Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até junho de 2020:
1.261.620
Total de páginas visitadas até junho de 2020:
3.849.764

Mais baixados

Antropologia

O Homem Primitivo – Helio

O homem primitivo

vivendopelapalavra.com

Por: Helio Clemente

Após a queda, o homem não passou a existir na terra em estado de barbárie e foi progredindo lentamente no sentido da civilização. O homem caído era o “Homo Sapiens” em sua forma física e mental atual, não tinha ainda o conhecimento científico, mas já tinha o domínio das espécies inferiores, dos materiais e o conhecimento da caça, do pastoreio e da agricultura.

A experiência da história mostra que o homem não tende a progredir invariavelmente, mas pelo contrário, tende a cair em progressão maior, a não ser que seja elevado e sustentado por uma força exterior e superior à mente do próprio homem, selvagens permanecem selvagens, se intocados.

Seelie, Introduction to a Century of Dishonor (3): “Os primeiros missionários entre os índios do Canadá levaram consigo trabalhadores capacitados para ensinar os selvagens a lavrar os campos e provê-los de confortáveis casas, vestes e alimentos. Mas os índios preferiram seus wigwams (moradias em forma de iglus), peles, carne crua e sujeira”.

Desta forma, o homem somente pode progredir quando civilizado. Apesar de que as ideias éticas e morais não se desenvolvem espontaneamente a partir de si mesmo, o homem primitivo trazia em si estas ideias que eram uma manifestação da imagem de Deus, que não se perdeu totalmente na queda. Se o homem primitivo vivesse em selvageria, jamais poderia ter saído dela.

A. H. Strong: “Mais tardias investigações tem tornado provável que a idade da pedra, de algumas localidades, foi contemporânea à do bronze e, em outras, à do ferro, enquanto certas tribos e nações, ao invés de fazerem progresso de um para o outro, até onde podemos remontar, nunca estiveram sem o conhecimento e uso dos metais”.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário