabendo que – como disse um conhecido refrão – “se a vida é curta, e passa muito rápida, não obstante, toda a obra realizada por Cristo perdurará”.

 

 

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário