Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até outubro de 2018:
1.035.642
Total de páginas visitadas até outubro 2018:
2.647.499

Mais Baixados

Palestras

CRER E SABER

Crer e saber

 

Os cristãos são chamados de crentes, ou fiéis, esta é a linguagem da Escritura, por outro lado, aqueles que não crêem são chamados de incrédulos, mas o que é este crer? Qual a validade da crença? Vejamos em primeiro lugar o que diz a Escritura.

Atos 5,14: “E crescia mais e mais a multidão de crentes, tanto homens como mulheres, agregados ao Senhor”.

2 Coríntios 6,14: “Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniquidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas?”.

Desta forma, vemos que a Escritura separa as pessoas que crêem e as que não crêem, o que separa estas pessoas é uma questão de fé, os cristãos crêem em coisas que outras pessoas não crêem. Os cristãos acreditam nas declarações de Cristo e nos ensinos bíblicos, outras pessoas não acreditam, os cristãos tem fé em Cristo e confiam em suas promessas, as outras pessoas não acreditam.

Romanos 10,9: “Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo”.

Por este verso acima podemos ver que o evangelho é a palavra da fé. Por esta fé torna-se necessário que todo aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna recompensa para os que o buscam, para os que o buscam de todo o coração.

Hebreus 11,6: “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam”.

Em princípio, o que separa cristãos de não cristãos é sempre uma questão de crença, todavia, a diferença vai muito além desta declaração, pois muitas pessoas se dizem cristãs e isto não pode ser confirmado em realidade.

É preciso entender muito bem esta diferença para que não sejamos confundidos, não basta afirmar a fé em Cristo, o verdadeiro cristão tem a certeza que esta afirmação é verdadeira, o verdadeiro cristão sabe que suas afirmações são verdadeiras.

A fé que salva não é uma fé cega, a fé que salva não é apenas esperança, a fé em Cristo implica em conhecer a pessoa de Cristo e conhecer as suas promessas e os seus mandamentos, caso contrário em que estaríamos acreditando?

João 8,31-32: “Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”.

Se alguém afirma ser o Cristo uma pessoa diferente do que nos diz a Escritura, esta pessoa pode ser chamada de cristã? Se uma pessoa não conhece os ensinamentos e promessas de Cristo esta pessoa pode ser chamada cristã?

Mateus 7,25: “E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia”.

Vejamos que qualquer afirmação diferente do que nos diz a Escritura leva à consequências inevitáveis e contraditórias negando o evangelho de Jesus Cristo, a bíblia afirma de maneira inequívoca que Jesus é o Verbo de Deus encarnado.

Mateus 1,20: “Enquanto ponderava nestas coisas, eis que lhe apareceu, em sonho, um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher, porque o que nela foi gerado é do Espírito Santo”.

Por outro lado, muitos religiosos que insistem em se dizer cristãos acreditam que Jesus é um homem comum que através de uma vida piedosa foi elevado por Deus à divindade, ou então um homem altamente evoluído espiritualmente ou um grande mestre. Aonde estas afirmações nos levam?

Se Jesus não é Deus encarnado e é apenas um homem comum, ele foi gerado de um homem, ora, a bíblia diz que José somente “conheceu” Maria após o nascimento de Jesus.

Mateus 1,24-25: “Despertado José do sono, fez como lhe ordenara o anjo do Senhor e recebeu sua mulher. Contudo, não a conheceu, enquanto ela não deu à luz um filho, a quem pôs o nome de Jesus”.

A bíblia afirma que José não conheceu Maria antes do nascimento de Jesus, ora, se Jesus é um homem ele tem um pai, se José não conheceu Maria ele tem outro pai, ou seja, ao afirmar que Jesus é um homem comum, afirma-se diretamente que Maria foi adúltera. Os antigos ebionistas, que afirmavam que Jesus era um homem comum, afirmavam
também, coerentemente, que ele era filho de um soldado romano.

Vemos assim, que qualquer desvio das verdades bíblicas conduz fatalmente a implicações severas na negação do verdadeiro Deus e do evangelho de Cristo, transformando fatos aparentemente inocentes em contradições e falsas doutrinas que levam somente à perdição.

Vejamos abaixo mais uma afirmação, no evangelho de João, que não deixa a menor dúvida quanto à verdadeira identidade de Jesus.

João 1,14: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai”.

Vemos desta forma, que o crer está diretamente ligado ao conhecer, quem não conhece algo não pode crer no que não conhece.

Quando dizemos conhecer algo, estamos afirmando que sabemos ser isto verdadeiro, para tanto temos que ter evidência e motivo para esta afirmação.

As crenças podem ser fúteis ou baseadas no conhecimento, as crenças que provêm da ignorância se tornam em fanatismo, mudam e se esvaem com facilidade, as crenças que provêm do conhecimento são seguras e permanentes.

Um exemplo disto está na Carta aos Efésios, onde o apóstolo exorta os crentes de Éfeso ao pleno conhecimento de Cristo:

Efésios 4,13: “Até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo”.

Aqui o apóstolo está apresentando aos efésios a única forma de se manter firmes na doutrina, o conhecimento de Cristo, para que isto?

Efésios 4,14: “Para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro”.

Como conhecer a Deus? Existem duas maneiras de se conhecer a Deus, a primeira delas está na própria consciência do homem, por ter sido criado à imagem e semelhança de Deus todo homem traz em sua consciência o conhecimento inato de Deus, nenhum homem em todo o mundo pode alegar o desconhecimento total de Deus, pois ele tem este conhecimento inato em sua consciência.

Romanos 1,20-21: “Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis”.

Este conhecimento de Deus através da consciência do homem é sempre imperfeito e não conduz à salvação, a única forma de se conhecer a Deus é a que ele mesmo preceituou, a Palavra revelada: a Escritura.

Somente através da Escritura podemos conhecer a Deus, a Cristo e aos preceitos divinos para o homem. Quando confrontado pelos fariseus, Jesus aponta a eles a forma que tinham para conhecê-lo.

João 5,39: “Examinai as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim”.

Muitos crentes modernos procuram a Deus através de sensações e experiências, mas esta é uma forma negligente e irresponsável que não leva à salvação, e a finalidade da fé e do conhecimento é a salvação do homem, pois uma fé vazia que não leva a nada, tampouco irá levar á salvação, todo aquele que não tem certeza do que crê será levado de um lado a outro sempre a procura de novidades.

Tiago 1,7-8: “Não suponha esse homem que alcançará do Senhor alguma coisa; homem de ânimo dobre, inconstante em todos os seus caminhos”.

Sem ilusões, a fé sem o conhecimento da Escritura é vazia e não leva a lugar nenhum, somente o conhecimento sólido da Palavra vai levar à salvação, vejamos o que nos diz Jesus a este respeito, o que é o conhecimento conforme as palavras de Jesus?

Jesus a respeito da necessidade de conhecer a Deus: Jesus quando inquirido sobre o maior dos mandamentos, responde com base nas palavras de Moisés no livro do Deuteronômio, conforme abaixo:

Deuteronômio 6,4-5: “Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR. Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força”.

A resposta de Jesus está nos dois versos paralelos em Mateus e Marcos, conforme abaixo:

Mateus 22,36-37: “Mestre, qual é o grande mandamento na Lei? Respondeu-lhe Jesus: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento”.

Marcos 12,29-30: “Respondeu Jesus: O principal é: Ouve, ó Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor! Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força”.

É notável nas respostas de Jesus que ele acrescenta o entendimento às requisições de Moisés, Jesus, aqui, está ensinando que não é possível amar a Deus sem conhecê-lo, este é um fato inegável, é impossível amar algo ou alguém que não se conhece.

No evangelho de João Jesus vai muito além destes versos em Mateus e Marcos na necessidade do conhecimento de Deus, ele afirma que a vida eterna é o conhecimento de Deus, ou podemos dizer logicamente com base nesta afirmação que o conhecimento de Deus é a vida eterna, que mais se pode acrescentar a isto?

João 17,3: “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste”.

Jesus diz acima, que o conhecimento de Deus e daquele que ele enviou é a vida eterna, e ele mesmo afirma que a única forma deste conhecimento é a Escritura, quem somos nós para contradizer o que nosso Senhor afirmou pessoalmente? João 5,9: “… são elas mesmas que testificam de mim”.

Que mais podemos dizer? A fé deve ser confirmada através do conhecimento, através da bíblia podemos ter a mente de Cristo, que mais nos resta saber além disto?

1 Coríntios 2,16: “Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Nós, porém, temos a mente de Cristo”.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário