Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até julho de 2018:
1.023.480
Total de páginas visitadas até julho 2018:
2.615.642

Mais Baixados

Apocalipse

APOCALIPSE 22,12

APOCALIPSE 22,12 – O GALARDÃO DO CRISTÃO

Revisão livre e comentários: Helio Clemente

Apocalipse 22,12: “E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras”.

Calvino – Institutas, Livro III:

O SENTIDO REAL DAS AFIRMAÇÕES BÍBLICAS NAS QUAIS PARECE QUE SE ATRIBUI MÉRITO ÀS BOAS OBRAS DIANTE DE DEUS

Entretanto, quanto ao que mostra a Escritura, que as boas obras dos fiéis são causas pelas quais o Senhor os galardoe, isso se deve entender de maneira que em nada se prejudique o que já dissemos, ou, seja:

– Que a causa eficiente de nossa salvação reside no amor de Deus, o Pai;

– A causa material, na obediência do Filho;

– A causa instrumental, na iluminação do Espírito, isto é, na fé;

– A causa final é a glória da incomensurável benignidade de Deus.

Em consideração a estas causas, nada impede a que o Senhor abrace as obras como sendo causas consequentes. Mas, donde procede isto? Com efeito, aqueles a quem, em sua misericórdia, ele destinou à herança da vida eterna, a esses, por sua administração ordinária, ele induz à posse por meio das boas obras.

Efésios 2,10: “Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas”.

Ao que precede na ordem de sua administração, ele intitula causa do que se segue. Desta forma, ele às vezes deduz a vida eterna das obras, não que se deva referir-se a elas como a coisa admitida, mas porque justifica aqueles a quem escolheu para que, por fim, os glorifique.

Romanos 8,30: “E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou”.

A primeira graça, que é como uma escalada para a segunda, de certa maneira é chamada sua causa. Sempre que, porém, se faz necessário assinalar a verdadeira causa, ordena recorrer-se não às obras, mas que nos mantenhamos unicamente na consideração da misericórdia, pois, é isto que ensina através do apóstolo.

Romanos 6,23: “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor”.

Assim, o apóstolo coloca o pecado como causa da morte, mas a vida eterna como um dom gratuito, colocando a causa da morte no pecado e a causa da vida na graça de Deus.  Desta forma ele contrapõe o pecado com a misericórdia divina.

Por que ele não opõe a justiça ao pecado, como opõe a vida à morte?

Por que então não estatui a justiça como causa da vida, como estatui o pecado como causa da morte?

Ora, destas duas formas acima, se formularia decididamente a antítese pecado x obras, mas, da forma como está apresentada no verso acima esta contraposição de pecado e obras não tem lugar em hipótese alguma.

Mas, o Apóstolo quis, mercê desta comparação, exprimir aquilo que era matéria de fato:

Calvino: Aos merecimentos dos homens deve atribuir-se a morte; a vida está posta unicamente na misericórdia de Deus.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário