Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até setembro de 2019:
1.142.054
Total de páginas visitadas até setembro 2019:
3.190.104

Mais Baixados

Literatura clássica

O APANHADOR NO CAMPO DE CENTEIO

Holden Caulfield é um adolescente mal humorado que não vê sentido em nada do que é obrigado a fazer e está sempre reclamando de tudo e de todos. Depois de ser expulso da escola ele faz suas malas e decide dar umas voltas pela cidade antes de chegar a hora de ir para casa e ter que enfrentar os pais.

É engraçado como a gente pode começar a ler um livro achando o personagem um saco e depois ir se acostumando tanto a ele a ponto de querer seu amigo. Holden conta sua história pós-expulsão da escola Pensey e vemos um garoto totalmente desiludido com a vida, não de um jeito deprimente — embora ele se sinta deprimido algumas vez — mas de um jeito revoltado, como se ele quisesse gritar: “Para de ser chato, mundo!”

“Esse é um troço que me deixa maluco. Estou sempre dizendo: ‘Muito prazer em conhecê-lo’ para alguém que não tenho nenhum prazer em conhecer. Mas a gente tem que fazer essas coisas para seguir vivendo”. O apanhador no campo de centeio

No meio da leitura fui procurar saber mais sobre o livro e em uma análise um cara dizia que O Apanhador no Campo de Centeio é um livro para ser lido antes dos 20 anos ou ele perderá metade do seu sentido. Eu já tenho meus 23, mas depois desse comentário tentei lê-lo com a mente que eu tinha quando era mais nova e de fato a compreensão sobre o modo como Holden vê as coisas se torna mais clara. Quando adolescentes achamos que a vida é curta demais para estar fazendo todo dia a mesma coisa, como ir à escola por exemplo. Quem nunca quis deixar a sala de aula e sair correndo para uma rotina sem obrigações e responsabilidades?

Holden Caulfield não é um baderneiro típico de escola americana de filme, ele é um garoto que não quer fazer nada por obrigação, sentar em um bar sem perguntarem se ele já é maior de idade e encontrar uma garota bonita, mas inteligente o bastante para não ser igual a todas as outras que ele conhece. Ele também não quer se sentir sozinho e deprimente — como muitas vezes a gente se sente quando é jovem — e morar em lugar que não tenha tantas pessoas chatas e inconvenientes. Ele quer passar mais tempo com a irmã caçula, Phoebe, uma graça de menina, que seu irmão Allie, morto por um câncer, ainda fique vivo na sua memória, e que seu outro irmão, D.B., esqueça esse negócio de escrever filmes em Hollywood — Holden odeia cinema!!

“De qualquer maneira, até que achei bom eles terem inventado a bomba atômica. Se houver outra guerra, vou me sentar bem em cima da droga da bomba. E vou me apresentar como voluntário para fazer isso, juro por Deus que vou”. O apanhador no campo de centeio

O garoto expulso de Pensey não é senão a nossa mente jovem viva, em pessoa, pensando tudo aquilo que a gente pensa sobre as pessoas e as coisas, porém falando e fazendo o que mais é aceitável para a sociedade. Se reconhecer em Holden é inevitável, e fazemos isso enquanto rimos da sua narração que de tão ranzinza chega a ser hilário. É como voltar a passado (se você agora já é “crescido”) e reviver os dilemas adolescentes com outro ponto de vista, mas não necessariamente com outros anseios.

Ah! O título vem de uma canção que em um dos versos fala sobre crianças correndo em um campo de centeio. Em uma conversa com Phoebe, a irmã de Holden pergunta o que ele gostaria de ser — já que ele não gosta de nada — e ele responde que gostaria de ser o apanhador no campo de centeio, aquele que apanha as crianças antes que elas corram em direção ao precipício.


Sobre o autor

Jerome David Salinger (1919–2010) conhecido como J.D. Salinger, nasceu em Nova York, nos Estados Unidos, no dia 1 de janeiro de 1919. Filho de um judeu de origem polonesa e de uma escocesa, viveu sua infância na Park Avenue, em Manhattan. Começou a escrever ainda na escola secundária. A partir de 1940 publicou diversos contos. Estudou durante três anos na Academia Militar de Valley Forge. Em 1942, serviu na Segunda Guerra Mundial. Terminado o conflito, entrou para a Universidade de Columbia.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário