Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até janeiro de 2018:
1.050.639
Total de páginas visitadas até janeiro 2018:
2.715.969

Mais Baixados

Comentários Bíblicos

MARCOS 9,11

MARCOS – 9,11 – JOÃO BATISTA E ELIAS

vivendopelapalavra.com

Revisão e comentários: Helio Clemente

Marcos 9,11: “E interrogaram-no, dizendo: Por que dizem os escribas ser necessário que Elias venha primeiro?”.

John Gill: Existem várias indicações no próprio texto de que ela significa simplesmente que João ministrou no espírito e poder de Elias. Em primeiro lugar, João e Elias não tiveram o mesmo ser – eles tiveram a mesma função. Jesus não estava ensinando que João Batista fosse literalmente Elias, mas apenas que ele veio “no espírito e poder de Elias” com o fim de dar continuidade ao ministério profético de Elias.

Lucas 1,17: “E irá adiante do Senhor no espírito e poder de Elias, para converter o coração dos pais aos filhos, converter os desobedientes à prudência dos justos e habilitar para o Senhor um povo preparado”.

Em segundo lugar, os discípulos de Jesus compreenderam que ele estava falando a respeito de João Batista, uma vez que Elias apareceu no monte da transfiguração depois da morte de João Batista.

Mateus 17,10-13: “Mas os discípulos o interrogaram: Por que dizem, pois, os escribas ser necessário que Elias venha primeiro? Então, Jesus respondeu: De fato, Elias virá e restaurará todas as coisas. Eu, porém, vos declaro que Elias já veio, e não o reconheceram; antes, fizeram com ele tudo quanto quiseram. Assim também o Filho do Homem há de padecer nas mãos deles”.

Então, os discípulos entenderam que lhes falara a respeito de João Batista.

Como João Batista nessa ocasião já havia vivido e morrido, e uma vez que Elias ainda possuía o mesmo nome e a sua própria consciência depois disto, é óbvio que Elias não havia reencarnado em João Batista.

Em terceiro lugar, Elias não se enquadra no modelo proposto pelos defensores da reencarnação, pois ele não morreu. Ele foi tomado e levado ao céu do mesmo modo que Enoque, que “não viu a morte”.

2 Reis 2,11: “Indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, com cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho”.

Hebreus 11,5: “Pela fé, Enoque foi trasladado para não ver a morte; não foi achado, porque Deus o trasladara. Pois, antes da sua trasladação, obteve testemunho de haver agradado a Deus”.

De acordo com a crença tradicional das seitas a respeito da reencarnação, uma pessoa precisa primeiramente morrer antes que possa ser reencarnada em outro corpo.

Em quarto lugar, essa passagem deve ser compreendida à luz dos ensinos claros das Escrituras, que negam sistematicamente a reencarnação, caso contrário começaremos a ver mistérios e contradições nas escrituras retirando dela a autoridade que provém de Deus.

Hebreus 9,27: “E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo”.

Confissão de Fé de Westminster: A Escritura interpreta a Escritura.

2 Pedro 1,20-21: “Sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens santos falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo.

Mais uma coisa –  João Batista nega textualmente que seja Elias:

João 1,21: “Então, lhe perguntaram: Quem és, pois? És tu Elias? Ele disse: Não sou. És tu o
profeta (*)? Respondeu: Não”.

(*) O profeta: Além de Elias, existia uma lenda judaica que Moisés voltaria para resgatar o seu povo.

Os escribas e os fariseus confrontaram João Batista perguntando a ele por que batizava se não era o Cristo, nem Elias, nem o profeta (Moisés).

João 1,25: “E perguntaram-lhe: Então, por que batizas, se não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta?”.

Mais uma coisa – Os apóstolos não cogitavam que João Batista fosse Elias, eles cogitavam a respeito de quem o povo dizia ser Jesus: João Batista, Elias ou um dos profetas.

Marcos 8,28: “E responderam: João Batista; outros: Elias; mas outros: Algum dos profetas”.

A preocupação dos judeus era a profecia em Malaquias, mas como sempre eles interpretavam a Escritura de forma formal e legalista, voltada para detalhes litúrgicos, esquecendo-se completamente da graça de Deus e do evangelho prometido.

Malaquias 4,5-6: “Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível Dia do SENHOR. ele converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais, para que eu não venha e fira a terra com maldição”.

O sentido correto deste verso em Malaquias é de que João Batista seria o último dos profetas do Velho Testamento e faria a ligação do Velho com o Novo Testamento.

Veja o claro testemunho de João Batista quando os judeus mandaram de Jerusalém escribas e sacerdotes para perguntarem a João quem ele era.

João 1,22-23: “Disseram-lhe, pois: Declara-nos quem és, para que demos resposta àqueles que nos enviaram; que dizes a respeito de ti mesmo? Então, ele respondeu: Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaías”.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário