Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até agosto de 2018:
1.027.377
Total de páginas visitadas até agosto 2018:
2.623.764

Mais Baixados

Natal e Ano Novo

ORIGEM E NATUREZA DO NATAL – HELIO

A  ORIGEM E A NATUREZA DO NATAL

IPC – 21/12/2008; Pirangi 28/12/2008

Natal é a festa mais popular do ocidente. Tanto religiosos quanto seculares o celebram, mas por diferentes razões. Alguns vêem como a melhor época do ano para negócios devido à tradição da troca de presentes, outros o consideram um tempo para celebrar o nascimento de Jesus. Para ambos é um feriado muito importante.

A origem do natal

As origens do Natal remontam a tempos anteriores ao nascimento de Jesus, quando as culturas antigas celebravam a mudança das estações. Estas celebrações eram baseadas no declínio do inverno no hemisfério norte, na Europa por exemplo, o dia mais curto do ano ocorre por volta do dia 25 de Dezembro. No antigo sistema religioso romano Saturno era o deus da agricultura, cada ano durante o verão, o deus Júpiter forçaria Saturno para fora da sua posição dominante e os dias iriam se tornando mais curtos, no Império Romano, no início da era Cristã, o festival de inverno era conhecido como Saturnália. A igreja cristã não permitia a participação na Saturnália, mas quando foi estabelecida a Igreja Romana pelo imperador Constantino – no ano de 325 d.C – logo em seguida  adotou o feriado e o converteu na celebração do nascimento do Senhor, o nome foi mudado para Festa da Natividade. Esta adoção foi incorporada à cultura ocidental desde então.

As árvores de Natal

O musgo era considerado uma planta curativa e era usado em muitas práticas médicas antigas, durante o rigoroso inverno ele permanecia verde e era usado como enfeite e símbolo de fertilidade. Os celtas acreditavam que a planta, que é um parasita das árvores verdes, continham a alma das árvores. Os enfeites de inverno nesta época eram feitos de musgo, e esta tradição transformou-se mais tarde nas ‘árvores de natal’.

Em Que Dia Jesus Realmente Nasceu?

Ninguém sabe com certeza em que dia, mês ou mesmo ano em que Jesus nasceu. Várias teorias já foram levantadas que colocam o nascimento de Jesus em Abril, Outubro e Setembro. Mas ninguém sabe com certeza. Adicionalmente, o nosso calendário é falho, ele está, pelo menos, 4 anos atrasado. Isto é conhecido comparando os regristos bíblicos do evangelho e os registros históricos conhecidos acerca do imperador César Augusto, de Quirino, o governador da Síria e Herodes o Grande, curiosamente Jesus nasceu 4 a 6 anos antes da era cristã.

Lucas 2,1-2: “Naqueles dias, foi publicado um decreto de César Augusto, convocando toda a população do império para recensear-se.Este, o primeiro recenseamento, foi feito quando Quirino era governador da Síria”.

Mateus 2,19: “Tendo Herodes morrido, eis que um anjo do Senhor apareceu em sonho a José, no Egito, e disse-lhe”.

Podemos celebrar o Natal?

O Senhor Jesus Cristo, através do Seu sacrifício, nos limpou de nossos pecados, quando somos chamados para entrar em contato com ele, nós somos limpos e santificados. Este princípio pode ser aplicado ao Natal. O Natal tem uma origem pagã? Sim. Ele é intensamente usado para fins comerciais? Sim. A grande maioria sequer olha para Jesus? Sim. Mas, para os cristãos este é um tempo de refletir acerca do nascimento de Nosso Senhor e celebrá-lo, os cristãos podem tornar este dia santo.

A Anunciação e os mitos religiosos

Lucas 1,31: “Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem chamarás pelo nome de Jesus”.

Assim foi anunciado a Maria o nascimento de Jesus, a encarnação do Verbo Divino. A encarnação não foi uma decisão humana, mas uma determinação divina que aconteceu na eternidade, quando o Verbo Divino, a Segunda Pessoa da Trindade decidiu tomar sobre si a natureza humana para realizar o plano de redenção de Deus. Este é um fato maravilhoso, relatado nos evangelhos, que tem sido distorcido ao longo do tempo, colocando a tradição dos homens acima da Palavra de Deus.

– Maria, esposa e mãe: O primeiro fato a observar é que após o nascimento de Jesus, José conheceu Maria como sua esposa e passaram a ter um relacionamento normal entre marido e mulher.

Mateus 1,24-25: “Despertado José do sono, fez como lhe ordenara o anjo do Senhor e recebeu sua mulher. Contudo, não a conheceu, enquanto ela não deu à luz um filho, a quem pôs o nome de Jesus”.

– Filho único ou primeiro: O segundo fato que temos a observar é o seguinte: Jesus é relatado na bíblia como o filho primogênito de Maria, o que significa o primeiro filho, e não filho único, ou seja Maria teve outros filhos após o nascimento de Jesus.

Lucas 2,7: “E ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou-o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria”.

Marcos 6,3: “Não é este o carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, José, Judas e Simão? E não vivem aqui entre nós suas irmãs? E escandalizavam-se nele”.

– Maria foi mãe de Jesus, não foi mãe de Deus: Maria era uma mulher comum do povo de Israel, vemos isso com clareza em sua oração, onde  ela ora engrandecendo a Cristo e alegrando-se por seu Salvador.

Lucas 1,46-47: “Então, disse Maria: A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador.

Jesus herdou de Maria sua completa e perfeita natureza humana que subsiste com sua perfeita natureza divina, assim é o Verbo encarnado na pessoa única de Nosso Senhor e Salvador. Isto não seria possível se Maria não fosse uma pessoa completamente humana.

A celebração do Natal

O Natal, à semelhança do evangelho tem dois sentidos muito claros, para alguns a salvação, para outros a perdição.

Lucas 2,34: “Simeão os abençoou e disse a Maria, mãe do menino: Eis que este menino está destinado tanto para ruína como para levantamento de muitos em Israel e para ser alvo de contradição”.

O Natal é luz

O verdadeiro sentido do Natal, assumido pelos cristãos, é apontar para a gloriosa luz do Salvador, pouca gente enxerga isso, pois a obra da humanidade é má, o homem por sua natureza só é capaz de enxergar e fazer o mal.

João 3,19: “O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más”.

Exortação

Já temos por aqui, informação suficiente, agora os votos de Natal: que todos possam ser alcançados por esta maravilhosa luz que Deus nos dá em seu filho amado.

João 8.12: “De novo, lhes falava Jesus, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida”.

João 12,46: “Eu vim como luz para o mundo, a fim de que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas”.

Em verdade, pode-se dizer a respeito do Natal, que toda essa história de fraternidade, amor e paz sem a luz de Jesus Cristo não passa de uma caricatura da verdade de Deus, substituída pela justiça própria do homem.

E quanto aos filhos de Deus? Quanto aos filhos de Deus, Ele mesmo irá resplandecer em seus corações, propiciando a eles o conhecimento de sua glória através da face de Cristo.

2 Coríntios 4,6: “Porque Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo”.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário