Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até junho de 2020:
1.261.620
Total de páginas visitadas até junho de 2020:
3.849.764

Mais baixados

Soberania

A Soberania de Deus na Salvação dos Homens – Jonathan Edwards

Algumas Citações deste Sermão
“Quando Deus é mencionado aqui como endurecendo alguns dos filhos dos homens, não é preciso entender que Deus por qualquer eficiência positiva endurece o coração de qualquer homem. Não há ato positivo em Deus, como se opor a qualquer poder para endurecer o coração. Supor tal coisa seria fazer de Deus o autor imediato do pecado. É dito de Deus a endurecer o coração dos homens em duas formas: através da retenção das poderosas influências do seu Espírito, sem o qual seu coração permanecerá endurecido, e crescendo cada vez mais em dureza; neste sentido, ele os endurece, devido a deixá-los endurecer. E, novamente, ao ordenar as coisas na Sua Providência, que, por meio do abuso de Sua corrupção, tornam-se ocasião de seu endurecimento.”
“A vontade Divina não possui restrição, limitação ou obrigação.”
“Deus exerce Sua Soberania na salvação eterna dos homens. Ele não somente é Soberano e tem o direito soberano de dispor e ordenar cada acontecimento; e Ele não somente pode proceder de uma maneira Soberana, se quisesse, e ninguém poderia acusar este seu direito como excessivo; mas Ele realmente faz isso; Ele exerce o direito que Ele tem.”
“A Soberania de Deus é o Seu direito absoluto, independente de dispor de todas as criaturas de acordo com Seu próprio prazer.”
“Os santos fazem a vontade de Deus livremente. Eles optam por fazê-la; ela é sua comida e bebida. No entanto, eles não a fazem de seu mero prazer e vontade arbitrária; porque a sua vontade está sob a direção de uma Vontade Superior.”
“[…] a Soberania de Deus implica que Ele tem um direito absoluto, ilimitado e independente de dispor das suas criaturas como Ele quiser.”
“[…] quando o homem caiu, e diante disso Deus revelou o Seu eterno propósito e um plano para resgatar os homens por Jesus Cristo. Provavelmente era encarado pelos anjos como uma coisa totalmente inconsistente com os atributos de Deus salvar qualquer um dos filhos dos homens. Era totalmente inconsistente com a honra dos atributos Divinos salvar qualquer um dos filhos caídos dos homens, como eram em si mesmos. Isto não poderia ter sido feito se Deus não tivesse idealizado uma forma consistente com a honra de Sua Santidade, Majestade, Justiça e Verdade. Mas uma vez que Deus no Evangelho, revelou que nada é demasiado difícil para ele fazer, nada está além do alcance de Seu Poder, Sabedoria e Suficiência; e uma vez que Cristo operou a Obra da Redenção, e cumpriu a Lei, obedecendo-a, não há ninguém da humanidade a quem não possa salvar sem qualquer prejuízo de qualquer de Seus atributos, exceto aqueles que cometeram o pecado contra o Espírito Santo.”
“[…] não há pecador, mesmo que seja tão grande, que Deus não possa salvá-lo, sem prejuízo de qualquer atributo; se Ele tem sido um assassino, adúltero, ou perjuro, ou idólatra, ou blasfemo, Deus pode salvá-lo, se Ele quiser, e em nenhum aspecto prejudicar a Sua Glória. Embora as pessoas tenham pecado por muito tempo, tenham sido obstinadas, tenham cometido pecados hediondos mil vezes, até mesmo que eles envelheceram em pecado, e pecaram sob grandes agravos: deixar os agravos ser o que puderem; se eles pecaram mesmo sob tão grande luz; se eles se desviaram, e pecaram mesmo contra as numerosas e solenes advertências e esforços do Espírito, e misericórdias de Sua Providência Comum, embora o perigo de tais seja muito maior do que o de outros pecadores, ainda assim Deus pode salvá-los se isto Lhe agrada, por causa de Cristo, sem qualquer prejuízo a qualquer um de Seus atributos. Ele pode ter misericórdia de quem tiver misericórdia.”
“Foi um testemunho suficiente da aversão de Deus mesmo contra a maior maldade que Cristo, o Filho Eterno de Deus, morreu por isso. Nada pode demonstrar a aversão infinita de Deus por qualquer maldade mais do que isso. Se o próprio homem ímpio deverá ser lançado no Inferno, e deverá suportar os tormentos mais extremos que serão sempre sofridos ali, isto não seria uma maior manifestação da aversão de Deus pelo pecado, do que os sofrimentos do Filho de Deus por causa do pecado.”
“Se os homens têm afrontado Deus, sempre e tanto; se lançaram sempre tanto desprezo em Sua autoridade; ainda assim, Deus pode salvá-los, se Ele quiser, e a honra de Sua Majestade não sofre o mínimo dano. Se Deus salvar aqueles que O têm ofendido, sem satisfação, a honra de Sua Majestade sofreria dano. Pois, quando o desprezo é lançado sobre Sua Infinita Majestade, Sua honra sofre dano, e o desprezo deixa uma obscuridade sobre a honra da Majestade Divina, se o dano não for reparado. Mas os sofrimentos de Cristo repararam integralmente o dano. Deixe o desprezo ser sempre tão grande, no entanto se tão honrável pessoa como Cristo se compromete a ser um Mediador para o ofensor, e na mediação sofrer em seu lugar, é totalmente reparado o dano causado pelo maior pecador à Majestade do Céu.”
“Os pecadores são, por vezes, prontos para lisonjearem-se que, embora possa não ser contrário à Justiça de Deus condená-los, mas isto não será consistente com a glória da Sua Misericórdia. Eles pensam que será desonroso para a misericórdia de Deus lançá-los no inferno, e não ter nenhuma piedade ou compaixão deles. Eles pensam que isso seria muito duro e severo, que não cabeira a um Deus de infinita Graça e terna Compaixão. Mas Deus pode negar a salvação a qualquer pessoa natural, sem qualquer depreciação à Sua Misericórdia e Bondade. Aquilo, que não é contrário à Justiça de Deus, não é contrária à Sua Misericórdia.”
“Deuteronômio 7:7: ‘O Senhor não tomou prazer em vós, nem vos escolheu, porque a vossa multidão era mais do que a de todos os outros povos’. Deuteronômio 9:6. ‘Sabe, pois, que não é por causa da tua justiça que o Senhor teu Deus te dá esta boa terra para possuí-la, pois tu és povo obstinado’. Deus lhes dá a entender, que não era por nenhuma outra causa, senão o Seu Livre Amor Eletivo, que O levou a escolhê-los para ser Seu povo. Essa razão é dada: por que Deus os amava; foi porque Ele os amava (Deuteronômio 7:8). Que é o mesmo que dizer que foi agradável à Sua Vontade Soberana, colocar o Seu Amor sobre você.”
“Deus exerce Sua Soberania nas vantagens que Ele concede a pessoas particulares. Todos precisam de Salvação da mesma forma, e todos são, naturalmente, não merecedores dela; mas ele dá algumas maiores vantagens para a salvação a uns do que a outros.”
“Deus exerce Sua Soberania algumas vezes concedendo salvação aos pequenos e medíocres, e a nega aos sábios e grandes. Cristo em Sua Soberania passa pelas portas de príncipes e nobres, e entra alguma casa e ali faz morada, e tem comunhão com os seus obscuros habitantes. Deus em Sua Soberania reteve a Salvação do homem rico, que se regalava esplendidamente todos os dias, e a concedeu ao pobre Lázaro, que estava sentado mendigando em seu portão.”
“Deus exerce Sua Soberania em chamar alguns para a Salvação, que têm sido muito horrendamente ímpios, e deixando outros, que foram pessoas morais e religiosas. Os Fariseus eram uma seita muito rigorosa entre os Judeus. Sua religião era extraordinária. Eles não eram como os demais homens, roubadores, injustos ou adúlteros (Lucas 18:11). Havia moralidade neles. Eles jejuavam duas vezes por semana, e davam o dízimo de tudo que possuíam. Eles eram religiosos. Mas ainda assim eles foram em sua maioria rejeitados, e os publicanos, e as meretrizes, e um tipo abertamente vicioso de pessoas entraram no reino de Deus diante deles (Mateus 21:31).”
“O Desígnio de Deus na Criação foi o de glorificar a Si mesmo, ou fazer manifesta a glória essencial de Sua natureza. Foi ajustado que Sua Infinita Glória deveria brilhar; e era o desígnio original de Deus fazer uma manifestação de Sua Glória, como ela é. Não que era Seu desígnio manifestar toda a Sua glória para a apreensão das criaturas; pois é impossível que as mentes das criaturas possam compreendê-la. Mas foi o Seu Desígnio fazer uma verdadeira manifestação de Sua Glória, como representante de todos os Seus atributos.”
“Se todos os atributos de Deus não são manifestados, a glória de nenhum deles se manifesta como ela é; pois os atributos Divinos refletem a glória uns dos outros.”
“A glória de Deus eminentemente aparece em Sua Soberania absoluta sobre todas as criaturas, grandes e pequenas. Se a glória de um príncipe está em seu poder e domínio, então a glória de Deus é a Sua Soberania absoluta. Aqui aparece a infinita grandeza e majestade de Deus acima de todas as criaturas. Portanto, é da vontade de Deus manifestar a Sua Soberania. E a Sua Soberania, assim como seus outros atributos, é manifestada nos exercícios do mesmo. Ele glorifica o Seu Poder no exercício do Poder. Ele glorifica Sua Misericórdia no exercício da Misericórdia. Da mesma forma, Ele glorifica a Sua Soberania no exercício da Soberania.”

“Então a glória da Soberania de Deus aparece em que ele é Soberano sobre as almas dos homens, que são criaturas tão nobres e excelentes. Deus, portanto, vai exercer a Sua Soberania sobre eles.”
“[…] a Soberania de Deus sobre os homens se mostra gloriosa no que se estende a todas as coisas que lhes dizem respeito. Ele pode dispor delas em relação a tudo o que lhes diz respeito, de acordo com o Seu próprio prazer. Sua Soberania se mostra gloriosa no que abrange os seus assuntos mais importantes, até mesmo no estado eterno e condição das almas dos homens. Aqui vemos que a Soberania de Deus é sem obrigações ou limites, na medida em que abrange a um caso de tamanha importância infinita. Deus, portanto, assim como é o seu Desígnio manifestar a Sua própria Glória, irá exercer a Sua Soberania em relação aos homens, sobre as Suas almas e corpos, mesmo na mais importante questão de Sua Salvação eterna. Ele tem misericórdia de quem quer ter misericórdia, e endurece a quem quer.”
“[…] somos absolutamente dependentes de Deus nesta grande questão da Salvação eterna de nossas almas. Somos dependentes não só da Sua Sabedoria para planejar um maneira de realizá-la, e de Seu Poder para efetuá-la, mas nós somos dependentes de Sua mera vontade e prazer no caso. Nós dependemos da Vontade Soberana de Deus para todas as coisas que pertencem a ela, desde a fundação até à pedra do pináculo. Foi da Vontade Soberana de Deus, que Ele planejasse uma maneira de salvar qualquer um dentre a humanidade, e nos desse Jesus Cristo, Seu Filho unigênito, para ser o nosso Redentor. Por que Ele olhou para nós, e nos enviou um Salvador, e não aos anjos caídos? Foi por causa da Vontade Soberana de Deus.”
“Nosso Senhor Jesus Cristo louvou e glorificou o Pai pelo exercício de Sua Soberania na Salvação dos homens. Mateus 11:25-26: ‘Naquele tempo, respondendo Jesus, disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque assim te aprouve’. Vamos, portanto, dar a Deus a glória da Sua Soberania, assim como adorar Aquele, cuja soberana vontade ordena todas as coisas, vendo-nos como nada em comparação com Ele. Domínio e Soberania exigem reverência humilde e honra. A Soberania absoluta, universal e ilimitada de Deus requer, que devamos adorá-lo com toda a humildade possível e reverência.”
“Piedade não é motivo para se gloriar, a não ser em Deus. 1 Coríntios. 1:29-31: ‘Para que nenhuma carne se glorie perante ele. Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção; para que, como está escrito: Aquele que se gloria glorie-se no Senhor’. Tal não é, por qualquer meio, em qualquer grau atribuído à sua piedade, seu estado e condições seguras e felizes, a qualquer diferença natural entre eles e os outros homens, ou a qualquer força ou justiça própria. Eles não têm nenhum motivo para exaltar-se, no mínimo grau; mas Deus é o Ser a quem eles devem exaltar. Eles devem exaltar a Deus, o Pai, que os escolheu em Cristo, que pôs o Seu Amor sobre eles, e deu-lhes a salvação, antes deles nascerem e mesmo antes que o mundo existisse.”
“Se perguntarem, por que Deus colocou Seu Amor sobre eles, e os escolheu, em vez de outros, se eles pensam que podem ver qualquer causa fora de Deus estão muito enganados. Eles devem exaltar a Deus o Filho, que levou seus nomes em Seu coração, quando Ele veio ao mundo, e foi pendurado na Cruz, e no qual somente eles possuem justiça e força. Eles devem exaltar a Deus, o Espírito Santo, que por Graça Soberana os chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz; que por Sua própria operação imediata e livre, levou-os a uma compreensão do mal e do perigo do pecado, e os resgatou de sua própria justiça, e abriu-lhes os olhos para descobrirem a Glória de Deus, e as maravilhosas riquezas de Deus em Jesus Cristo, e os santificou, e os fez novas criaturas.”

“O povo de Deus tem o maior motivo de gratidão, maior razões para amar a Deus, que tem lhes concedido tal grande e inefável Misericórdia por Sua mera Vontade Soberana.”
“Deus insiste, que a Sua Soberania seja reconhecida por nós mesmo neste grande assunto, um assunto que tão de perto e infinitamente nos interessa, como a nossa própria Salvação eterna. Esta é a pedra de tropeço na qual milhares caem e perecem; e se continuarmos discutindo com Deus sobre a Sua Soberania, isto será nossa ruína eterna. É absolutamente necessário que nós devamos nos submeter a Deus, como nosso Soberano absoluto, e o Soberano sobre as nossas almas; como alguém que pode ter misericórdia de quem quer ter misericórdia, e endurecer a quem Ele quiser.”
“Muitos ouvem que a misericórdia de Deus é infinita, e, portanto, acham que, se eles demorarem a procurar a Salvação para o presente, e buscá-la-ão no futuro, pois assim Deus concederá Sua Graça a eles. Mas considero que, embora a Graça de Deus seja suficiente, no entanto, ele é Soberano, e agirá por Seu próprio prazer se Ele irá salvar ou não. Se você adiar a Salvação até daqui por diante, a S alvação não estará em Seu poder. Será como um Deus soberano se agradar, se você deverá obtê-la ou não. Vendo, pois, que neste caso você está tão absolutamente dependente de Deus, é melhor seguir sua direção na busca, isto é, ouvir a sua voz hoje: ‘Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais seu coração’.”
“Deixe você ser o que você puder, pecador, Deus pode, se Ele quiser, glorificar grandemente a Si mesmo na Sua salvação.”

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário