Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até outubro de 2018:
1.035.642
Total de páginas visitadas até outubro 2018:
2.647.499

Mais Baixados

Natal e Ano Novo

O PRIMEIRO NATAL – M. MALGO

O Primeiro Natal

No primeiro Natal, havia pastores em algum lugar no campo, que disseram uns aos outros: “Vamos até Belém e vejamos os acontecimentos que o Senhor nos deu a conhecer” (Lc 2.15).

O Centro do Natal

Por que razão os pastores se dirigiram a Belém, qual era sua motivação? Bem, está escrito claramente: “E, ausentando-se deles os anjos para o céu, diziam os pastores uns aos outros: Vamos até Belém e vejamos os acontecimentos que o Senhor nos deu a conhecer” (Lc 2.15). Naquela ocasião, os pastores se dirigiram a Belém para vivenciar aquilo que o próprio Senhor lhes havia dito acerca dessa primeira festa de Natal. O que eles encontraram em Belém? “Acharam Maria e José e a criança deitada na manjedoura”. E o que foi mais importante para eles? O menino Jesus! Está escrito em Lucas 2.17: “E, vendo-o (a Jesus), divulgaram o que lhes tinha sido dito a respeito deste menino”. Eles haviam visto tanto a Maria, como a José e o menino. Inclusive, Maria e José são mencionados em primeiro lugar no versículo 16: “…e acharam Maria e José e a criança…” Mas, apesar disso, parece que eles viram unicamente a Jesus. E isso, meus amigos, é o Natal, essa é a essência do Natal; dessa maneira o próprio Pai celestial mandou celebrar o primeiro Natal. No Salmo 34.6 está escrito: “Contemplai-o e sereis iluminados, e o vosso rosto jamais sofrerá vexame”. Contemplar a Jesus, eis o verdadeiro e único motivo para festejarmos o Natal! Na festa de Natal deste ano, tenhamos todos um único objetivo: Jesus. Apenas Ele deve ser o centro de qualquer celebração natalina!

Celebrar o Natal com o coração

Quando aconteceu o primeiro Natal, lemos acerca daquela jovem mãe: “Maria, porém, guardava todas estas palavras, meditando-as no coração” (Lc 2.19).

Além de Maria ter sido escolhida para dar à luz ao Salvador, ela também é um exemplo de como devemos refletir sobre o verdadeiro significado do Natal. Depois que Maria ficou sabendo de todas as coisas que os anjos haviam dito acerca do menino Jesus, essas palavras calaram profundamente em seu coração! Lemos: “E, (os pastores), vendo-o (Jesus) divulgaram o que lhes tinha sido dito a respeito deste menino. Todos os que ouviram se admiraram das coisas referidas pelos pastores. Maria, porém, guardava todas estas palavras, meditando-as no coração” (Lc 2.17-19). Não está escrito apenas que Maria “guardava todas estas palavras …no coração”, pois lemos que ela “guardava todas estas palavras, meditando-as no coração”. Isso significa que seu coração estava envolvido nos acontecimentos, que ela não apenas tinha ouvido a mensagem do Natal e ficado impressionada por um momento com o que escutara. Ela ouviu essas palavras e continuou a pensar sobre elas; ela ocupava-se com o que tinha ouvido e repetidamente sentia-se tocada e movida com a lembrança de palavras tão significativas. É assim que devemos celebrar o Natal. É assim que devemos nos ocupar com a mais importante mensagem que jamais chegou até nós, seres humanos: Jesus veio a este mundo!

No primeiro Natal, havia uma virgem de quem está escrito: “Maria, porém, guardava todas estas palavras, meditando-as no coração” (Lc 2.19).

No primeiro Natal, havia magos a caminho, em cujo coração ardia uma importante pergunta: “Onde está o recém-nascido Rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos para adorá-lo” (Mt 2.2).

Quando o Natal aconteceu pela primeira vez, vivia em Israel um rei chamado Herodes, de quem Mateus 2.13 diz: “Porque Herodes há de procurar o menino para o matar”.

Esses são quatro exemplos de como as pessoas reagiram de maneiras diferentes ao primeiro Natal. E nós, como celebraremos o Natal de 2001?

Em primeiro lugar, eu gostaria de convidar você, de todo o coração, a fazer aquilo que os pastores fizeram: “vejamos os acontecimentos que o Senhor nos deu a conhecer” em Belém. Levante-se, e dirija-se agora – no Natal de 2001 – a Belém em pensamento! Mas, e isso é muito importante, faça-o da maneira correta!

Jesus já habita em seu coração?

Quando o Natal aconteceu pela primeira vez, havia alguns sábios a caminho, cujo coração estava tomado por uma importante pergunta: “Onde está o recém-nascido Rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos para adorá-lo” (Mt 2.2).

Quando esses homens chegaram a Jerusalém, já havia se passado algum tempo desde que Jesus nascera em uma estrebaria em Belém. A verdade é que os sábios não chegaram juntamente com os pastores ao lugar onde Jesus estava, na estrebaria em Belém, como se costuma ilustrar a cena do Natal. Os magos do Oriente se puseram a caminho apenas quando viram a estrela do recém-nascido. Portanto, eles iniciaram sua viagem quando Jesus Cristo foi deitado na manjedoura em Belém como bebezinho. Como seu caminho certamente foi longo e difícil, eles somente chegaram a Israel algum tempo depois do nascimento de Jesus. Por isso eles não encontraram mais a Jesus em uma manjedoura mas numa casa. Está escrito em Mateus 2.10-11: “E, vendo eles a estrela, alegraram-se com grande e intenso júbilo. Entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas: ouro, incenso e mirra”. Também conhecemos o relato do terrível infanticídio: “vendo-se iludido pelos magos, enfureceu-se Herodes grandemente e mandou matar todos os meninos de Belém e de todos os seus arredores” (Mt 2.16). Isso significa que, entre a data do nascimento do Senhor Jesus e a chegada dos magos do Oriente, houve um certo intervalo de tempo. Se pararmos para pensar mais detalhadamente sobre isso, conseguiremos imaginar o quanto os magos estavam ansiosos para chegar e ver o recém-nascido Rei dos judeus, ainda mais se levarmos em conta que sua viagem certamente foi cansativa. E foi assim que chegaram a Jerusalém, perguntando: “Onde está o recém-nascido Rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos para adorá-lo”. Se, em algum momento de sua vida, você converteu-se a Jesus de todo o coração, então também “viu a sua estrela”. Nesse momento você foi confrontado com o poder dAquele que diz: “Eu sou a Raiz e a Geração de Davi, a brilhante Estrela da manhã” (Ap 22.16). Mesmo já tendo encontrado a Jesus, talvez você ainda ande pela vida perguntando: “Onde está o recém-nascido Rei dos judeus?” Aos magos não restava outra alternativa do que seguir a estrela depois que a descobriram no firmamento, pois Jesus havia acabado de chegar a esta terra. Mas com você é diferente, pois Jesus habita na terra através do Espírito Santo desde Pentecostes. A partir de então, qualquer pessoa que vê a brilhante Estrela da manhã e crê em Jesus pode saber com absoluta certeza: “Agora eu tenho a Jesus! Agora Jesus habita em mim!” Em Apocalipse 3.20 lemos: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo.” Hoje, no Natal de 2001, abra mais uma vez a porta de seu coração para ter um novo e significativo encontro com Jesus!

Como Herodes reagiu ao nascimento de Jesus?

No primeiro Natal, Herodes era um estadista tão bem-sucedido que costumava ser chamado de “Herodes, o Grande”.

Esse Herodes foi um personagem importante nos acontecimentos do primeiro Natal, não porque tenha se alegrado com a chegada do Salvador, como fizeram os pastores e os magos, mas por odiar intensamente o menino de Belém. Por ocasião do primeiro Natal, Herodes não participou da alegria, mas fez o contrário: lutou contra Jesus. “Herodes há de procurar o menino para o matar”!

Que diferença enorme houve já naquela época, quando aconteceu o primeiro Natal: lemos sobre pessoas que fizeram todo o possível para ver o Salvador e adorá-lO – mas também havia outras, como Herodes, que se empenharam intensamente em procurar a Jesus para matá-lO! Herodes, que vivia muito próximo do lugar onde Jesus nasceu, tentou destruí-lO a qualquer preço. Mas os magos, que vieram de muito longe, empenharam todos os seus recursos para adorar o Salvador. Jesus disse certa vez: “…há últimos que virão a ser primeiros, e primeiros que serão últimos” (Lc 13.30). Herodes poderia ter feito parte do primeiro grupo, que seguiu o Rei recém-nascido, mas, por tê-lO rejeitado, tornou-se um dos últimos. Ele desceu tanto que jamais experimentou o amor do Salvador! Isso não é uma tragédia?

E nós, como reagimos ao Natal?

Quando penso nos leitores que acompanham esta mensagem, eu gostaria de crer que todos aceitaram a Jesus como Salvador em seus corações. Mas será que isso é realmente assim? Veja bem: assim como Herodes foi um dos personagens centrais da história de Natal, mas não foi salvo, assim também você pode estar festejando o Natal deste ano sem ter sido salvo! Se ainda não tem a Jesus no centro de sua vida, hoje, agora, eu convido você a tornar-se cristão! Talvez você já tenha o nome de cristão, mas ainda não o é de fato. Torne-se um cristão de coração! Concretamente, isso significa aceitar a Jesus reivindicando para si o sacrifício dEle na cruz do Calvário. Faça isso, orando: “Senhor Jesus, eu sou pecador e sem Ti estou perdido para sempre. Agora, neste momento, tomo para mim o sangue da expiação e peço-Te perdão por todos os meus pecados. Por favor, Senhor, aceita-me para todo o sempre!” Se orar assim com sinceridade, o Senhor fará tudo o que for preciso para salvar você, pois está escrito: “Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome”

|  Autor: Marcel Malgo  |  Divulgação: estudosgospel.com.br |

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário