Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até agosto de 2018:
1.027.377
Total de páginas visitadas até agosto 2018:
2.623.764

Mais Baixados

Vídeos

A Oração de Ezequias

A Oração de Ezequias

A oração de Ezequias é um exemplo apresentado pelo profeta Isaías do que representam as orações dos filhos de Deus. O reinado de Ezequias é uma transição entre as profecias de Isaías, é o contexto intermediário entre as ameaças de destruição e a realização de fato destas ameaças.

No reinado de Ezequias a ameaça era a Assíria, depois dele a ameaça passa a ser a Babilônia, que irá dominar o reino de Judá e incorporá-lo ao império babilônico. Senaqueribe, o rei da Assíria, tinha invadido várias nações com fúria irresistível e nenhuma delas havia conseguido resistir, todas haviam sido subjugadas pela Assíria.

Isaías 36,1: “No ano décimo quarto do rei Ezequias, subiu Senaqueribe, rei da Assíria, contra todas as cidades fortificadas de Judá e as tomou”.

Os assírios haviam invadido Judá e tomado todas suas cidades fortificadas e estavam agora nas portas de Laquis, a última cidade entre o exército assírio e Jerusalém, de lá, Senaqueribe enviou seu emissário Rabsaqué para ameaçar Jerusalém, blasfemar o nome de Deus e convencer o povo a rejeitar a liderança de Ezequias e se entregar ao rei da Assíria.

A situação era caótica, não havia mais alimentos na cidade, não havia soldados e o povo estava desesperado, Rabsaqué conclama o povo a comer seus próprios excrementos e a beber a sua urina, e continua a blasfemar contra Deus.

Isaías 36,13-15: “Então, Rabsaqué se pôs em pé, e clamou em alta voz em judaico, e disse: Ouvi as palavras do sumo rei, do rei da Assíria. Assim diz o rei: Não vos engane Ezequias; porque não vos poderá livrar. Nem tampouco Ezequias vos faça confiar no SENHOR, dizendo: O SENHOR certamente nos livrará, e esta cidade não será entregue nas mãos do rei da Assíria”.

O ministério de Isaías não havia sido fácil durante os reinados anteriores a Ezequias, principalmente no reinado de Acaz, a impiedade predominava e a nobreza e os sacerdotes estavam completamente voltados à idolatria.

Ezequias, porém, removeu os altares nos montes e derrubou os postes ídolos, purificou o templo e retomou o culto ao Deus de Israel, ele foi fiel a Deus em todo o seu reinado. Após um longo período de incredulidade, os judeus celebraram a primeira páscoa após muitos anos, até mesmo o remanescente das tribos de Israel foi convidado para a celebração.

2 Reis 18,3-5: “Fez ele o que era reto perante o SENHOR, segundo tudo o que fizera Davi, seu pai”.

Judá agora enfrenta Senaqueribe, rei da Assíria, e o seu embaixador Rabsaqué. As dez tribos de Israel já não existiam, pois Senaqueribe as tinha levado em cativeiro.

O remanescente do povo tinha corrido para Jerusalém, sua última fortaleza e esperança final. Agora, Rabsaqué envia mensageiros a Ezequias com uma carta ameaçadora e blasfema: Ezequias não deve deixar o SENHOR fazê-lo pensar que Jerusalém será livrada das mãos da Assíria.

Isaías 37,10: “Assim falareis a Ezequias, rei de Judá: Não te engane o teu Deus, em quem confias, dizendo: Jerusalém não será entregue nas mãos do rei da Assíria”.

Ezequias reage em fé. Ele vai para a casa do Senhor, ele sabe que em sua própria força não pode derrotar os assírios, e não há nenhuma escapatória de sua situação desesperada. Portanto, ele traz o seu problema ao Senhor e derrama o seu coração em oração.

Isaías 37,16-20: “Ó SENHOR dos Exércitos, Deus de Israel, que estás entronizado acima dos querubins, tu somente és o Deus de todos os reinos da terra; tu fizeste os céus e a terra. Inclina, ó SENHOR, os ouvidos e ouve; abre, SENHOR, os olhos e vê; ouve todas as palavras de Senaqueribe, as quais ele enviou para afrontar o Deus vivo. Verdade é, SENHOR, que os reis da Assíria assolaram todos os países e suas terras e lançaram no fogo os deuses deles, porque deuses não eram, senão obra de mãos de homens, madeira e pedra; por isso, os destruíram. Agora, pois, ó SENHOR, nosso Deus, livra-nos das suas mãos, para que todos os reinos da terra saibam que só tu és o SENHOR”.

Ezequias ora a DEUS, o nome YAHWEH ocorre cinco vezes em sua breve oração, as verdades implícitas no nome de Deus são o firme fundamento da oração de Ezequias. Ezequias também reconhece a Deus como o criador dos céus e da terra, e a Ele, Ezequias apresenta a questão: uma afronta ao Deus vivo.

“Ouve todas as palavras de Senaqueribe, as quais ele enviou para afrontar o Deus vivo”.

Ao Deus YAHWEH o rei traz o seu pedido, que não revela nenhuma expectativa no homem, mas apela somente a Deus.

“Agora, pois, ó SENHOR, nosso Deus, livra-nos das suas mãos”.

O nome de Deus é o interesse mais profundo de Ezequias. Os assírios tinham apresentado o Deus de Israel como enganando o seu povo ao dar-lhes uma falsa esperança de libertação. Senaqueribe exaltou a si mesmo acima de Deus e irá pagar por esta afronta. Ezequias ora para que o nome de Deus seja glorificado em toda a terra.

“Livra-nos das suas mãos, para que todos os reinos da terra saibam que só tu és o SENHOR”.

Deus ouve a oração de Ezequias e concede o seu pedido, Ele envia, à noite, o Anjo do SENHOR ao acampamento dos assírios, e pela manhã, cento e oitenta e cinco mil deles estavam mortos. Mediante essa libertação maravilhosa os assírios foram dizimados, Senaqueribe volta a Nínive, e é assassinado por seus filhos no templo de seu deus.

Deus está longe da oração do ímpio, mas a oração do justo é eficaz! Em muitos lugares, e por vários exemplos, a Escritura ensina a verdade da eficácia das orações do povo de Deus. Talvez a declaração mais clara dessa verdade seja encontrada em Tiago.

Tiago 5,17-18: “Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo. Elias era homem semelhante a nós, sujeito aos mesmos sentimentos, e orou, com instância, para que não chovesse sobre a terra, e, por três anos e seis meses, não choveu. E orou, de novo, e o céu deu chuva, e a terra fez germinar seus frutos”.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário