Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até março de 2018:
995.184
Total de páginas visitadas até março 2018:
2.536.941

Mais Baixados

Doutrina da salvação

AS ESCOLHAS E A VONTADE DO HOMEM

As escolhas e a vontade do homem

vivendopelapalavra.com

Por: Helio Clemente

 

As escolhas do homem são efetuadas a cada momento, agradáveis ou não, elas são limitadas pelo que não se pode escolher ou pelo que não se pode deixar de escolher, os motivos dessas limitações são justamente as causas secundárias e contingentes, determinadas pela vontade de Deus.

A vontade do homem é um fato que representa apenas um dos aspectos funcionais da mente, sujeita à natureza depravada e corrompida resultante da queda, estando constantemente em dependência das circunstâncias e das causas secundárias e contingentes controladas minuciosamente por Deus; o livre-arbítrio é uma mentira que contraria todos os ensinamentos da Escritura.

Arminianismo

O arminianismo é o reavivamento da heresia pelagiana, a doutrina segundo a qual o homem não possui uma natureza pecadora e pode escolher ou rejeitar sua salvação através de sua própria vontade. Esta doutrina é sustentada pela afirmação de que o pecado original não se transmitiu a toda a humanidade e que a graça de Deus é universal e está disponível a todos os homens conforme a decisão de cada um, desta forma o homem deve estar disposto a crer e Deus vai apenas oferecer a possibilidade de salvação para a decisão do homem.

Existem variantes sutis desta doutrina desagregadora, a mais cruel é a que afirma que a graça é necessária para a salvação, mas que através da graça de Deus o homem se torna capacitado para decidir pela sua salvação e perseverar nesta salvação por sua própria justiça, criando méritos em si mesmo para merecer ou perder a salvação que é oferecida a toda a humanidade de forma irrestrita.

A Escritura e a doutrina reformada não afirmam somente a soberania de Deus e a salvação somente pela fé, mas a total depravação e incapacidade do homem em aceitar a Deus e prover sua própria salvação.

1 Coríntios 2,14: “Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”.

Lorraine Boettner: “Muitos exemplos podem ser dados para mostrar que acontecimentos da maior importância têm muitas vezes dependido do que à época pareceu ser acontecimentos dos mais fortuitos e triviais. A inter relação e conexão de acontecimentos é tal que se um destes fosse omitido ou modificado, toda a sequência seria também modificada ou simplesmente não aconteceria. Assim, como Deus sabe de todas as coisas que irão acontecer, e acontecerão imutavelmente, temos a certeza de que a administração divina apoia-se na pré-ordenação de Deus estendida a todos os acontecimentos, sejam pequenos ou grandes. E, especificamente, nenhum acontecimento é pequeno demais; cada um tem o seu lugar exato no plano divino”.

Os cinco pontos do calvinismo: Depravação total, eleição incondicional, expiação limitada, graça irresistível e perseverança dos santos.

Não: As diferenças entre a doutrina reformada e o arminianismo não são superficiais, e tratam de doutrinas claramente reveladas na Escritura, constituindo diferenças profundas e radicais que não são passíveis de convivência.

Judas 1,3-4: “Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos. Pois certos indivíduos se introduziram com dissimulação, os quais, desde muito, foram antecipadamente pronunciados para esta condenação, homens ímpios, que transformam em libertinagem a graça de nosso Deus e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo”.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 66 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário