Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até setembro de 2018:
1.031.328
Total de páginas visitadas até setembro 2018:
2.632.612

Mais Baixados

Teologia - Curso de Teologia online - gratuíto

A DOUTRINA DO PECADO CONFORME AGOSTINHO

A DOUTRINA DO PECADO CONFORME AGOSTINHO

Charles Hodge – vivendopelapalavra.com

Tradução livre e versos acrescentados por: Helio Clemente

Com base na realidade da consciência e da experiência Agostinho chegou a algumas conclusões inevitáveis:

– Se os homens são salvos, não pode ser devido a seu mérito próprio, mas apenas e tão somente ao amor imerecido de Deus.

– Que a regeneração da alma deve ser obra exclusiva e sobrenatural do Espírito Sando, pois o pecador não poderia levar a cabo esta obra e nem tampouco cooperar na sua produção, ou seja, que a graça salvadora é eficaz e irresistível.

– Que a salvação é pela graça, pela soberana misericórdia de Deus, pois:

A – Deus poderia com toda a justiça deixar os homens perecerem em sua apostasia sem provisão alguma para sua redenção;

B – Em que, ao estar os homens destituídos da capacidade para fazer qualquer coisa de bom ou meritório, sua justificação não pode ser devida às suas obras como um favor conquistado.

C – Não depende da vontade das pessoas salvas serem feitos partícipes da redenção de Cristo, mas somente do beneplácito de Deus.

Ou seja, a eleição para a vida eterna tem que estar baseada no soberano beneplácito de Deus e não na previsão de boas obras.

Outra inferência com base nos princípios de Agostinho é a perseverança dos santos; se Deus escolhe por seu beneplácito a alguns para a vida eterna, estes não poderão deixar de obter a salvação.

Pode-se ver, desta forma, que assim como todas as doutrinas distintivas dos arminianos e pelagianos são as consequências lógicas de seu princípio da capacidade plena como base e limite para a obrigação, da mesma forma as doutrinas distintivas de Agostinho são as consequências lógicas de seu princípio da total incapacidade do homem, após a queda, para fazer qualquer coisa espiritualmente bom e agradável a Deus.

Efésios 1,4-5: “Assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade”.

Pelas declarações da Escritura e pela sua própria experiência, o homem é culpado e contaminado desde o seu nascimento e não tem poder para mudar sua natureza. Sendo que todos os homens estão envolvidos na mesma pecaminosidade e impotência, aceitou a solução bíblica destes fatos e os manteve.

Salmo 51,5: “Eu nasci na iniquidade, e em pecado me concebeu minha mãe”.

– Que Deus criou ao homem originalmente à sua própria imagem e semelhança em conhecimento, retidão e santidade, imortal e revestido de domínio sobre as criaturas.

– Também mantinha que Adão foi dotado de perfeita liberdade de vontade, não somente com espontaneidade e capacidade de auto determinação, mas também com o poder de escolher entre o bem e o mal (posse non pecare) e de determinar assim o seu próprio caráter.

– Sendo deixado ao poder de sua própria vontade, Adão, debaixo da tentação do diabo, pecou voluntariamente contra Deus e assim caiu do estado em que havia sido criado.

– Que as consequências deste pecado sobre Adão foram a perda da imagem divina e da corrupção de toda a sua natureza, de maneira que ficou espiritualmente morto, e por isto mesmo, indisposto, incapacitado e oposto a todo o bem espiritual.

Gênesis 3,17: “E a Adão disse: Visto que atendeste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida”.

– Além desta morte espiritual, veio a se tornar mortal, suscetível a todas as misérias desta vida e à morte eterna.

– Tal era a união entre Adão e seus descendentes que as mesmas consequências da transgressão sobrevieram a todos eles. Todos nascem como filhos da ira, isto é, em estado de condenação, destituídos da imagem de Deus e moralmente depravados.

1 Coríntios 15,22: “Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo”.

Esta depravação inerente hereditária é verdadeira e propriamente da natureza do pecado, envolvendo ao mesmo tempo a culpa e a corrupção. Em sua natureza formal consiste na privação da retidão original, na concupiscência e na desordem de toda sua natureza (non posse non pecare).

A natureza desta corrupção é um “habitus” ou “vício” em distinção de um ato, atividade ou agência. É voluntário no sentido mencionado anteriormente, especialmente devido à livre ação de Adão.

A perda da retidão original e da corrupção da natureza consequente à queda de Adão são inflições penais como castigo de seu primeiro pecado.

Desta forma, o chamado eficaz e a regeneração são ações sobrenaturais do Espirito Santo, pela qual a alma é o sujeito e não o agente da salvação. Esta salvação é concedida ou retida conforme o beneplácito de Deus, e consequentemente a salvação é totalmente gratuita.

Efésios 2,8-9: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie”.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário