Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até julho de 2020:
1.277.431
Total de páginas visitadas até julho de 2020:
3.924.272

Mais baixados

Livros do Hélio

PEQUENO DICIONÁRIO FILOSÓFICO – HELIO

Icon

PEQUENO DICIONÁRIO FILOSÓFICO - HELIO 89 KB 96 downloads

Por: Helio Clemente Apresentamos a seguir um pequeno glossário de termos usados...

Por: Helio Clemente

Apresentamos a seguir um pequeno glossário de termos usados comumente em estudos filosóficos.

A respeito da Bíblia: A primeira ocupação de um intérprete é permitir que o autor diga o que quer dizer, ao invés de atribuir ao autor o que pensa que ele quer dizer (Calvino).

A PRIORI: Independente de qualquer observação ou experiência prévia.

A POSTERIORI: Dependente da observação ou de experiência prévia.

ABSOLUTO: Que não tem limitações, imutável ao longo do tempo, que não se condiciona por qualificações.

Adocionismo: (Séc. III e IV) Doutrina que afirmava que Jesus era um ser humano comum, que foi adotado por Deus em sua concepção (ou batismo) e sua natureza humana foi absorvida pelo Logos divino.

ÁGAPE: Refeição em comum celebrada entre os primeiros cristãos. Qualquer refeição em comum, principalmente entre amigos.

AGNOSTICISMO: De acordo com o naturalista inglês Thomas Henry Huxley, metodologia que só admite os conhecimentos adquiridos pela razão. Não aceita nenhuma conclusão que não seja demonstrada. Considera inúteis as questões metafísicas, já que estas tratam de realidades incognoscíveis. É considerado uma forma de ateísmo, porque nega a revelação de Deus pela Escritura.

ALTERIDADE: Qualidade do que é outro.

ANTINOMISMO: Conceito que nega que a lei de Deus, conforme as escrituras, deve controlar diretamente a vida dos cristãos. De fato, o legalismo ou a prática da lei como justificação perante Deus é anticristã, porém a pessoa justificada, apesar de não procurar mérito ou perfeição, encontra realização nos mandamentos e preceitos bíblicos.

ANTROPOLOGIA: Estudo do homem como unidade individual, dentro do reino animal.

ANTROPOPATIA: Atribuição de atos, sentimentos, ou linguagem, humanos a Deus.

Apolinarismo: (Séc. IV) Doutrina que defendia a concepção tricotômica do homem sendo que o Logos tomou o lugar do espírito de Cristo.

APORIA: Dificuldade lógica. Conforme Aristóteles igualdade de conclusões contraditórias (dialética).

Arianismo: (Séc. IV) Doutrina que afirmava que o Pai, o Filho e o Espírito Santo eram três essências e substâncias, ou pessoas, diferentes, negando a Trindade Divina.

ARISTOTELISMO: Influência do pensamento de Aristóteles, filósofo grego, no desenvolvimento da doutrina cristã. Segundo Aristóteles o homem traz em si qualidades imanentes, ao contrário de Platão e Sócrates que afirmam que a matéria, inclusive o homem, é bruta e só vem à vida através do espírito. De acordo com a corrente aristotélica, as obras podem justificar o homem perante Deus. Este foi o núcleo tormentoso da Reforma Protestante: Os reformistas diziam que somente a fé pode justificar o homem perante Deus, ao contrário dos católico-romanos que acreditavam que o homem pode se justificar pelas obras realizadas.

ARQUEOLOGIA: Estudo das civilizações antigas, a partir de escavações de monumentos e demais testemunhos físicos.

ARQUÉTIPO (ARQUETÍPICO): (Aurélio) – Modelo ideal, inteligível, do qual se copiou toda a coisa sensível. Conhecimento perfeito que Deus tem de si mesmo. Na estrutura de Jung, estrutura universal proveniente do inconsciente coletivo que aparece nos mitos, nos contos e em todas as produções imaginárias do indivíduo.

ARREPENDIMENTO (BÍBLICO): No Velho Testamento: conversão ou retorno para Deus. No Novo Testamento: mudança de mente ou de desígnio.

ASCESE: Exercício prático de abstenção voluntária que levaria à efetiva realização da virtude, à plenitude da vida moral.

ASSEIDADE: Também pode ser chamada de independência de Deus. Virtude de Deus segundo a qual ele existe por si mesmo, sendo o próprio fundamento de seu ser, não tendo causa ou dependência em nenhum ser fora de si mesmo, sendo, portanto, absoluto, puro e perfeitamente auto suficiente.

AUTODETERMINAÇÃO: Disposição de realizar somente a própria vontade. As criaturas podem ter autodeterminação da vontade, mas isso não significa autodeterminação do agente. A vontade é originada pela natureza do agente e não é livre das causas secundárias e contingentes. Temos assim, dois fatores a tolher a autodeterminação: a natureza e as causas alheias à vontade do agente.

AUTÔNOMO: Independente de autoridade externa, autosuficiente.

BEHAVIORISMO (COMPORTAMENTALISMO): Estudo psicológico utilitário, baseado no comportamento do homem. Fil. O comportamento define a concepção da mente. As únicas experiências passíveis de avaliação são íntimas e pessoais.

BLASFÊMIA: Atos ou palavras ofensivas a Deus, ao Espírito Santo e a Cristo. Ofensa dirigida a pessoas ou coisas respeitáveis.

CABALA: Compêndio filosófico-religioso hebraico, resumo de uma religião secreta que se supõe ter existido concomitantemente com a religião dos hebreus. Trata-se particularmente da decifração de um sentido secreto supostamente inserido na Bíblia. Particularmente de simbolismo dos números e das letras. Designação de movimentos esotéricos e místicos na Europa a partir de 1.600 d.C. Maquinação, trama, conspiração.

CAPACIDADE: Aquilo que uma criatura pode realizar conforme sua vontade, conhecimento e habilidade.

CARIDADE: Amor a Deus a ao próximo. Desprendimento, interesse pelo bem-estar de outras pessoas.

CAUSA: Ocasião, razão, oportunidade ou motivo que leva algo à concretização. Motivos são causas ocasionais da vontade, mas não são obrigatoriamente causas eficientes.

CERTEZA: Confiança plena em uma proposição, de forma que ela não pode deixar de ser verdadeira.

CETICISMO: Doutrina segundo a qual não existe verdade indubitável em nenhum domínio do conhecimento humano. Estado de quem duvida de tudo; descrença.

CILÍCIO: Cinto áspero e cortante usado como penitência – Veja no livro de Jeremias: “Cingi-vos, pois, de cilício”. (Silício – elemento químico abundante na natureza).

CLEMÊNCIA: Indulgência, bondade. Disposição para o perdão.

Compatibilismo: Ideia da coexistência da soberania divina e da liberdade autônoma dos seres humanos.

Concursus: Tentativa de conciliar a soberania de Deus com o livre-arbítrio do homem. Este conceito admite a participação do homem no plano de Deus e nunca foi provado, ou mesmo, exposto de forma lógica.

CONCEITUALISMO: Os universais não existem de forma independente, mas são originados em conceitos formados na mente.

CONFIANÇA: Segurança psicológica firme e segura de que uma proposição ou crença é verdadeira. Aquilo que é exatamente o que se declara ou presume ser.

CONHECIMENTO: A certeza de que a ideia da coisa é verdadeira, não admitindo que uma afirmação diversa sobre a mesma crença seja aceita.

CONSCIÊNCIA: Capacidade ou poder característico da mente humana que a torna capaz de executar julgamentos morais e éticos sobre a própria pessoa, aprovando ou desaprovando pensamentos, ações ou planos individuais. A consciência é um padrão moral característico da mente de cada pessoa, não representando um padrão moral obrigatoriamente bom, infalível ou universal.

CONTINGENTE: Evento tido como aleatório, não previsto nas situações que provavelmente se apresentariam (ver determinismo – ocasionalismo).

Contradição: Afirmação e negação simultânea da mesma coisa. Exemplos: Algo que existe não pode, ao mesmo tempo não existir, algo que é não pode ao mesmo tempo não ser, e vice-versa.

COSMOLOGIA: Estudo da criação e formação do universo e seu desenvolvimento ao longo do tempo.

COSMOVISÃO: Palavra de origem alemã que significa “visão do mundo” ou a forma como uma pessoa vê mundo, a vida, os homens e o princípio de fé que sustenta a crença desta pessoa.

CRENÇA: Estado mental de assentimento a uma proposição.

DEDUÇÃO: Inferir por raciocínio lógico uma conclusão a partir do estudo de premissas estabelecidas.

determinismo: Ensino de que Deus predeterminou e orientou inteligente e imutavelmente todos os eventos, com planejamento e conhecimento, predestinando, tanto os fins como os meios para consecução de seu plano.

DIALÉTICA: Negação da existência de qualquer verdade absoluta, todas as verdades são relativas e devem ser resolvidas pela confrontação entre elas (tese e antítese) através de um líder facilitador que chegará a uma solução comum: a síntese. Este processo se repete indefinidamente chegando sempre a novas verdades, que por sua vez serão contestadas, resultando em uma nova síntese e assim indefinidamente.

DISCERNIMENTO: Capacidade de decisão entre o certo e o errado, capacidade de tomar decisões morais corretas baseadas no conhecimento. O conhecimento por si, não é nada, a sabedoria é a capacidade de discernir corretamente em função do conhecimento adquirido.

DOCETISMO: Falsos ensinamentos negando a encarnação e a morte de Cristo, consequentemente, não tendo realizado a salvação.

DOGMATISMO: Prática doutrinária que afirma a existência de verdades certas e indiscutíveis sem necessidade de prova ou discussão. Proposições aceitas sem crítica.

DUALISMO: Ideia de que existem dois poderes paralelos no mundo, o bem, representado por Deus, e o mal, representado por Satanás. Estes poderes são equivalentes e estão em luta constante. Antropologia: Afirmação de que a matéria é eterna e se opõe ao espírito formando uma dualidade no homem, onde a matéria é uma manifestação do mal e o espírito, uma manifestação do bem (gnosticismo).

ECTÍPICO (CONHECIMENTO): Ideia ou representação imperfeita do Ser e das disposições divinas. Esta ideia imperfeita se contrapõe ao arquétipo, que é o perfeito Ser de Deus, cujo conhecimento exaustivo é impossível ao homem, mas que pode ser conhecido parcialmente conforme a revelação bíblica.

EMANAÇÃO: Processo através do qual, todos os seres do universo têm origem em um ser superior e único.

Emoção: Agitação da mente ou do espírito. A emoção se diferencia do sentimento, porque, conforme observado, é um estado psíquico/fisiológico. O sentimento, por outro lado, é a emoção filtrada através dos centros cognitivos do cérebro (alma).

EMPÍRICO: Conhecimento baseado na experiência ou observação da realidade, sem caráter científico.  Diz-se de pessoas que tem conhecimentos práticos de técnicas, relativamente complexas, sem formação ou aprendizado sistemático.

EMPIRISMO: Estudos filosóficos ou científicos baseados somente em observações experimentais. No empirismo todo conhecimento é a posteriori. Doutrina que admite que o conhecimento provenha da experiência, negando a existência de princípios puramente racionais ou inerentes à mente. Opõe-se ao racionalismo.

Epistemologia: – (“episteme”: ciência, conhecimento). Teoria do conhecimento. É um ramo da filosofia que trata dos problemas relacionados à crença e ao conhecimento. A epistemologia se opõe à crença subjetiva que leva ao engano e confusão e busca através do conhecimento a crença verdadeira e justificada.

EURÍSTICA (HEURÍSTICA): Técnica da disputa argumentativa no debate, empregada com o objetivo precípuo de vencer uma discussão, mas não obrigatoriamente usando dados utilitários ou verdadeiros. Esta técnica foi desenvolvida e utilizada à exaustão pelos filósofos sofistas (sofismas).

ESOTÉRICO: Ensinamentos das escolas filosóficas, associações ou irmandades, reservadas aos discípulos escolhidos previamente. Ensinamento limitado a círculo restrito. Ensinamento ligado ao ocultismo. Obscuro, hermético, fechado. Ensino das antigas religiões babilônicas e egípcias absorvidos pelos filósofos gregos.

ESOTERISMO: Doutrina que ensina que a revelação das verdades científica, filosófica ou religiosa deve limitar-se a iniciados, escolhidos por critérios determinados pelos dirigentes das doutrinas. Conjunto de ensinamentos de teor religioso ou espiritualista, onde se misturam influências de religiões orientais e ciências ocultas. Terapias que, teoricamente, mobilizam energias não explicadas cientificamente.

ESSÊNCIA: Característica própria, exclusiva de um ser, ou coisa, que define o que ele/ela é em distinção de todas os outros seres, ou coisas, existentes.

ETERNIDADE: Aquilo que, na realidade, transcende o tempo e dele difere essencialmente. A eternidade, no sentido estrito da palavra, é adstrita àquilo que transcende todas as limitações temporais. Perfeição de Deus pela qual Ele é elevado acima de todos os limites temporais e de toda sucessão de momentos, e tem a totalidade da Sua existência num único presente indivisível.

ÉTICA: Teoria da conduta. Aplicação prática de estudos filosóficos a respeito de valores morais e os princípios ideais da conduta. Princípios morais a serem observados no exercício de uma profissão.

EUTIQUISMO OU MONOFISISMO: Heresia do Século V, pregada por Eutíques, que afirmou que em Jesus só há uma natureza e uma só pessoa, a natureza divina absorveu a natureza humana.

Exegese: É a interpretação profunda de um texto bíblico, jurídico ou literário. A tarefa da exegese dos textos sagrados da Bíblia tem prioridade e anterioridade em relação a outros textos. Isso é, os textos sagrados são os primeiros dos quais se ocuparam os exegetas na tarefa de interpretar e dar seu significado.

EXISTENCIALISMO: A existência está acima da ética e do conhecimento, de forma que o homem é livre para escolher e fazer tudo aquilo que quiser.

EXPIAÇÃO: Conseguir satisfação pelo pecado ou pecador. O efeito produzido pela satisfação do pecado é a propiciação da ira de Deus.

Extra calvinisticum: Este é um termo teológico dado pelos luteranos para a doutrina que afirma que o Logos, em sua imensidão, está fora e ao mesmo tempo contido no corpo de Jesus. Este termo é uma designação da teoria luterana de que Jesus é onipresente na Ceia do Senhor, também em seu corpo físico.

FALÁCIA: Tentar estabelecer raciocínios a partir de premissas enganosas ou argumentos circulares.

fatalismo: Ensino em que todos os acontecimentos são pré-determinados por forças impessoais e a despeito dos meios. Essas forças são cegas e irracionais, de forma que, independente do que as pessoas façam, a mesma consequência resultará.

FÉ: Charles Hodge: “Fé é o assentimento à verdade, a persuasão da mente de que algo é certo”. No sentido teológico a fé somente é válida quando depositada integralmente em Cristo – crer em suas promessas e acreditar que ele é capaz de cumpri-las todas.

Observação: Concordamos plenamente com Hodge quando define a fé pelo assentimento mental à verdade, para tanto, se faz necessário, em primeiro lugar, o conhecimento do evangelho, sem esse conhecimento não existe possibilidade de assentimento e não existe fé de forma alguma. O conhecimento da proposição a ser crida é o fundamento da fé.

FÉ FORMADA: Conceito escolástico onde a fé formada é o desenvolvimento da fé informe (a fé constituída somente pelo conhecimento) com a adição do amor ou caridade.

FÉ IMPLÍCITA: Acreditar na autoridade absoluta da igreja em detrimento da Escritura.

FÉ INFORME: Conceito escolástico de que o simples conhecimento da Palavra pode ser considerado como fé voltada à salvação.

FENOMENALISMO: Teoria de que tudo o que conhecemos não é real, é apenas uma impressão da mente.

FENÔMENO (ver NÚMINO): Fato passível de observação, sinais manifestos e perceptíveis.

FILOSOFIA DE PROCESSO: Toda a realidade faz parte de um todo interdependente.

GALARDÃO: Conceitos e satisfações, atribuídos por Deus aos cristãos, referentes aos dons recebidos na vida terrena.

GNOSE: Doutrina que admite o conhecimento perfeito da divindade através de estudos esotéricos transmitidos por rituais de iniciação e tradição.

GNÓSTICO: Discípulo ou seguidor do gnosticismo. Relativo ao conhecimento. Movimento filosófico-religioso eclético surgido através de numerosas seitas, nos primeiros séculos de nossa era, que buscava conciliar todas as religiões e a explicar, através do conhecimento, o sentido mais profundo de cada uma. Os dogmas do gnosticismo são os seguintes: A emanação, a queda, a redenção e a mediação, exercida por inúmeras potências celestes, entre a divindade e os homens.

GRAÇA: Benevolência. Favor imerecido dispensado a alguma pessoa. (Bíblica): Ato gratuito de clemência da parte de Deus justificando, sem méritos ou qualidades prévias, pessoas por ele escolhidas antes da fundação do mundo, redimidas pela justiça de Cristo.

HEDONISMO: Filosofia segundo a qual o prazer é a finalidade principal na vida do homem.

HERMENÊUTICA: Interpretação do sentido das palavras principalmente com referência aos textos sagrados e leis.

HERMETISMO: Doutrina surgida no Egito no primeiro século de nossa era, ligada ao gnosticismo, atribuída ao deus egípcio Thot, conhecido pelos gregos como Hermes Trimegisto. Ensinamento secreto em que se misturam filosofia e alquimia.

HEURÍSTICA: Capacidade de encontrar solução para problemas por iniciativa própria. Este ponto de vista pode ser descrito como a arte de descobrir, inventar ou resolver problemas mediante a criatividade. Raciocínio dedutivo.

HILOZOÍSMO: Teoria de que a matéria tem em si mesma o princípio da vida. Toda a matéria e toda partícula de matéria tem em si esse princípio da vida.

HIPÓSTASE: Esta palavra é usada atualmente como sinônimo da palavra substância, ou subsistência. Foi empregada até o século IV no Credo Niceno como referida à “essência” de Deus, não é mais utilizada nesse sentido. No sentido atual significa: substância ou subsistência (pessoas da Trindade divina).

HOLISMO: Capacidade própria do Universo de sintetizar unidades em totalidades organizadas. Conforme esta teoria o homem é um todo indivisível, e não pode ser compreendido pelos seus componentes considerados individualmente.

HOLÍSTICO: Relativo ao holismo.

HOMOUSIOS (grego): Da mesma essência, igual.

ICONOGRAFIA: Representação por imagens. Apresentação de imagens. Imagens que fazem referências a um assunto.

idealismo Transcendental (Kant): Todos nós trazemos formas e conceitos a priori (que não necessitam de experiência) para a experiência concreta do mundo, os quais seriam de outra forma impossíveis de determinar. A realidade fundamental é dependente da mente: Ser é ser percebido.

IGNOMÍNIA (OU OPRÓBRIO): Desonra pública, afronta sobremaneira grave, degradação extrema (Antônimo – dignidade).

ILUMINISMO: Próprio dos iluminados (Iluminatti). Movimento político/filosófico que pretende construir um mundo humanista sujeito a governo e religião universais.

ILUMINADO: Ilustrado, esclarecido, instruído.  Indivíduo que se julga inspirado. Visionário; vidente.

IMANENTE: Que existe sempre em um dado ser ou objeto e inseparável dele.  Significa também que Deus está presente no mundo, que é um Deus pessoal e interage na história e na vida do homem como indivíduo ou comunidade.

IMANÊNCIA: Que existe sempre em um dado objeto e inseparável dele. Que está contido em ou que provém de um ser, independentemente de ação exterior, permanecendo sempre dentro dos limites do ser.

IMPERATIVO CATEGÓRICO: O imperativo categórico no domínio da moralidade é a forma racional do comportamento, determinando a vontade submetida à obrigação. Agir por dever é o modo de conferir à ação o valor moral.

IMENSIDADE OU IMENSIDÃO DE DEUS: A infinidade de Deus também pode ser vista com referência ao espaço, sendo, então, denominada imensidade. Esta pode ser definida como a perfeição do Ser Divino pela qual Ele transcende todas as limitações espaciais e, contudo, está presente em todos os pontos do espaço com todo o Seu Ser.

INATO: Próprio do homem, conceitos conhecidos a priori e independentes de aquisição de conhecimento, experiência ou sentimentos.

INDUÇÃO: Estabelecer, através de probabilidades, conclusões a partir de premissas particulares.

INFERÊNCIA: Movimento da mente que determina resultados a partir de ideias pré-estabelecidas – premissas.

INFINIDADE: Infinidade é a perfeição de Deus pela qual Ele é isento de toda e qualquer limitação. Ao atribuí-la a Deus, negamos que haja ou que possa haver quaisquer limitações do Ser divino e dos seus atributos. Isso implica que Ele não é limitado de maneira nenhuma pelo universo, por este mundo caracterizado pela relação tempo-espaço, e que Ele não é encerrado no universo.

INFRALAPSARIANISMO: Teoria segundo a qual o decreto para a salvação ocorre após a queda.

INTUIÇÃO: Sentimento muito firme em relação a uma proposição ou fato provável.

IRA DE DEUS: A ira de Deus é uma perfeição divina tanto como o seu amor, a sua fidelidade, o seu poder ou a sua misericórdia.  A ira de Deus é sua eterna ojeriza por toda injustiça. É o desprazer e a indignação da divina equidade contra o mal. É a santidade de Deus posta em ação contra o pecado. É a causa motora daquela sentença justa que ele lavra sobre os malfeitores.

JULGAMENTO: Movimento da mente na direção de estabelecer um predicado com referência ao acusado: culpa ou inocência.

JUSTIÇA RECTORAL: Justiça em consideração aos direitos e obrigações dos cidadãos (súditos) quanto aos seus governantes.

JUSTIÇA VINDICATIVA: Castigo atribuído com o único sentido de punição, sem consideração por disciplina ou recuperação do delinquente. Essa justiça somente é válida quando aplicada por autoridade, existente ou constituída, com essa finalidade, caso contrário seria meramente vingança.

JUSTIÇA DISTRIBUTIVA: Poder de Deus em distribuir castigos e recompensas, nesta vida material, unicamente conforme sua vontade e determinação, sem consideração de méritos das criaturas.

LIBERDADE: Capacidade do homem de agir conforme sua vontade, movida pela natureza humana e as circunstâncias. Todavia, não se deve confundir a liberdade da vontade com a liberdade do agente, pois a vontade do homem é sempre definida pela sua natureza movida pelas causas secundárias e contingentes.

livre agência: Capacidade do homem em decidir conforme sua natureza e as causas contingentes e secundárias, o que permite que o homem haja responsavelmente, mas conforme os ditames de sua natureza.

LIVRE ARBÍTRIO: Ideia que afirma a capacidade do homem em tomar decisões fixas e imutáveis ao longo do tempo, em contrariedade à vontade de Deus, bem como às necessidades básicas da vida, às causas contingentes e secundárias, às aspirações e tendências morais e espirituais.

LOGOMAQUIA: (Teológico) – Contenda de palavras sem sentido lógico (sofismas). Esse termo é aplicado particularmente às discussões sem fim, levadas a efeito pelos escolásticos, sem suporte escriturístico.

LONGÂNIME (LONGÂNIMO): Que tem paciência associada à grandeza de ânimo; benigno, complacente, indulgente. Paciente, resignado.

MAIÊUTICA: Método de aprendizado provindo da filosofia grega (Sócrates/Platão) que consiste em colocar muitas perguntas a fim de se chegar, por indução, dos conceitos particulares a um conceito geral (Ex. Catecismos).

MANDALA: No tantrismo, diagrama composto de círculos e quadrados concêntricos, imagem do mundo e instrumento que serve à meditação.

Marcionismo: (Séc. II)Marcião afirmou que o único Deus cristão era o do Novo Testamento. Os marcionistas eram chamados de anti-semitas. Marcião afirmou também a pré-existência das almas.

MARXISMO: Materialismo dialético: O mundo é constituído de matéria, Deus não existe e o homem é intrinsecamente bom, dependendo apenas das condições sociais favoráveis ou não (doutrina criada por Karl Marx e Frederic Engels, que constitui a base do sistema de governo comunista).

materialismo: Afirmação de que o universo é constituído apenas de matéria.

METAFÍSICA: Teoria da realidade. Parte da filosofia que apresenta as seguintes características gerais: Um corpo de conhecimentos racionais em que se procura determinar as regras fundamentais do pensamento e que fornece a chave do conhecimento do mundo real, tal como este verdadeiramente é (em oposição à aparência). Para Aristóteles, a metafísica é, simultaneamente, ontologia, filosofia e teologia, na medida em que se ocupa do ser supremo dentro da hierarquia dos seres. 

Mistério: Coisa que é supostamente verdadeira, mas que não é passível de entendimento.

MÍSTICA: Tratado a respeito das coisas divinas ou espirituais do ponto de vista de experiências com o sobrenatural, pela meditação, ascetismo ou outros recursos próprios do homem. Vida religiosa e contemplativa. Ciência e arte do mistério.

MISTICISMO: Crença religiosa ou filosófica dos místicos, que admitem comunicações ocultas entre os homens e a divindade. Aptidão ou tendência para crer no sobrenatural.

MODALISMO – Ver sabelianismo.

Monarquismo: (Séc. II) Reconhecia em Deus uma só pessoa, o Pai. Jesus poderia ser uma pessoa humana, ou um deus menor criado pelo Pai.

MONISMO: Filosofia segundo a qual o mundo é constituído de substâncias imperceptíveis, imutáveis e eternas – as mônadas, que formam todos os seres e coisas do universo. Estas substâncias seriam derivadas de uma mônada primária anterior a todas (Spinoza), isso é o mesmo que o panteísmo das religiões orientais. Antropologia: Afirmação de que o corpo e a alma formam uma unidade em contraposição ao dualismo gnóstico que afirma que a matéria é eterna e se contrapõe ao espírito formando uma dualidade no homem e no universo.

MONOFISISMO – Ver Eutiquismo.

Monotelismo:  (Séc. VII): Sérgio I de Constantinopla, afirmou que em Jesus Cristo só havia uma vontade, a da pessoa divina.

NESCIÊNCIA (NÉSCIO): Ignorância, desprezo pelo conhecimento, preguiça.

Nestorianismo: (Séc. V) Nestório afirmou que havia em Jesus 2 pessoas distintas. O homem Jesus e o Logos divino.

Noese – noética (do grego – NOUS: mente): Segundo Stratton, noética se refere a uma estrutura individual de conceitos, sendo a somatória de idéias, crenças e opiniões de cada um, e a forma pela qual tais conceitos se relacionam entre si e com o mundo externo (ver cosmovisão).

Natureza: A natureza de algo é constituída pela soma de todas as qualidades presentes e constituintes desta coisa, de forma que estas qualidades a fazem ser o que ela é. Esta natureza é constituída por uma substância possuída por todas as coisas ou seres da mesma natureza.

NOMINALISMO: Somente os particulares são reais, os universais são apenas observáveis.

NÚMINO (NUMINAL): A ideia em oposição ao objeto material. A apreensão intelectual em contraposição à observação do fenômeno, a coisa em si apreendida pela mente um oposição ao fenômeno apreendido pelos sentidos.

NUMINOSO: Do latim (numen): Majestade, poder divino. A santidade majestosa de Deus que deixa o homem insignificante diante da pureza imarcescível de Deus. Nesse sentido vemos a referência a Deus como “tremendo” no salmos, veja no salmo 89,7: “Deus é sobremodo tremendo na assembléia dos santos e temível sobre todos os que o rodeiam”.

OBJETIVO: Meta definida para ser atingida em um determinado período de tempo. Pessoa que consegue colocar com clareza suas ideias e pensamentos.

OBJETIVIDADE: Qualidade de colocação de ideias e pensamentos com clareza e sentido lógico.

Ocasionalismo: Todas as atividades, ou movimentos, da alma são a origem das ações da mente e do corpo. Estas causas são, na realidade, causas ocasionais, que agem unicamente pela eficácia da vontade de Deus. Deus é a única verdadeira causa eficiente da conjunção entre o espírito, as ideias e os movimentos do corpo (Malebranche foi o maior expoente na defesa desta ideia). Não existe nenhum movimento ou atividade do corpo em direção ao espírito (alma).

OCULTISMO: Estudo das coisas e fenômenos para os quais as leis naturais ainda não deram explicação. Conjunto de sistemas filosóficos e artes misteriosas baseadas em conhecimentos secretos.

Onipresença: Os termos “imensidade” e “onipresença” são aplicados somente a Deus: “Imensidade” aponta para o fato de que Deus transcende todo o espaço e não está sujeito às suas limitações, ao passo que “onipresença” denota que Ele preenche todas as partes do espaço com todo o Seu Ser, sendo imanente em todas as suas criaturas, não sendo limitado ao universo criado.

ONTOLOGIA: Parte da filosofia que trata do ser enquanto ser, isso é, do ser concebido como tendo uma natureza comum que é inerente a todos e a cada um dos seres. Segundo Aristóteles, o estudo do ser enquanto ser e em torno dos primeiros princípios e das causas primeiras do ser (ver metafísica).

OPRÓBRIO (ver ignomínia): Desonra pública, afronta sobremaneira grave, degradação extrema (Antônimo – dignidade).

Origenismo: (Séc. III) – Orígenes afirmou a existência prévia das almas humanas como espíritos criados por Deus no início do mundo.

PANTEÍSMO: Crença de que o universo é uma extensão de Deus, ou seja, o universo é eterno e participante do Ser de Deus. Desta forma todas as coisas são divinas, e o homem pode, algum dia, chegar a ser igual a Deus através de ascetismo, reencarnação, boas obras, ou simplesmente evolução natural.

PANTOCRATOR: Da física quântica, o que mantém juntas todas as coisas. Visão científica de Deus.

PARTICULAR: Uma ocorrência observável dentro de um universal.

Pessoa: Uma pessoa é uma substância completa, viva, individualizada, dotada de intelecto, vontade e razão, formando um sujeito único e distinto de outros da mesma natureza ou espécie.

PIEDADE: Virtude de render a Deus a honra que lhe é devida. Amor e respeito pela Palavra de Deus. Estar satisfeito com o que tem. Popular – compaixão, dó, pena.

PLATONISMO: Influência de Platão, filósofo grego, no desenvolvimento da filosofia e da doutrina cristã. Platão afirma, em contraposição a Aristóteles, que a matéria é bruta em qualquer condição e só vem à vida através do espírito. Nesta condição o homem não possui qualidades imanentes, mas somente vive através do espírito. O platonismo influiu nas características filosóficas da igreja protestante em contraposição à igreja romana, que teve a influência de Aristóteles (imanência do homem).

PLENITUDE: Plena e absoluta supremacia de Deus sobre todas as coisas. Máxima glória de Deus.

PLEROMA: Pode significar plenitude, como acima, ou o número total de eleitos em todos os tempos.

PLURALISMO: Afirmação de que todas as religiões são igualmente boas.

PNEUMA: Espírito. Sopro de vida. Dimensão espiritual do ser humano. Mentalidade.

POSITIVISMO LÓGICO: Todas as afirmações significativas são verificáveis pela ciência e pela lógica.

PRAGMATISMO: O significado de uma ideia, ação ou declaração se resume nos resultados práticos resultantes.

PRESCIÊNCIA: Certeza e conhecimento de Deus quanto às ações livres das criaturas no tempo futuro.

PREDESTINAÇÃO (PREORDENAÇÃO): Certeza de que Deus determinou todos os fatos e as ações das criaturas em todos os lugares e tempos de existência do universo.

PRESSUPOSIÇÃO: Uma suposição primária elementar a partir da qual o raciocínio e as ideias são formados.

Priscilianismo: (Séc. IV) Jesus tinha um corpo falso, era uma aparição e não era humano.

PROPICIAÇÃO: Reparação moral ou legal por faltas ou pecados cometidos. Judicial – Satisfação penal ou legal. A. A. Hodge: “Segundo o seu uso no Velho Testamento, também, no seu uso correto e teológico, ela não exprime a reconciliação efetuada por Cristo, e sim a satisfação legal que é o motivo dessa reconciliação”.

PROSÉLITO: Pagão que se converteu à religião de Israel. Aquele que se converteu a uma religião diferente da que tinha. Indivíduo que aderiu a uma doutrina, ideia ou sistema.

PROVIDÊNCIA DIVINA: Governo dos fatos e ações das criaturas a fim de conduzir a bom termo todas as coisas conforme suas determinações eternas.

RABINISMO: Interpretação absolutamente literal das escrituras, que provoca o esvaziamento das leis e da moral de Deus de todo seu sentido espiritual. Interpretação que exagera de modo grosseiro o secundário e o fortuito, desprezando o essencial, ou dele se distanciando.

RACIONALISMO: Visão de que o conhecimento pode partir de um conhecimento a priori, mas, todos racionalistas partem de princípios diferentes, chegando consequentemente a conclusões diferentes.

RACIONALISMO CRISTÃO: O conhecimento parte inevitavelmente de ideias a priori, remanescentes da imagem do homem com Deus. Todas as coisas são deduzidas de um princípio básico único que é a Escritura.

RAZÃO: Capacidade do homem de apreender mentalmente coisas observadas e formar ideias a partir destas observações.

REALISMO: Os universais são reais e passíveis de conhecimento, os objetos conhecidos são existentes de forma independente do conhecimento (ver: teoria das formas de Platão). A realidade não é diferente da forma que a vemos e conhecemos.

Sabelianismo (Modalismo): (Séc. III) Sabélius afirmava existir uma só pessoa em Deus, que se manifesta ao longo da história de três maneiras diferentes.

SANTIDADE: De Deus: separação do mundo, perfeição moral advinda da imutabilidade e da verdade absoluta do Ser de Deus. Santidade do homem, locais ou objetos: nesse caso indica somente a separação feita unilateralmente por Deus, nunca o sentido de perfeição moral que é próprio somente de Deus.

SENSO COMUM (Merrian Webster): Opiniões irrefletidas de pessoas ordinárias. Julgamento sadio e prudente, mas geralmente rudimentar.

Servetismo: (Séc. XVI) – Miguel Serveto negou a Trindade divina, bem como a eternidade e divindade de Jesus.

SILOGISMO: Lógica perfeita, constituída de três proposições declarativas que se conectam de tal modo que a partir das primeiras duas, chamadas premissas, somente é possível deduzir uma única e imutável conclusão.

SIMBOLISMO: Prática do emprego de símbolos como expressão de ideia ou de fatos; interpretação por meio de símbolos. Movimento de literatura e belas artes.

SINÉDOQUE: Expressão do todo pela parte (Exemplo: Os dez mandamentos), ou a parte pelo todo.

SOFISMA: (Termo teologicamente aplicado, de forma comum, aos escolásticos) – Raciocínio supostamente respeitável, baseado em premissas que podem ser verdadeiras ou não, mas que conduzem a um resultado falso, usualmente de forma deliberada e objetivando provar uma ideia pré-concebida sem preocupação com a coerência lógica – os fins precedem os meios e os justificam (jesuítas).

Socinianos: (Séc. XVI) – O arianismo foi revivido sendo pregado novamente em algumas variantes.

SOLECISMO: Erro crasso de gramática (sintaxe). No sentido figurado significa simplesmente erro ou falta.

SOLIPSISMO: A crença de que além do indivíduo, existem somente suas próprias experiências. O solipsismo é uma manifestação drástica do empirismo, não admitindo a existência de nada que não faça parte das sensações e experiências interiores do indivíduo.

SOTERIOLOGIA: Estudo da doutrina da salvação.

SUBSISTÊNCIA (SUBSTÂNCIA): Referido à trindade divina: Significa o modo de existência que caracteriza uma pessoa individual de todas as demais. Com relação à trindade divina, representa o modo de existência característico de cada uma das pessoas divinas dentro da essência única do Deus da Escritura.

SUBSTÂNCIA (Filosófico): Aquilo que define e sustenta a existência de um ser ou coisa. O que possui a essência própria do ser ou coisa, definindo a sua existência de forma independente de todos os outros seres ou coisas existentes. Aquilo que define a característica pessoal do ser.

SUBSTITUIÇÃO (TEOLÓGICO): Ato gracioso de Deus permitindo que uma pessoa (Cristo) sofra o castigo devido às pessoas a ele obrigadas (eleitos).

SUPRALAPSARIANISMO: Teoria bíblica, segundo a qual o decreto para salvação (eleição e reprovação) ocorre antes da fundação do mundo (em particular, antes da queda).

TAUTOLOGIA: Tautologia é uma afirmação que não transmite um fato real, pode ser verdadeira em sua definição, mas não transmite a informação verdadeira correspondente, a respeito do mundo real.

TEÂNDRICO: Divino-humano. Qualidade essencial de Jesus Cristo em que a divindade transparece através da humanidade. Condição de plena divindade e humanidade de Jesus. Este é na verdade o princípio básico do cristianismo, qualquer seita ou pessoa que crê ou afirma diferentemente desta condição não pode ser considerada cristã.

Teleológico: Criação e manutenção do universo como sendo planejado e cuidadosamente projetado, destinado a uma finalidade pré-estabelecida.

TEOLOGIA FEDERAL: Na teologia federal o conceito da aliança é o princípio determinador de todo o sistema. A aliança das obras feita com Adão é seguida por todas as formas de aliança como sendo única, sofrendo modificação ao longo do tempo, mas somente quanto à forma de apresentação, o conceito básico é sempre a aliança da graça. Desta forma, o pecado de Adão é imputado a todas as pessoas, de forma imediata na concepção, ele é o representante federal da raça humana no princípio da criação. Da mesma forma, Jesus Cristo é o representante dos eleitos antes da fundação do mundo, a redenção adquirida por ele nada mais é que o cumprimento da aliança original, que também é imputada aos eleitos de forma imediata na justificação.

Tomismo: Ou filosofia escolástica (Tomás de Aquino), sustentada pela igreja romana, que se caracteriza, sobretudo pela tentativa de conciliar o paganismo com o cristianismo. Essa teoria supõe que o homem nasce sem conhecimento inato algum (tabula rasa), aprendendo apenas pelas sensações e experiências.

TRANSCENDÊNCIA: Transcendente significa que Deus está completamente além dos limites do mundo, fora do espaço e do tempo. O conjunto de atributos do Criador que lhe ressaltam a superioridade em relação à criatura e ao mundo conhecido.

TRANSFUNDIR: Transformar-se, tornar-se outro.

UNIVERSAL: Uma concepção geral de ideias ou formas que são próprias de determinadas classes de indivíduos ou coisas.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário