Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até julho de 2020:
1.277.431
Total de páginas visitadas até julho de 2020:
3.924.272

Mais baixados

Spurgeon / Ryle

JUSTIFICAÇÃO, PROPICIAÇÃO E DECLARAÇÃO – SPURGEON

Algumas citações deste Sermão
“A Doutrina da Justificação pela Fé através do sacrifício vicário de Cristo é muito mais para o meu ministério do que pão e sal são para a mesa. Tão frequentemente como alguma vez a mesa está posta, existem aquelas coisas necessárias. Considero esta Doutrina como sendo aquela que deve ser pregada continuamente, e ser misturada com todos os nossos sermões, até mesmo como, de acordo com a Lei de Deus foi dito, “com todas as tuas ofertas oferecerás sal”. Este é o próprio sal do Evangelho! Na verdade, é impossível para trazê-la adiante muitas vezes. É a Doutrina da salvação de salvadora de almas – ela é o fundamento da Doutrina do Evangelho de Jesus Cristo! Ela é aquela pela qual Deus tem o prazer de trazer muitos para a reconciliação consigo mesmo.”
“Mais e mais, e mais uma vez o ministro Cristão tem continuado a insistir sobre esta Verdade – que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, para Si mesmo, não imputando aos homens as suas transgressões. E para todo o sempre, enquanto o mundo permanecer, ele deve continuar a repetir a Verdade de Deus, que somos justificados pela justiça de nosso Redentor e não por qualquer justiça própria!”
“Uma pessoa é levada a julgamento, ela é levada perante o juiz. Uma das duas coisas vai acontecer – ela será absolvida ou justificada, ou então ela será condenada. Você e eu estamos todos virtualmente perante o juiz e estamos, neste momento, ou absolvidos ou condenados, justificados ou sob condenação! Não é possível que qualquer um de nós deverá ser absolvido em razão da não sermos culpados, pois todos devemos confessar que temos quebrado a Lei de Deus, milhares de vezes! Não é possível para qualquer um de nós que sejamos declarados justos com base na nossa própria obediência pessoal à Lei de Deus, pois, para sermos justos através de nossa própria obediência esta deve ter sido perfeita – mas não temos sido perfeitos”
“O Senhor, o Deus do Céu e da terra, tem planejado e promulgado uma maneira pela qual Ele pode ser justo e ainda pode declarar o culpado como sendo justo – uma maneira pela qual, usa as palavras de nosso texto, Ele pode ser justo e ainda o justificador daquele que crê. Dessa forma, é simplesmente isso: uma forma de substituição e imputação. Nossos pecados são tirados de nós e colocados em Cristo Jesus, o substituto inocente, “Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós” [2 Coríntios 5:21a]. Então, quando esta é realizada, a justiça que foi operada por Jesus Cristo é tirada dEle e imputada – contada – a nós, para que o resto do texto se torna reali-ddade: “para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” [2 Coríntios 5:21b]. Nós somos encontrados Nele não como tendo a nossa própria justiça que é da Lei, mas a justiça que vem de Deus pela fé.”
“‘Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem’” [1 Coríntios 15:21]. Como por um homem entrou o pecado no mundo e a raça pereceu, assim, pelo segundo Homem glorioso, Cristo Jesus, a Graça Divina reina pela justiça para a vida eterna!”

“Sendo justificados gratuitamente, Deus perdoa os pecados do pecador grátis, gratuitamente – não por conta de qualquer arrependimento dele, meritoriamente considerado – não no terreno de qualquer resolução sua que possa subornar a Mente Eterna – não por conta da penitência ou sofrimento suportado ou a ser infligido, mas Ele remove pecados gratuitamente porque Ele escolhe fazê-lo – por nada! Sem dinheiro, sem mérito, sem nada que pudesse movê-lO, senão a Sua própria natureza grandiosa, porque Ele se deleita na misericórdia – ‘Sendo justificados gratuitamente’”.
“[…] porque Deus precisa ser justo, Ele deve ser justo, Ele não pode pecar separado da penalidade! Ele é Soberano, mas Ele nunca, em Sua Soberania, viola a justiça! E seria um ato Soberano de injustiça se Ele passasse pelo pecado sem entregar a ele o castigo que Ele ameaçou que deve segui-lo – um ato que não é possível para Deus fazer, pois Ele deve ser justo e Ele tem, Ele mesmo, declarado que Ele não tem por inocente o culpado! Ainda assim, a Justificação é gratuita para você, gratuita para todas as almas que a terão, gratuita para todo o homem que crê em Jesus!”
“Agora observem que essa justificação é colocada diante de vocês como sendo através da Redenção, que está em Cristo Jesus. Há um preço a pagar – é através da Redenção. Há um sofrimento e uma obediência intervindo. Nós não somos justificados livremente sem Redenção, nem justificados pela Sua Graça, sem a intervenção do Sacrifício expiatório. Ó, como os homens laboram para se livrarem disso! Há certas pessoas que se julgam filosóficas, que farão todo o possível para jogar terra na face desta Doutrina da Substituição, mas é a própria alma, cabeça, fundação, cantos, e pedra angular de todo o Evangelho! Se ela é deixada de fora, eu não hesito em dizer que o Evangelho pregado é outro evangelho, o qual não é outro, mas há alguns que vos perturbam”
“Não podemos abrir mão da Doutrina da Redenção, a Redenção que há em Cristo Jesus! É isso, Alma – ouça isto – você é justificada gratuitamente, mas custou muito caro, ao Salvador! Custou-lhe uma vida de obediência! Custou-lhe a morte vergonhosa, de agonia, de sofrimentos – todos imensuráveis! Houve o cálice da ira que você devia beber para sempre, e que você nunca poderia beber até o fundo! Ele devia ser bebido por alguém! Jesus o bebeu, levou o copo aos lábios e logo a primeira gota O fez suar grandes gotas de sangue a cair no chão! Mas Ele bebe corretamente, embora a cabeça, as mãos e os pés estejam todos sofrendo – bebe corretamente, embora Ele clame: ‘Meu Deus, Meu Deus, por que me desamparaste?’ Bebe corretamente, eu digo, até que nem uma gota sombria ou borra pudesse ser encontrada dentro desse copo e, virando-o de cabeça para baixo, ele grita: “Está consumado! Está consumado”, Assim Ele entrega o espírito. Em um enorme projeto de amor, o Senhor bebeu condenação a seco para cada um de Seu povo por quem Ele derramou o Seu sangue! ‘Justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.’”
“Sendo justificados gratuitamente, ou seja, agora, justificados agora! Ó, pecador, agora você está condenado, mas se você agora olhar para Jesus permanecendo como a Vítima em seu lugar. Se agora você vai confiar em Jesus morrendo em seu lugar – você deve ser agora justo, os seus

pecados serão agora perdoados – a justiça deverá agora ser sua e você conhecerá o significado desse texto: ‘Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito’ [Romanos 8:1]”
Você diz, ó pecador: “Como me apresentarei diante de Deus? Como hei de aproximar-me do Deus Altíssimo?” O que você daria para ser salvo? Tudo o que você tem, você iria livremente apresentar – se você tivesse bois e ovelhas sobre milhares de montanhas e seu sangue pudesse purificá-lo – você o derramaria em rios! Você pergunta novamente: “Qual é a propiciação que eu posso trazer?” Deus te diz. Aqui Ele diz que Ele providenciou um propiciação na Pessoa do Seu Filho amado. E eu desejo que você observe, antes de tudo quem foi que providenciou isto – a quem Deus havia estabelecido. Admire o amor deste – o Deus que ficou irado, é o Deus que encontra a propiciação! Contra Deus, o pecado foi nivelado! Deus encontra a maneira de ser gracioso para com os pecadores. Quão seguro deve ser aceitar uma propiciação que Deus, o ofendido, Ele mesmo propõe!”
“[…] aquilo que faz expiação do pecado humano não é a vida de Cristo como um exemplo, nem as ações de Cristo como uma demonstração da justiça, mas o sofrimento de Cristo, a morte de Cristo. Todo mundo sabe que isso é o que se entende por sangue. No derramamento de sangue, Jesus sofreu! Seu corpo sofreu – interiormente Sua alma sangrou, Seu espírito sofreu – Os sofrimentos de Sua alma foram a alma dos seus sofrimentos! Em seguida, vem a morte. A morte era a penalidade do pecado. Jesus morreu, literalmente morreu – e do sangue do Seu coração jorrou misturado com a água, do Seu lado perfurado. Deus tem o prazer de nos perdoar, porque Jesus sofreu – e o principal ponto de conforto é a Cruz – a Cruz do Crucificado, o Salvador morrendo! Não deixem que suas mentes vagueiem para longe disso, vocês que estão buscando a paz com Deus. Sua esperança não está tanto em Belém como no Calvário.”
“Meus pecados mereciam ser cuspidos – ser ridicularizados – ser repudiados como criminosos. Tudo isso Ele suportou como se Ele fosse o meu pecado, e não é assim? ‘Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus’ [2 Coríntios 5:21]. Irmãos e Irmãs, eu declaro que a minha consciência nunca conheceu qualquer paz até que eu entendi essa verdade de Deus, mas desde então não tenho nenhuma Rocha para me firmar, senão esta – Cristo em meu lugar, e eu no lugar de Cristo! Estou seguro nEle e Ele foi castigado, ferido, moído, morto, ao invés de mim! Ele assim é. Propiciação através do sangue. Mas o texto diz: “Pela fé em Seu sangue”. Assim, então, isso mostra que nenhuma propiciação teve qualquer efeito no que diz respeito a nós, até que tenhamos fé no sangue! Eu nunca posso saber que Deus apagou meus pecados até que eu tenha fé!”
“[…] nem sei como falar sobre esta Verdade da Propiciação. Isso faz meu coração, pular de alegria que não consigo encontrar palavras para dizer-lhe! Sei que eu, e que você, e que cada Crente debaixo do Céu é tão purificado diante de Deus de todo o pecado, como se ele ou ela nunca tivesse pecado! E é aceito diante de Deus, como se toda a sua vida tivesse sido em perfeita obediência – e tudo por causa da Propiciação desse sangue e dos queridos méritos de nosso uma vez Crucificado, mas agora Glorificado Redentor que esteve em nosso lugar! Se eu

pudesse ter uma perfeita justiça propriamente minha, eu não a desejaria – Eu preferia ter a do meu Senhor, pois minha justiça, se fosse perfeita não era senão a justiça de um homem – porém Ele é a justiça de Deus e do homem, Deus-Homem! Ó, não é simplesmente impecável e completa – ela transborda com méritos! Em verdade vos digo outra vez, nós pudéssemos ter uma justiça própria, seria prudente deixá-la e obter a justiça de Jesus Cristo envolta sobre nós por um ato de fé, para que possamos sempre estar não apenas aceitos, mas, “aceitos no Amado”. Ora, é a própria glória desta aceitação que esta aceitação vem a nós em Cristo!”
“Todos os pecados de Seu povo, tanto do passado como do presente e por vir, foram colocados em Cristo – toda a poderosa massa de todos os pecados de todo o Seu povo que já creram, ou hão de crer nEle – todos foram transferidos para Sua cabeça e caíram sobre Ele! E Ele sofreu por todos eles. E Ele acabou com todas as suas transgressões e trouxe a justiça eterna para todos eles! Aqui está a grande Verdade de Deus, a maior Verdade da Inspiração!”
“Eis que, diante de vocês aquilo que será um cheiro de vida para vida, ou de morte para a morte! Não com palavras de sabedoria humana, mas na simplicidade que eu tentei dizer-lhes a maneira de Deus de perdoar e justificar os homens. Por sua conta e risco rejeitem isso! Como vocês responderão por isso diante do tribunal do meu Mestre, naquele dia quando Ele chamar vocês para prestarem uma conta, ó, eu vos suplico pelo Deus vivo – aceitem a Propiciação que Deus apresenta! Aqui há termos duros! Aqui há condições rigorosas! Lá estão as palavras “creia e viva!”, Como está escrito: “Aquele que crer e for batizado será salvo, aquele que não crê será condenado”. Eu disse-lhes o que é crer nisto. É um ato sincero de confiança de que o Deus Encarnado sofreu em seu lugar. Se vocês acreditam nEle ou confiam nEle, esta é a prova indis-cutível de que Ele era um Substituto para vocês – que a carga de sua culpa se foi – que a pedra que estava à porta é removida e vocês estão salvo! Não vão, peço-vos, à procura de outra justiça. Toda a justiça que você precisa, Cristo apresenta-lhe livremente! Não diga que você é culpado – é verdade que você é – mas este modo de salvação era para os culpados! Não objete porque você se sente incapaz. Toda a aptidão que é necessária é que você nada faça, senão confessar que você é incapaz de obter livremente o que Deus lhe apresenta! Nenhum pecado de vocês lhes arruinará se vocês crerem, mas nenhuma justiça de vocês os salvará se vocês não crerem!”
“Esta é a maneira de Deus para salvar os homens. Você vai criar uma outra? Você vai ousar reproduzir o Anticristo para com Cristo? Ele declarou a Sua justiça na substituição do Salvador. Você não consegue ver esta justiça, ou vendo-a, você não vai admirá-la? Você não vai adotar o plano que se manifesta nela? Aceite isso, Pecador! Isto é tudo que o coração e a voz de um Irmão pode dizer, aceite-a! Ó, se você soubesse a alegria que lhe traria, você aceitaria isso agora! Presto meu testemunho pessoal. Sobrecarregado com o pecado, completamente perdido, tanto quanto você, eu ouvi esta notícia alegre! Ouvi a mensagem que dizia: “Olhai para mim, e sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro” [Isaías 45:22]. Eu olhei. Eu era tão incapaz quanto você – tão indigno quanto você -, mas no momento em que meus olhos avistaram o grande Fiador no chão do Getsêmani, sangrando por mim, e na Cruz morrendo por mim – eu vi que se Deus tivesse castigado a Ele por mim, Ele poderia ser justo, e ainda assim nunca me punir! Não, se Cristo foi punido em meu lugar, me punir depois que Cristo havia morrido por mim seria injustiça completa! E hoje eu me escondo debaixo nas asas de Jesus, o grande Fiador, e meu único abrigo na tempestade.”
“Em Seu lado traspassado minha alma encontra um abrigo da explosão da Ira Divina. Está em paz agora! Esta é a alegria agora! Esta é a salvação agora comigo! Por que não deveria ser assim com você? Você não veio aqui para encontrá-Lo. Não, mas Deus te trouxe aqui para encontrar você! Não está escrito: “Chamarei meu povo ao que não era meu povo; E amada à que não era amada” [Romanos 9:25]. ‘Fui achado’, diz Ele, ‘pelos que não me buscavam’ [Romanos 10:20]. Ó, que Ele possa ser encontrado por você hoje à noite! Você não conhecia o caminho para ser salvo – você sabe disso agora. Não acrescente à sua culpa sabendo o que você não pratica, mas agora, agora confie nEle! Ó, que o Espírito Santo opere a fé em você. “Até mesmo apenas um pouco de fé”, diz alguém. Pouca fé vai te salvar, mas Cristo merece grande fé! Ó, Ele é um verdadeiro Cristo – Ele não pode mentir. Ó, você não pode depender dEle? Você não vê senão a orla de Suas vestes? É um fio desfiado que sai? Toque-a, toque nela com o dedo e você será curado! Você não pode acreditar como você deveria? Acredite como você pode! Diga como aquele no passado: ‘Eu creio, Senhor! ajuda a minha incredulidade” [Marcos 9:24]. Erga o grito do publicano: “Deus, tem misericórdia – sê propício a mim, pecador! Jesus, eu terei a Ti! Tenha a mim!’”

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário