Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até maio de 2018:
1.017.097
Total de páginas visitadas até maio 2018:
2.599.997

Mais Baixados

Filosofia

O IDEALISMO – HEGEL, COMTE E NIETZSCHE

O IDEALISMO – HEGEL, COMTE E NIETZSCHE

OS PRIMÓRDIOS DA DIALÉTICA (RESUMO)

Por: Helio Clemente

Hegel (XIX d.C.):

Georg Wilhelm Friedrich Hegel, filósofo alemão do século dezenove. Em Hegel o idealismo de Kant atinge o seu ápice, onde a realidade é definida como o vir a ser do empirismo explicado pela dialética incipiente de Kant levada às últimas consequências e elevada ao único processo filosófico válido para aquisição do conhecimento. Este processo foi chamado de dialética dos opostos, onde são apresentadas a tese, uma proposição defendida por certo número de pessoas, a antítese, que é uma proposição contrária ou adversa apresentada por outro grupo de pessoas, estas duas proposições são discutidas através de um coordenador ou facilitador para que todo o grupo seja conduzido à síntese destas propostas, uma posição intermediária que leve concordância a todos os participantes.

Desta forma, o relativismo da filosofia kantiana é levado a um extremo prático onde a verdade simplesmente deixa de existir para dar lugar a um consenso grupal que é sempre relativo e sujeito a novas mudanças. Este processo dialético é a base do marxismo, do socialismo e do irracionalismo na igreja cristã, e cresce assustadoramente em todo o mundo, inclusive e principalmente dentro da igreja cristã, constituindo-se na  força motriz avassaladora que atende aos ideais iluministas de domínio mundial e de construção da religião ecumênica.

A dialética nega a existência de uma moral universal procedente as leis de Deus. Conforme a dialética hegeliana, as guerras e o predomínio das diversas civilizações e estados na história da humanidade são inevitáveis e necessárias; esta não é uma afirmação moral, mas relativa, pois de acordo com o princípio dialético, o vencedor tem sempre razão sobre o vencido pelo simples fato de ser vencedor.

Auguste Comte (XIX d.C.):

O positivismo: Auguste Comte, filósofo Francês do século dezenove, foi inicialmente secretário do conde Henri de Saint-Simon, juntamente com o qual defendeu os princípios do socialismo utópico – “Tudo é relativo, eis o único princípio absoluto” (1819). Mas logo rompeu com Saint-Simon e partiu para o trabalho individual, sua principal obra é o “Sistema de Política Positiva” segundo a qual apresenta uma concepção do mundo não teológica e não metafísica, ou seja, abandona completamente o conceito de Deus e propõe todas as soluções sociais a partir do humanismo pleno.

Contrapondo-se a Calvino ele apresenta no final desta obra as “Instituições da Religião da Humanidade”. Comte é um dos precursores do marxismo.

Nietzsche (XIX d.C.):

Friedrich Wilhelm Nietzsche, filósofo alemão do século dezenove. Nietzsche foi um ateu convicto, ele negou a Deus e a todos os valores baseados em Deus e na revelação em uma forma violenta de nihilismo e argumenta que o Deus teísta teria que ser obrigatoriamente autocausado, o que considerava impossível, além disto, ele argumentava que a existência do mal no mundo eliminaria a possibilidade da existência de Deus.

Nietzsche afirmava que Deus era um mito que foi útil à humanidade durante certo período da história, mas agora era necessário permanecer fiel à terra e que “Deus está morto”. Uma vez que Deus não existe, só existe o mundo, por este motivo, todos devem permanecer fiéis à terra.

A história da humanidade é cíclica e totalmente sem propósito ou objetivo, a única coisa que existe é a vida individual, desprovida de sentido futuro, a ser vivida pela própria capacidade, existindo homens super dotados que superam seus limites, formam o seu destino e definem o destino de outras pessoas mais fracas que devem ser dominadas e subjugadas por estes super-homens acima do bem e do mal e além das leis e fundamentos morais da civilização.

Rejeitou as virtudes do amor, da bondade e da humildade como desprezíveis e valorizou a rudeza de caráter, a impiedade, a desconfiança e a severidade, pois a vida se mantém somente através da luta constante, sem descanso, onde os vencedores podem, a cada instante, tornar-se vencidos, por isso a vida é a vontade e necessidade de poder, de forma incessante, sem pausa.

Desprezou a moral e a religião afirmando a relatividade dos atos morais, sendo tudo permitido aos que conquistam e detém o poder: O conceito do Super Homem de Nietzsche.

 

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 66 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário