Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até novembro de 2018:
1.040.321
Total de páginas visitadas até novembro 2018:
2.664.026

Mais Baixados

Vídeos

O Plano Eterno de Deus

Os seres mortais só têm uma oportunidade de perseverança: A escolha divina. Por ela Deus se apropria do homem, justificando e vinculando-o a seu Filho, identifica-se com ele, concede a bênção da adoção e, como tal, mantêm-no em sua comunhão, protegido e cuidado espiritualmente durante toda sua vida.

Salmo 65,4: “Bem-aventurado aquele a quem escolhes e aproximas de ti, para que assista nos teus átrios; ficaremos satisfeitos com a bondade de tua casa — o teu santo templo”.

A paternidade biológica pode ser rejeitada, mas não negada, o descendente traz em si a herança de seus ancestrais. A paternidade espiritual é algo semelhante, porém mais radical e mais profunda: É inegável e irrecusável: uma vez filho, eternamente filho.

João 1,12-13: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus”.

A certeza da salvação procede da adoção, existe exclusivamente no regenerado; uma convicção natural, intelectualmente inexplicável; o Espírito Santo é o agente eficaz na perseverança.

1 – O CHAMADO EFICAZ

O que é o chamado eficaz? O chamado eficaz é o chamado de Deus aos seus escolhidos que ainda estão perdidos no mundo, em seu plano eterno de salvação Deus escolheu estas pessoas antes da fundação do mundo, mas elas são chamadas por Cristo em um momento do tempo determinado.

Ninguém conhece este tempo da justificação, somente Deus, em Cristo, pode prover este chamamento que é operado pelo Espírito.

Vamos ilustrar este fato com um exemplo bastante característico: a história de Zaqueu, o publicano, que vivia em Jericó.

Lucas 19, 1-3: “Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, procurava ver quem era Jesus, mas não podia, por causa da multidão, por ser ele de pequena estatura”.

Jesus ia para Jerusalém, disse aos apóstolos que teria que passar por Jericó. Jericó era uma cidade amaldiçoada, os publicanos eram odiados pelos judeus e desprezados pelos romanos.

Zaqueu era publicano, era desonesto, acreditava no poder das riquezas, morava em Jericó, porém Deus tinha outros planos para ele: Um chamado.

Movido por este chamado, Zaqueu desejava ver Jesus; dificuldades pelo caminho, Zaqueu era de baixa estatura, a multidão comprimia as pessoas, Jesus vestia-se de maneira comum e dificilmente era distinguido na multidão, mas atendendo ao chamado, Zaqueu sobe em uma árvore e ali permanece junto aos garotos.

Jesus faz o chamado, ele sabia que Zaqueu estava ali:

Lucas 19,5: “Quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, pois me convém ficar hoje em tua casa”.

De toda Palestina, Zaqueu era a última pessoa ser salva, mas Deus não nos chama pelo merecimento, mas conforme sua graça. E, quem é chamado atende prontamente, é uma ordem de Deus.

Lucas 19,6: “Ele desceu a toda a pressa e o recebeu com alegria”.

Muitos de nós temos subido na árvore de nossas boas obras, nos galhos da justiça própria e confiado no poder do homem. Jesus ordena: Desce! O chamado de Deus é uma ordem, não é para depois, é para hoje, aquele que deixa para depois não foi chamado.

O chamado de Deus é eficaz e produz frutos, Zaqueu abriu sua porta, serviu sua mesa, seu coração tornou-se generoso, ele distribui quase todos os seus bens.

Lucas 19,10: “Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o perdido”.

2 – JUSTIFICAÇÃO

O chamado leva à justificação, o que é a justificação?

A justificação é um ato legal de Deus, onde Ele declara o pecador livre da penalidade pelo pecado porque o representante do pecador sofreu a penalidade em seu lugar, é uma imputação da justiça perfeita de Cristo ao pecador.

Romanos 3,23-24: “Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus”.

Gratuitamente pode também ser traduzida como: Sem causa. A graça de Deus não se condiciona a qualquer causa, motivo ou qualidade dentro do homem, a graça foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos eternos.

Condenar não é punir, mas declarar o acusado digno de castigo; e justificação não é considerar o pecador inocente, mas declarar que o castigo não pode mais ser aplicado, pois já foi aplicado ao representante do pecador, que é Cristo, e a justiça de Cristo foi imputada ao pecador.

Imputar significa atribuir ao pecador algo que ele não possui ou tem capacidade de realizar em si mesmo, todos os pecados do povo de Deus foram imputados a Cristo e a justiça de Cristo a eles imputada.

A justiça que Deus imputa a todos os homens é “a justiça de um”.

Romanos 5,18: “Pois assim como, por uma só ofensa, veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também, por um só ato de justiça, veio a graça sobre todos os homens para a justificação que dá vida”.

Esta é a diferença entre o cristianismo verdadeiro e todas as outras religiões, no cristianismo Deus provê a salvação, em todas as outras religiões o homem deve fazer algo de si mesmo para sua própria salvação.

Romanos 10,20: “E Isaías a mais se atreve e diz: Fui achado pelos que não me procuravam, revelei-me aos que não perguntavam por mim”.

A salvação é somente pela fé, as boas obras agradáveis a Deus são fruto da salvação e não produzem mérito para a salvação, da mesma forma, a fé não é um ato natural da mente, mas um dom de Deus, um ato sobrenatural produzido pelo Espírito Santo.

A salvação pela fé não é um processo de sentimentos ou experiências pessoais, como aceitar a Cristo, convidar Jesus para o coração, receber os sacramentos ou uma vida de alto padrão moral; quem pensa desta forma despreza o trabalho de Cristo.

Efésios 2,8-9: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie”.

3 – REGENERAÇÃO: A perseverança dos filhos de Deus.

O trabalho de Deus é completo, Cristo não justifica ninguém a quem ele não regenere ao mesmo tempo. Estes benefícios estão unidos por um laço eterno e indissolúvel, de forma que aqueles a quem ele ilumina por sua sabedoria, ele redime; aqueles a quem ele redime, ele justifica; aqueles a quem ele justifica ele manterá na perseverança até a glória final.

Romanos 8,30: “E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou”.

Não é o crente que não perde a salvação; é o Salvador que não perde o salvo; o Pastor que não despreza a sua ovelha. Deus recria os seus eleitos em conformidade com seu Filho amado, mudando-lhes a natureza e moldando o seu querer ao seu próprio querer.

Ezequiel 36,26-27: “Dar-vos-ei coração novo, e porei dentro em vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne. Porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis”.

Desta forma, não há motivo de desespero ou medo de se perder a salvação, nem motivo de vanglória, para os que se envaidecem por se julgarem santos; tudo procede de Deus que proverá a preservação de seus eleitos através de seu Espírito que neles habita.

Filipenses 1,6: “Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao dia de Cristo Jesus”.

Nada está fora do domínio do Criador. A certeza da salvação não vem da capacidade humana, mas da soberania de Deus em cada redimido, pelo testemunho interno do Espírito Santo.

A doutrina da perseverança mostra a gratuidade da redenção e o que Deus livremente faz, sem qualquer cooperação humana.

João 15,16: “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi, e vos designei para que vades e deis frutos”.

Quem são estes filhos de Deus que irão perseverar?

São escolhidos – Efésios 1,4-5: “Assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade”.

Têm a certeza da salvação – Romanos 8,38-39: “Porque eu estou bem certo de que nem morte, nem vida, nem anjos, nem principados, nem coisas do presente, nem do porvir, nem poderes, nem altura, nem profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor”.

Têm a vida eterna – João 10,27-28: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, eternamente, e ninguém as arrebatará da minha mão”.

Exortação: Vejamos a seguir uma declaração de um escritor inglês secular, que nos apresenta, sem esta intenção, o resultado prático da regeneração.

George Bernard Shaw: “A virtude não consiste em se abster do pecado, mas em não desejá-lo”.

Esta segunda afirmativa é impossível ao homem caído, somente Deus pode mudar o coração do homem natural, tornando o capaz de não desejar o pecado.

Jeremias 32,38-39: “Eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus. Dar-lhes-ei um só coração e um só caminho, para que me temam todos os dias, para seu bem e bem de seus filhos”.

Louvado seja Deus!

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário