Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até maio de 2019:
1.086.374
Total de páginas visitadas até maio 2019:
2.895.104

Mais Baixados

Literatura clássica

A DIVINA COMÉDIA – Dante Alighieri

A DIVINA COMÉDIA DE DANTE ALIGHIERI

Dedicando-lhe o “Paraíso” escrevia Dante a Cangrande della Scala: “O  sentido  desta obra não é simples; ao contrário ela é “polisensa”, pois outro é o sentido literal, outro aquele das coisas significadas”.

Declarava Dante com essas palavras que a “Divina Comédia” é um poema alegórico. Não somente no  poema há alegorias  particulares,  mas o poema, na sua inteireza, tem uma significação, ou melhor, várias significações alegóricas.

Muitas foram as interpretações que da “Divina Comédia” se fizeram sob esse ponto de vista. Alguns comentadores puseram em maior evidência o seu sentido moral e teológico; outros consideram

o poema dantesco como uma obra de inspiração política e ligada intimamente às vicissitudes pessoais do poeta.

Não são, porém, as intenções alegóricas que consagram a imortalidade da “Comédia” dantesca, à qual os pósteros atribuíram a qualificação de

divina. A “Divina Comédia” é, principalmente, uma formidável obra de fantasia e de representação poética, talvez um dos pontos limites que a inteligência humana pode alcançar.

Na presente edição, o poema dantesco ê apresentado na tradução em  tercetos  rimados como no texto original, de José Pedro Xavier Pinheiro. Não há dúvida de que poucas obras apresentam as dificuldades que apresenta a “Divina Comédia” para a tradução em outros idiomas, especialmente para quem às outras dificuldades queira ajuntar aquelas decorrentes da conservação do metro original e da rima. A tradução de Xavier Pinheiro constitui uma obra digna de admiração. Fiel, bastante clara, consegue reproduzir grande parte da força poética do maravilhoso poema italiano.

Fonte: “orelha” da edição digitalizada

NOTÍCIA BIOGRÁFICA

Dante Alighieri nasceu em Florença, em maio de 1265, de dona Bella e de Aldighiero Alighieri. De família nobre e abastada, dedicou-se desde cedo aos estudos, sendo que o célebre Brunetto Latini foi um dos seus mestres. Estudou letras e ciências, não se descuidando do desenho e da música. Mais tarde aplicou-se também à teologia.

Moço ainda, Dante participou da vida política da sua cidade. Em 1289, os exilados florentinos, juntando-se aos outros gibelinos de Toscana, tentaram invadir a República. O exército florentino deu-lhes batalha em Campaldino no dia 11 de junho de 1289, conseguindo derrotá-los. Dante participou destas operações militares, combatendo na cavalaria. Pouco depois, participou também do assédio ao castelo de Caprona.

Sendo necessário, para conseguir cargos da República, pertencer a uma corporação, Dante se inscreveu na dos médicos e farmacêuticos, que era a sexta entre as assim chamadas Artes Maiores. Sua atuação na vida pública foi brilhante. Conforme diz Boccaccio, em Florença não se tomava nenhuma deliberação sem que ele desse a sua opinião. Várias vezes foi embaixador da República, várias vezes pertenceu ao Conselho do Estado, e, finalmente, em 1300, obteve o cargo de “priore”, que era a suprema magistratura política de Florença.

Conforme ele mesmo diz, numa de suas cartas, as suas desgraças  se  originaram  da  sua  eleição ao priorado. A cidade de Florença era dividida em dois partidos: os Brancos e os Pretos, que determinavam freqüentes conflitos, disso resultando que os priores, entre os quais Dante, resolvessem exilar alguns entre os cabeças, pertencentes às mais ilustres famílias de Florença.

Os Pretos, porém, encontraram uma ocasião propícia para obter o mando na cidade e oprimir os seus inimigos. Aproveitando-se da passagem por Florença de Carlos de Valois, irmão do rei da França, em viagem para Roma, conseguiram convencê-lo e convencer ao Papa Bonifácio VIII, de que os  Brancos  eram inimigos  da Casa de  França e da Cúria Romana. Os notáveis da cidade  enviaram embaixadores ao Papa, e entre eles, Dante, para dissiduadí-lo do intuito de entregar a cidade à parte mais facciosa. Bonifácio, porém, tergiversando, manteve os embaixadores florentinos na expectativa, enquanto Carlos de Valois empossava os Pretos no mando de Florença, resultando daí um período de violências e saqueios.

Maldizendo a perfídia da Cúria Romana, partiu Dante de Roma para voltar para a Toscana. Chegando, porém, nas proximidades de Florença, soube que os seus inimigos, acusando-o de ser gibelino, e, ainda, de ter-se aproveitado do dinheiro público, o tinham condenado ao exílio, e a pagar uma pesada multa e que as suas  possessões haviam sido depredadas. Começou, então, para Dante, a vida dura do exilado e do perseguido que conhece

… come sa di sale

Lo pane altrui e come é duro calle Lo scendre e ’l salir per l’altrui scale.

Mudando freqüentemente de cidade, servindo a vários senhores, viveu Dante os últimos anos de sua vida. Morreu, com a idade de 56 anos, em Ravena a 14 de setembro de 1.321.

A obra poética de Dante se prende, na sua máxima parte, ao seu amor puramente espiritual por Beatriz de Folco Portinari. Dante conheceu Beatriz, quando ele tinha nove anos e Beatriz oito. Tornou a vê-la depois de nove anos, e, mais tarde, outras poucas vezes, pois Beatriz casou-se, e morreu em 1290. Embora, também, Dante se casasse em 1291 com Gemma Donati e com ela tivesse vários filhos, o amor por Beatriz constantemente inspirou a sua poesia. A maior parte das canções, dos sonetos e das baladas que constituem o “Canzoniere“ são dedicados à sua amada; a Vida Nova é uma história dos seus amores com Beatriz; a Divina Comédia, o sublime poema que talvez a humanidade nunca verá superado, prende-se também ao seu amor por Beatriz, bem como ao desejo de vingar-se de seus inimigos e de expor as suas idéias políticas.

Além dessas obras, escreveu o Convite, compêndio da filosofia do seu tempo, exposta eloqüentemente sob a forma de comento a três das suas canções; o De monarquia, tratado político; o De vulgari eloquentia, tratado filológico, deixado incompleto.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário