Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até novembro de 2018:
1.040.321
Total de páginas visitadas até novembro 2018:
2.664.026

Mais Baixados

Comentários Bíblicos

EZEQUIEL 18,31-32 – JOHN GILL (MONERGISMO)

A CAUSA DE DEUS E DA VERDADE
Parte 1

Seção 21 – Ezequiel 18:31,32

por Dr. John Gill

“Lançai de vós todas as vossas transgressões com que transgredistes, e fazei-vos um coração novo e um espírito novo; pois, por que razão morreríeis, ó casa de Israel?Porque não tenho prazer na morte do que morre, diz o Senhor DEUS; convertei-vos, pois, e vivei”.

Esta passagem da Escritura é freqüentemente usada pelos [1] patronos do livre-arbítrio, e oponentes da graça de Deus; na qual eles imaginam que o poder do homem na conversão é fortemente afirmado, e a doutrina da reprovação suficientemente refutada; mas se elas são, ou não, seremos mais capazes de julgar quando as seguintes coisas forem consideradas:

  1. Que a exortação para lançar fora as transgressões deles, considera ou os seus próprios pecados, que eles tinham cometido, e mostra que eles eram não somente inúteis, mas perniciosos, e assim odiosos e abomináveis, como tais coisas são isto e são próprias para serem lançadas fora; ou também o castigo devido aos seus pecados, que eles poderiam ter removido e lançado fora pelo seu arrependimento e reforma, e é o sentido que Kimchi dá às palavras; ou antes, aquelas coisas, particularmente seus ídolos, pelo quais então transgrediram. Agora, que seja observado que esta frase de lançar fora as transgressões não é usada em nenhum outro lugar, ela é peculiar a Ezequiel, e assim pode ser mais bem interpretada por Ezequiel 20:7,8. “Cada um lance de si as abominações dos seus olhos, e não vos contamineis com os ídolos do Egito, etc.” Estes ídolos eram as abominações de seus olhos, eram a causa das suas transgressões, ou pela qual eles tinham transgredido, que suas próprias mãos tinham feito para eles, para pecar (Isaias 31:7), e o que eles tinham poder ou eram capazes de lançar deles; e de forma alguma milita contra a necessidade de uma operação não frustrada na conversão.
  2. A outra exortação, para que eles façam um coração novo e um espírito novo, admitindo que isto designa um coração e espírito renovado e regenerado, no qual estão os novos princípios de luz, vida, amor, graça e santidade, não prova que está no poder de um homem não regenerado fazer por si mesmo tal coração e espírito; visto que dos mandamentos de Deus para o poder do homem, non valet consequentia, não é argumento: Deus ordena que os homens guardem toda a lei perfeitamente; isto não significa, portanto, que eles podem fazê-lo; seus preceitos mostram o que o homem deve fazer, não o que eles podem fazer. Uma exortação como esta, para fazer um novo coração, pode ser designada para convencer os homens de sua necessidade de um, e da importância disto, que sem isto não há salvação; e assim são os meios, através da graça eficaz de Deus, de Seus eleitos desfrutarem esta benção; porque o que Ele aqui exorta, Ele prometeu absolutamente no novo concerto (Ezequiel 36:26); “E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo”. Contudo, deve ser observado que estas palavras não são ditas a pessoas não convertidas, mas à casa de Israel, cada um deles; que não pode ser pensado, especialmente todos deles, ter estado naquele momento num estado não regenerado; e, portanto, não deve ser entendido como sendo a primeira obra de renovação, mas de algumas renovações posteriores, que eram para aparecer em sua conversação exterior; e assim, as palavras têm o mesmo sentido daquelas do apóstolo Paulo aos crentes de Éfeso (Efésios 4:23,24). “E vos renoveis no espírito da vossa mente; E vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade”. Além do mais, por um novo coração, e um espírito novo, pode ser entendido, como o Targum de Jonathan Bem Uziel o faz, aljd hwrw lytd bl, um coração temeroso, e um espírito de temor, isto é, um coração e um espírito para temer, servir e adorar ao Senhor, e não aos ídolos. E é observável que onde quer que um novo coração e um novo espírito sejam mencionados, eles permanecem em oposição aos ídolos, e ao serviço deles; de forma que a exortação equivale a não mais do que isto, que eles deveriam render uma obediência reverencial de coração ao Deus vivo, e não aos ídolos mudos. Além disso, o que é aqui chamado um novo coração, é, em Ezequiel 11:9, chamado um coração, isto é, um coração simples, em oposição ao coração dobre ou hipócrita; e assim, pode designar a sinceridade e honestidade em seu arrependimento e reforma exterior nacional, que eles são aqui pressionados a fazer.3. A expostulação, “Por que razão morreríeis?” não é feita com todos os homens; nem pode ser provada que tenha sido feita com alguém que eventualmente não foi salvo, mas com a casa de Israel, que são chamados os filhos e o povo de Deus; e, portanto, não pode desaprovar qualquer ato de preterição passando sobre os outros, nem pode ser um impedimento da verdade e da sinceridade de Deus. Além disso, a morte expostulada aqui, não é uma eterna, mas uma temporal, ou que diz respeito aos assuntos temporais, às condições civis e às circunstâncias da vida; veja Ezequiel 33:24-29. Portanto,
  3. A afirmação, “Eu não tenho prazer na morte do que morre”, que é algumas vezes introduzida com um juramento, (Ezequiel 33:11) “Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que não tenho prazer na morte do ímpio”, de modo algum milita contra um ato de preterição; pelo qual alguns são deixados justamente por Deus a perecer em e por suas iniqüidades; ou o decreto da reprovação, pelo qual alguns, devido a suas transgressões, são apontados, ou pré-ordenados à condenação e à morte; e, portanto, todos os argumentos [2] usados para desaprovar estas coisas, fundamentados nesta passagem da Escritura, são vãos e impertinentes; porque uma morte de aflições é aqui pretendida, como já foi observado, debaixo da qual a casa de Israel gemia e se queixava; embora isto se devesse totalmente a eles, e os quais não eram gratos a Deus, e nos quais Ele não tinha prazer: que deve ser entendido, não simples e absolutamente, e com respeito a todas pessoas afligidas por Ele; porque Ele se deleita no exercício do julgamento e da justiça, bem como em mostrar misericórdia, e se ri da calamidade dos ímpios, e zomba quando o temor deles chega; (Jeremias 9:24; Provérbios 1:26), mas isto é para ser tomado comparativamente; como quando Ele diz (Oséias 5:6) “misericórdia quero, e não sacrifício”; isto é, Eu me deleito antes na misericórdia, do que no sacrifício; assim aqui, “Eu não tenho prazer na morte do que morre”: em suas aflições, calamidades, cativeiro e coisas semelhantes; mas antes, que ele se volte dos seus caminhos, se arrependa e se reforme, e viva em sua própria terra; que mostra a misericórdia e a compaixão de Deus (Lamentações 3:33), que não aflige nem entristece de bom grado aos filhos dos homens. Por conseguinte, Ele renova Sua exortação: “Convertei-vos, pois, e vivei”. A soma de tudo isto é, vocês não têm razão para dizer, como no verso 2, “Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram?”; ou como no verso 25, que “O caminho do Senhor não é direito”; visto que não é pelos pecados de vossos pais, mas pelos seus, que as presentes calamidades, das quais vocês se queixam, repousam sobre vocês; de minha parte, Eu não tenho prazer em vossa morte, em vosso cativeiro; seria mais agradável a mim, que vocês de convertessem de seus maus caminhos, ao Senhor teu Deus, e andassem de acordo com as leis que Eu vos dei para observar, e assim vivessem em vossa própria terra, na quieta possessão de todas as vossas mercadorias e propriedades. Mas o que isto tem a ver com os assuntos da vida eterna, ou da morte eterna?

NOTAS:

[1] Remontr. in Coll. Hag. art. 3. 4. p. 216; Act. Synod. p. 78, etc.; Curcell. 1. 5, c. 6, sect. 1. p. 363; et. 1. 6, c. 14, sect 8, p. 408; Limborch. 1. 4, c. 5, sect. 2, p. 331, &, 31. p. 374 .

[2] Veja Whitby, pp. 3, 33, 160, 196, 197; ed. 2.3, 32, 156,192, 193.

Traduzido por: Felipe Sabino de Araújo Neto
12 de Junho de 2004.
Cuiabá-MT

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário