Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até maio de 2018:
1.019.106
Total de páginas visitadas até maio 2018:
2.605.201

Mais Baixados

Natal e Ano Novo

A EXALTAÇÃO DE CRISTO

OS ESTADOS DE CRISTO – A EXALTAÇÃO

vivendopelapalavra.com

Por: Helio Clemente

Os estados de Cristo podem ser considerados como a sua relação com a lei de Deus e a condição de sua pessoa resultante deste fato. Os teólogos reformados consideram os estados de Cristo relativos à sua pessoa
– O Verbo de Deus – e não à sua natureza humana ou divina, sendo esta também, a ideia aqui colocada.

A EXALTAÇÃO DE CRISTO

Da mesma forma que a humilhação, a exaltação tem como sujeito a pessoa de Cristo. Apesar de que, a exaltação se realiza na natureza humana, seus efeitos se manifestam na pessoa de Cristo, o Verbo de Deus, que personaliza sua natureza humana.

Pela exaltação, Cristo ficou livre da sujeição e da maldição da lei, entrou em posse das bênçãos que conquistou e foi glorificado junto ao Pai com a mesma glória que teve antes da fundação do mundo.

Filipenses 2,9-11: “Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai”.

O estado de exaltação é uma consequência judicial do estado de humilhação, é possível definir quatro estágios na exaltação de Cristo:

Os estágios da exaltação de Cristo

– Ressurreição:

1 Coríntios 15,17: “E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados”.

A ressurreição de Cristo não consiste apenas em que ele retornou da morte, mas que a sua natureza humana foi restaurada a um patamar superior à glória do homem antes da queda, completamente espiritual e revestida de novas qualidades adaptadas à vida celestial, embora ainda não completas antes da ascensão. A ressurreição é também uma declaração de que a morte havia sido vencida e uma demonstração do que irá acontecer com os eleitos no dia do juízo final.

1 Coríntios 15,42-44: “Pois assim também é a ressurreição dos mortos. Semeia-se o corpo na corrupção, ressuscita na incorrupção. Semeia-se em desonra, ressuscita em glória. Semeia-se em fraqueza, ressuscita em poder. Semeia-se corpo natural, ressuscita corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual”.

A ressurreição está em conexão direta com a segunda volta de Cristo, por ela Deus fez ver a todos que Cristo é o Filho de Deus, e pela ressurreição foi exaltado acima de toda a potestade e todo poder foi dado a ele, que desta forma foi acreditado e destinado eternamente a vencer o poder da morte, levantando da mesma forma, pela ressurreição dos mortos, todos os homens e mulheres para o julgamento final.

Atos 17,31: “Porquanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-o dentre os mortos”.

A ressurreição de Cristo é um evento inalienável no plano de redenção, pelo qual ele completa e sela sua obra redentora vencendo o poder da morte e do diabo, pelo que o apóstolo diz com certeza e até em certo tom de desafio:

1 Coríntios 15,55: “Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?”

Pela sua morte Cristo venceu o poder do pecado, conseguindo o perdão de seu povo que lhe foi dado por Deus e pela ressurreição conseguiu a justificação deste mesmo povo diante de Deus, completando assim o seu trabalho.

Calvino: “De que natureza seja isto, melhor se exprime nas palavras de Paulo, pois diz que ele morreu por causa de nossos pecados e ressuscitou por causa de nossa justificação [Rm 4.25], como se estivesse a dizer que o pecado foi removido por sua morte, a justiça restaurada e restabelecida por sua ressurreição. Ora, como, em morrendo, nos podia ele livrar da morte, se ele próprio à morte fosse sucumbido? Como nos haveria adquirido a vitória, se houvesse fracassado na luta? Pelo que, assim dividimos a matéria de nossa salvação entre a morte e a ressurreição de Cristo, que, mediante aquela (morte), o pecado foi aniquilado e extinta a morte; através desta
(ressurreição) a justiça foi restaurada e a vida, restabelecida; por isso aquela (morte) exibe sua força e eficácia para conosco em virtude desta (ressurreição)”.

Romanos 4,25: “O qual foi entregue por causa das nossas transgressões e ressuscitou por causa da nossa justificação”.

Mais uma vez, seguindo Calvino, é preciso dizer que todas as vezes que se faz menção de sua morte, compreende-se, ao mesmo tempo, o que é próprio da ressurreição, da mesma forma, quando se faz menção de sua ressurreição compreende-se ao mesmo tempo, o que é próprio de sua morte.

– Ascensão:

Pode-se dizer que a ascensão é a consumação da ressurreição, é a transição da presença da natureza humana de Jesus na terra e sua ida para o céu. A ascensão representa mais uma mudança na natureza humana de Cristo tornando-se adaptada de forma definitiva para a vida no céu.

As doutrinas da salvação e da vida eterna não teriam sustentação sem a ressurreição e ascensão de Cristo, através da elevação aos céus o Senhor Jesus abriu os portais celestiais, antes fechados aos homens, para receber o seu povo que lhe foi dado por Deus na eternidade.

Salmo 24,7: “Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó portais eternos, para que entre o Rei da Glória”.

É preciso lembrar aqui, que a pessoa de Jesus é o Verbo de Deus, desta forma todo o seu trabalho é válido em todos os tempos, os portões celestiais estão abertos em Cristo eternamente, todos os eleitos de Deus em todos os tempos do mundo receberam a salvação em Cristo.

Esta garantia de que a vida após a morte e a ressurreição do corpo irão acontecer, trazem segurança e tranquilidade para os crentes, pois o apóstolo diz que se os cristãos esperam apenas nesta vida, são os mais infelizes dos homens.

1 Coríntios 15,19: “Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens”.

Agostinho: “Por sua morte Cristo haveria de ir para a destra de Deus, donde haveria de vir para julgar vivos e mortos em presença corpórea segundo a sã doutrina e a regra de fé, pois, em presença espiritual, com eles haveria de vir após sua ascensão.”

Mateus 28,20: “Ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século”.

– Estar assentado à destra de Deus:

Este fato significa que Cristo recebeu o governo da igreja em acréscimo ao governo do universo como rei eterno e supremo, significa também que o seu ofício de mediador e sacerdote é exercido de maneira plenamente eficaz, em igualdade e exatamente conforme a vontade de Deus.

Esta autoridade significa, ainda, que Cristo envia o Espírito para continuar e completar sua obra de redenção junto a seu povo na terra.

Efésios 1,20-22: “O qual exerceu ele em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos e fazendo-o sentar à sua direita nos lugares celestiais, acima de todo principado, e potestade, e poder, e domínio, e de todo nome que se possa referir, não só no presente século, mas também no vindouro. E pôs todas as coisas debaixo dos pés, e para ser o cabeça sobre todas as coisas, o deu à igreja”.

O juízo final:

Pela sua exaltação, Cristo adquiriu o poder do julgamento definitivo, sua volta em glória no dia do juízo é a realização suprema da exaltação.

Já vimos acima, que, pela ressurreição Cristo foi exaltado acima de toda a potestade, todo poder e todo domínio, para que desta forma, tenha em si o poder e o nome que está sobre todo o nome, pois o julgamento requer autoridade, e a autoridade de Cristo vem de sua exaltação, que é acima de todas as coisas.

Mateus 16,27: “Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e, então, retribuirá a cada um conforme as suas obras”.

Pela exaltação de Cristo, pode-se dizer que o cristianismo não é uma religião baseada em um homem piedoso que morreu para salvar a humanidade, não é uma religião baseada em um grande mestre que serve de exemplo para a salvação dos homens, não é uma religião de um homem altamente espiritualizado através de muitas reencarnações, mas sim, uma religião baseada em um Deus Todo-Poderoso e Redentor, um Deus vivo e eternamente presente ao lado de seus filhos.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 66 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário