Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até maio de 2019:
1.086.374
Total de páginas visitadas até maio 2019:
2.895.104

Mais Baixados

Doutrina da salvação

A NOVA ALIANÇA

Cristo e a Nova Aliança

vivendopelapalavra.com

Por: Helio Clemente

Antes da vinda de Cristo, os homens tentavam se justificar pelo cumprimento da Lei, o que sempre depende de justiça própria e da interpretação de cada um, levando inevitavelmente ao fracasso, visto que o homem natural é incapaz de cumprir integralmente a lei ou fazer o que quer que seja para agradar a Deus. Por este motivo o homem, pela constatação de sua incapacidade cede ao desespero, ou então à hipocrisia. Cristo ensinou que a justificação vem somente pela graça de Deus, através da fé, para isto deu o exemplo supremo confirmando sua fé até o fim e entregando a si mesmo em sacrifício pela manifestação da glória de Deus.

O amor ao próximo, pregado por Jesus, visto sem eufemismos e meias palavras, é algo impossível ao ser humano em sua completa acepção, uma vez que conflita com o instinto de sobrevivência e proteção à família, este é mais um mandamento que foi cumprido integralmente por Jesus em lugar dos eleitos de Deus.

O poder circular entre o Pai e o filho

Não existe submissão entre os membros da Trindade, como já foi dito, mas existem funções assumidas consensualmente por cada um deles. Nada do que Jesus fez foi por sua vontade, senão pela vontade do Pai que o enviou, todavia era da vontade de Cristo que assim fosse. A vontade do Deus triúno é uma só e se manifesta de maneira alternada entre as pessoas da Trindade, o que inclui a vontade do Pai e do Filho:

João 3,36: “Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus”.

João 5,24: “Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida”.

João 5,30: “Eu nada posso fazer de mim mesmo; na forma por que ouço, julgo. O meu juízo é justo, porque não procuro a minha própria vontade, e sim a daquele que me enviou”.

Quando Jesus diz:

João 14,6: “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim”.

Antes ele disse:

João 6,37: “Todo aquele que o Pai me dá virá a mim, e o que vem a mim, não o lançarei fora”.

Este relacionamento circular entre o Pai e o Filho provém da eterna geração do Filho, pela qual este relacionamento não tem início na encarnação, mas a encarnação é apenas a realização no tempo deste relacionamento que é simplesmente próprio da
divindade (A trindade econômica).

João 6,65: “E prosseguiu: Por causa disto, é que vos tenho dito: ninguém poderá vir a mim, se, pelo Pai, não lhe for concedido”.

Pode-se ver desta forma, pelo verso acima, o profundo relacionamento entre a determinação de Deus e a salvação através de Jesus Cristo – a doutrina da predestinação eterna revelada.

Portanto, a mensagem evangélica é a seguinte:

É inútil crer em Deus sem crer em Cristo, é inútil invocar a Cristo sem crer na doutrina da predestinação eterna.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário