Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até outubro de 2018:
1.035.642
Total de páginas visitadas até outubro 2018:
2.647.499

Mais Baixados

Pneumatologia - Doutrina do Espírito Santo

A TRINDADE NO VELHO TESTAMENTO

A TRINDADE NO VELHO TESTAMENTO

vivendopelapalavra.com

Por: Helio Clemente

 

O Velho Testamento não contém a plena revelação da Trindade, mas contém muitas referências e indicações. A doutrina da Trindade é tratada, na bíblia, como uma realidade e se revela com os fatos descritos. A doutrina da Trindade parte sempre do monoteísmo judaico para a definição da pluralidade do Ser de Deus.

A Trindade na criação:

O Velho Testamento revela em seus primeiros versos a existência e funções da Trindade divina, no livro do Gênesis, os três primeiros versos se referem ao Pai como origem e autoridade na criação, o Espírito como operador e o Filho como a Palavra de Deus pela qual todo o universo veio à existência.

Deus o Pai – Gênesis 1,1: “No princípio, criou Deus os céus e a terra”.

Deus o Espírito – Gênesis 1,2: “A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas”.

Deus a Palavra – Gênesis 1,3: “Disse Deus: Haja luz; e houve luz”.

Pluralidade:

Deus fala de si mesmo no plural, o que sugere a existência de distinções pessoais que não indicam a triplicidade propriamente dita, mas a indicam uma pluralidade no Ser de Deus que não tem o significado de um plural simples ou majestático como se pode imaginar, mas indicam a diversidade de pessoas, ou centro de consciências, na essência do Deus único de Israel.

Gênesis 1,26: “Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam pela terra”.

O que se pode ver neste verso não é somente a pluralidade do ser de Deus, mas também sua unidade que se alterna com a pluralidade, pois o verso começa com: “Disse Deus” – a unidade, em seguida: “Façamos o homem à nossa imagem” – a pluralidade.

No próximo verso, volta-se à unidade de Deus:

Gênesis 1,27: “Criou Deus, pois, o homem à sua imagem…”.

Vê-se novamente o mesmo caso nos versos do Gênesis abaixo, referentes à construção da Torre de Babel:

Gênesis 11,7: “Vinde, desçamos e confundamos ali a sua linguagem, para que um não entenda a linguagem de outro”.

Vemos neste verso a pluralidade do ser de Deus: “desçamos e confundamos”.

Logo em seguida, no próximo verso vemos novamente a unidade de Deus: “confundiu o SENHOR” – “o SENHOR os dispersou…”.

Gênesis 11,8: “Chamou-se-lhe, por isso, o nome de Babel, porque ali confundiu o SENHOR a linguagem de toda a terra e dali o SENHOR os dispersou por toda a superfície dela”.

Este plural, na língua hebraica não significa um plural majestático ou deliberativo ou ainda numérico, estas possibilidades não existiam no antigo hebraico, mas este plural aponta para a diversidade na unidade, como a água que pode se apresentar em gotas de chuva, neve, riachos ou o oceano, ou ainda o céu, que pode ser o céu atmosférico, a imensidão do espaço ou o céu habitação de Deus. Esta mesma diversidade pode ser observada na palavra Elohim, que apresenta Deus no plural, mas não numérico ou majestático, porém indicando a diversidade na unidade do Ser de Deus.

A fórmula tripla de adoração em Isaías:

Na visão de Deus de Isaías assim como no livro do Apocalipse os seres celestes adoram a Deus de forma tripla: “Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos”.

Isaías 6,3: “E clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, santo, santo é o SENHOR dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória”.

Apocalipse 4,8: “E os quatro seres viventes, tendo cada um deles, respectivamente, seis asas, estão cheios de olhos, ao redor e por dentro; não têm descanso, nem de dia nem de noite, proclamando: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, aquele que era, que é e que há de vir”.

Nota: Os autores do Velho Testamento são totalmente insuspeitos ao escrever nesta forma, pois não existia nesta época a mínima possibilidade de discussão ou questionamento a respeito da Trindade.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário