Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até outubro de 2019:
1.157.865
Total de páginas visitadas até outubro 2019:
3.267.612

Mais Baixados

Comentários Bíblicos

João Calvino como Professor de Evangelismo – J.R. Beeke

João Calvino como Professor de Evangelismo

Dr. J.R. Beeke

Não poucos estudiosos ficam surpresos com o título deste artigo. Alguns  poderão  dizer  que  o  catolicismo  romano  manteve  a  tocha evangelística do Cristianismo via as poderosas forças do Papado, dos monastérios,  e  da  monarquia,  enquanto  Calvino  e  os outros  Refor- madores tentaram extingui-la.1 Outros irão afirmar que João Calvino (1509-1564), o pai da doutrina e teologia Reformada e Presbiteriana, foi preponderantemente responsável pelo ressurgimento da tocha do evangelismo bíblico durante a Reforma.2

Alguns ainda irão creditar a Calvino ser o pai teológico do movi- mento missionário Reformado3. Visões da atitude de Calvino sobre o evangelismo e missões tem ido desde ao moderado, ao rico suporte do lado positivo,4 até quase um silêncio indiferente e ativa oposição do lado negativo.5

Aqueles que vêm o evangelismo de Calvino negativamente são:

1 William Richey Hogg, “The Rise of Protestant
Missionary Concern, 1517-1914”, in Theology
of Christian Mission, ed. G. Anderson (New York: McGraw-Hill, 1961, pp.
96-97

2 David B. Calhoun, “John Calvin: Missionary Hero or Missionary
Failure?”, Presbuterion 5, 1

(Spr 1979): 16-33 — to which I am greatly indebted in this article; W. Stanford Reid, “Cal- vin’s Geneva: A Missionary Centre”, Reformed Theological Review 42,3 (1983): 65-74. 

3 Samuel M. Zwemer, “Calvinism and the Missionary Enterprise”, Theology Today 7, 2 (July 1950): 206-216; J. Douglas MacMillan, “ Calvin, Geneva, and Christian Mission”, Reformed Theological Journal 5 (Nov 1989): 5-17.

4 Johannes van den Berg, “Calvin’s Missionary Message”, The Evangelival Quartely 22 (1950): 174-87; Walter Holsten, “Reformation und Mission”, Archiv für Reformationsges- chichte 44,1 (1953): 1-32; Charles E. Edwards, “Calvin and Missions”, The Evangelical Quar- tely 39 (1967): 47-51; Charles Chaney, “The Missionary Dynamic in the Theology of John Calvin”, Reformed Review 17,3 (Mar 1964): 24-38.

5 Gustav Warneck, Outline of a History of Protestant Mission (London: Oliphant Anderson & Ferrier, 1906), pp. 19-20.
  • Pessoas que falham em estudar os escritos de Calvino antes de tirarem suas conclusões.
  • Pessoas que falham em entender a visão do evangelismo de Calvino em seu próprio contexto histórico.
  • Teólogos que trazem preconcebidas noções sobre Calvino no escopo de sua teologia.
  • Críticos, entre os quais estão aqueles que afirmam que a dou- trina da eleição exposta por Calvino nega o Evangelismo.

Para chegar  corretamente à visão de Calvino sobre evangelismo, temos que entender o que ele mesmo tem a dizer sobre esta matéria. Nós devemos olhar pelo completo escopo da visão de Calvino, tanto no  seu  ensinamento  como  na  sua  prática.  Neste  artigo,  nós  iremos imaginar  as  referências  ao  evangelismo  nas  Institutas  da  Religião Cristã,  nos  seus  comentários,  sermões  e  cartas.  Então,  talvez,  em futuros artigos, nós possamos olhar o trabalho evangelístico de Cal- vino (1) em seu rebanho, (2) em seu período na cidade de Genebra, na grande Europa, e (4) em oportunidades de missões além mar. Como iremos ver, Calvino foi mais evangelista do que é geralmente reconhecido. Através de sua instrução e prática, ele reacendeu a tocha do evangelismo bíblico e reformado, centrado em Deus.

Como era o ensinamento evangelístico de Calvino? Em que senti- do ele exortava os crentes a procurarem a conversão de todas as pessoas, inclusive aqueles que estavam dentro da Igreja, como também daqueles que estavam fora dela, no mundo?

Assim como os outros Reformadores, Calvino ensinava evangelismo, de forma geral, por meio da proclamação do evangelho e pela reforma da igreja de acordo os requisitos bíblicos. Mais especifica- mente, Calvino ensinou o evangelismo enfocando a universalidade do Reino de Cristo e a responsabilidade dos cristãos em cooperarem na extensão deste Reino.

A universalidade do Reino de Cristo foi um tema frequentemente repetido no ensinamento de Calvino.6 Nestes ensinamentos ele dizia

6 John Calvin, Commentaries of Calvin (Grand Rapids: Eerdmans, 1950ff.), on Psalm 2:8, 110:2, Matt. 6:10, 12:31,John 13:31. (Hereafter the format, Comentary on Psalm 2:8, will be used).

que todas as Três Pessoas da Trindade estão envolvidas na propaga- ção do Reino.

O Pai não irá mostrar “apenas em um canto, o que a verdadeira religião  é,  mas  Ele  enviará  Sua  voz  aos  limites  extremos  da  terra”.7 Jesus veio “para estender Sua graça sobre todo o mundo”.8 E o Espíri- to Santo descendo para “alcançar todos os confins e extremidades do mundo”.9 Em suma, uma incontável multidão “a qual será levantada por toda a terra”, irá ser nascida de Cristo.10 E o triunfo do reino de Cristo irá se tornar manifesto em qualquer lugar entre as nações.11

Como irá o Deus Trino estender o seu reino através do mundo? A resposta de  Calvino  envolve  tanto  a soberania  de Deus como nossa responsabilidade. Ele diz que a obra do evangelismo é obra de Deus e não nossa, mas que Ele usará os Seus servos como Seus instrumen- tos. Citando a parábola do semeador, Calvino explica que Cristo se- meia  a  sua  palavra  de  vida  em todo  o  lugar  (Mt  13:24-30),  fazendo crescer Sua Igreja não por meios humanos, mas pelo poder celestial.12 O evangelho “não cai das nuvens como chuva”, no entanto ele é “tra- zido pelas mãos de homens que vão onde Deus os mandou”.13 Jesus nos ensina que Deus “usa o nosso trabalho e nos impulsiona para ser Seus instrumentos no cultivo do Seu solo”.14 O poder reside em Deus, mas Ele revela a Sua salvação através da pregação do evangelho.15 O evangelismo de Deus causa o nosso evangelismo.16 Nós somos os seus cooperadores,  e  Ele  nos  permite  participar  da  “honra  de  constituir Seu Filho governador do mundo inteiro”.17

Calvino ensinou que o método ordinário de “tornar coletiva a igreja” é por meio da voz exterior dos homens; “porque Deus mesmo

7 Commentary on Micah 4:3.

8 John Calvin, Sermons of M. John Calvin on the Epistles of S. Paule to Timothy and Titus, trans. L. T. (Edinburgh: Banner of Truth Trust reprint, 1983), sermon on 1 Timothy 2:5-6, pp. 161-72. 

9 Commentary on Acts 2:1-4.

10 Commentary on Psalm 110:3.

11 T.F. Torrance, Kingdom and Church (London: Oliver and Boyd, 1956), p. 161.

12 Commentary on Matthew 24:30.

13 Commentary Romans 10:15. Battles (Philadelphia: WestminsterPress, 1960), Book 4, chapter 1, section 5. )Hereafter the format, Institutes 4.1.5, will be used).

16  Commentary on Romans 10:14-17.

17 Commentary on Psalm 2:8.

pode trazer por sua secreta influência, no entanto ele ainda emprega a agência do homem e desperta em nós uma ansiedade sobre a salva- ção um do outro”.18 Calvino vai mais longe, chegando a dizer: “Nada retarda  mais o  progresso  do Reino  de  Cristo do  que  a insuficiência dos ministros”.19 Embora a palavra final não seja por nenhum esforço humano. É o Senhor, diz Calvino, que faz “a voz do evangelho ressoar não  apenas  em  um  lugar,  porém  longe  e  amplamente  através  do mundo  inteiro”.20  O  evangelho  não  é  pregado  ao  acaso  às  nações, mas pelo decreto de Deus.21

De acordo com Calvino, esta ligação entre a soberania de Deus e a responsabilidade humana no evangelismo oferece as seguintes lições:

  1. Como evangelistas reformados, nós devemos orar diariamente pela extensão do reino de Cristo. Como Calvino disse: “Nós devemos diariamente desejar que Deus reúna as igrejas para Ele mesmo, de todos os lugares da terra”.22 Desde que Deus se apraz em usar nossas orações para completar os Seus propósitos, devemos orar pela con- versão dos pagãos.23 Calvino escreve: “Isto deve ser um objetivo em nossos desejos diários, de que Deus reúna as igrejas para Ele mesmo de todas as nações do mundo; que possa ampliar o seu número, enri- quecê-las com dons e estabelecer uma ordem legítima entre elas”.24 Através da oração diária para que venha o reino de Deus, nós “pro- fessamos que somos servos e filhos de Deus profundamente com- prometidos com Sua reputação”.25
    1. Nós não devemos ficar desencorajados pela falta de sucesso vi- sível no esforço evangelístico mas devemos persistir orando. “Nosso Senhor exercita a fé dos Seus filhos; é por isso que Ele não faz tão facilmente com Sua mão as coisas que Ele prometeu. Isso é uma coisa
18 Commentary on Isaiah 2:3.

19 Jules Bonnet, ed., Letters of Calvin, trans. David Constable and Marcus Robert Gilchrist, 4 vols. (New York, reprint), 4:263.

20 Commentary on Isaiah 49:2.
21 Commentary on Isaiah 45:22.

22 Institutes 3:20.42.

23 Sermons of Máster John Calvin upon the Fifthe Book of Moses called Deuteronomie, trans. Arthur Golding (Edinburgh: Banner of Truth Trust reprint, 1987), sermon on Deuteronomy 33:18-19. (Hereafter Sermon on Deuteronomy 33:18-19).

24  Institutes 3:20.42.

25  Institutes 3:20.43.

especialmente aplicada ao reino de Nosso Senhor Jesus Cristo”. Cal- vino escreve: “Se Deus passa todo um dia ou um ano [sem nos dar frutos], isto não é para nós desistirmos, ao contrário devemos orar e não duvidar que Ele ouve a nossa voz”.26 Devemos nos manter em oração, crendo que “Cristo irá manifestadamente exercitar o poder que lhe foi dado para a nossa salvação e para a salvação do mundo inteiro”.27

  • Nós devemos trabalhar diligentemente pelo aumento do reino de Cristo sabendo que nosso trabalho não será em vão. Nossa salva- ção obriga-nos a trabalhar pela salvação dos outros. Calvino diz: “Nós fomos chamados por Deus nesta condição, para que cada um possa posteriormente levar outros à verdade, para restaurar os desgarrado ao caminho certo, para estender a mão de ajuda aos caídos, e dar o que temos ganhado àqueles que não têm”.28 No entanto, não é sufici- ente para cada homem estar ocupado com outras maneiras de servir a Deus. “Nosso zelo deve ser ampliado para trazer outros homens”. Devemos fazer tudo, dentro de nossa capacidade, para trazer todos os homens da terra para Deus”.29

Existem muitas razões porque temos que evangelizar. Calvino oferece as seguintes:

  • Deus nos manda fazer isso. “Devemos nos lembrar que o evangelho é pregado não apenas pela ordenança de Cristo, mas pela Sua argüição e direcionamento”.30
    • Deus nos direciona pelo exemplo. Como nosso gracioso Deus fez conosco, nós devemos estar com nossos “braços estendi- dos, como Ele fez, aos que estão fora” de nós.31
    • Nós queremos glorificar a Deus. Verdadeiros cristãos desejam estender a verdade de Deus por todo lugar e assim “Deus es- tará sendo glorificado”.32

26 Sermon on Deuteronomiy 33:7-8.
27 Commetary on Micah 7:10-14.
28 Commetary on Hebrews 10:24.
29 Sermon on Deuteronomiy 33:18-19.
30 Commentary Matthew 13:24-30.
31 John Calvin, Sermons on the Epistle to the Ephesians, trans. Arthur Golding (Edinburgh: Banner of Truth Trust, 1973), sermon on Ephesians 4:15-16.
32 Bonnet, Letters of Calvin, 4:169.

  • Nós queremos agradar a Deus. Como Calvino escreveu: “É um sacrifício de agradecimento a Deus contribuir para a propa- gação do Evangelho”.33 Para cinco estudantes que foram sen- tenciados a morte por pregarem na França, Calvino escreveu: “Vendo que [Deus] emprega as suas vidas em tão sublime causa como o de serem testemunhas do evangelho, não duvi- dem que isto é precioso para Ele”.34
    • Nós temos um dever para com Deus. “É muito justo que de- vamos labutar para o aprofundamento do progresso do evan- gelho”, disse Calvino.35 “É nosso dever proclamar a bondade de Deus a cada nação”.36
    • Nós temos um dever para com os pecadores. Nossa compai- xão para com os pecadores deve ser intensificada por nosso conhecimento de que “Deus não pode ser sinceramente invo- cado por qualquer outra pessoa senão por aquelas a quem, por meio da pregação do evangelho, foram dados conhecer Sua bondade e ternos sentimentos”.37 Conseqüentemente, cada encontro, com outros seres humanos deve nos motivar a traze-los ao conhecimento de Deus”.38

·

  • Nós estamos gratos a Deus. Aqueles que estão em débito com a misericórdia de Deus estão constrangidos a se tornar, como o salmista, um verdadeiro “publicitário” da graça de Deus a todos os homens.39 Se a salvação é possível para mim, um grande pecador, então é possível para os outros também. Se eu não evangelizo, sou uma contradição. Como diz Calvino: “Nada pode ser mais inconsistente no que concerne à nature- za da fé que aquela indiferença que leva um homem a despre- zar seus irmãos e manter a luz do seu conhecimento… apenas em seu próprio coração”.40 Nós devemos, em gratidão, trazer

33  Bonnet, Letters of Calvin, 2:453.
34  Bonnet, Letters of Calvin, 2:407.
35  Bonnet, Letters of Calvin, 2:453.
36 Commentary on Isaiah 12:5.
37 Institutes 3:20.11.
38 Sermon on Deuteronomiy 33:18-19
39 Commentary on Psalm 51:16.
40 Commentary on Isaiah 2:3.

o  evangelho  para  outros,  não  parecendo  assim,  indiferentes ou ingratos a Deus pela nossa própria salvação.41

Calvino nunca defendeu que a tarefa missionária estava comple- ta  com  os  Apóstolos.  Ao  invés  disso,  ele  ensinou  que  cada  Cristão deve testificar pela Palavra o ato da graça de Deus a qualquer um que ele  encontrar.42  A  afirmação  de  Calvino  do  sacerdócio  universal  de todos os crentes envolve a participação da igreja, no mistério proféti- co, sacerdotal e real. Ele comissiona os crentes a confessarem o nome de  Cristo  a  outros  (tarefa  profética),  para  orar  pela  salvação  deles (tarefa  sacerdotal),  e  para  discipliná-los  (tarefa  real).  Isto  é  a  base para a poderosa atividade evangelística por parte da igreja viva “até os confins da terra”.43

Dr. J.R. Beeke é pastor da Congregação Reformada de linhagem Ho-

landesa em Grand Rapids, Michigam (USA).

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário