Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até julho de 2020:
1.277.431
Total de páginas visitadas até julho de 2020:
3.924.272

Mais baixados

Comentários Bíblicos

TAMAR – GENESIS 38,1

Icon

TAMAR - GENESIS 38,1 17 KB 58 downloads

...

GÊNESIS 38 – TAMAR

vivendopelapalavra.com

Por: Helio Clemente

Gênesis 38,6: “Judá, pois, tomou esposa para Er, o seu primogênito; o nome dela era Tamar”.

Esta narrativa em Gênesis interrompe a história de José e mostra a saga da viúva Tamar, nora de Judá, que luta para ter reconhecido o seu direito de ter filhos e participar da herança da família. Neste capítulo também se faz notar a preeminência de Perez, ascendente de Jesus na linhagem de Davi. No capítulo seguinte a história de José prossegue normalmente.

Gênesis 38,28-29: “Ao nascerem, um pôs a mão fora, e a parteira, tomando-a, lhe atou um fio encarnado e disse: Este saiu primeiro. Mas, recolhendo ele a mão, saiu o outro; e ela disse: Como rompeste saída? E lhe chamaram Perez”.

Rute 4,18-22: “São estas, pois, as gerações de Perez: Perez gerou a Esrom, Esrom gerou a Rão, Rão gerou a Aminadabe, Aminadabe gerou a Naassom, Naassom gerou a Salmom, Salmom gerou a Boaz, Boaz gerou a Obede, Obede gerou a Jessé, e Jessé gerou a Davi”.

Os nomes de Tamar e Perez também aparecem na genealogia de Jesus conforme Mateus.

Mateus 1,3: “Judá gerou de Tamar a Perez e a Zera; Perez gerou a Esrom; Esrom, a Arão”.

No tempo dos patriarcas a lei ainda não havia sida dada, eles se regiam pelo Código de Hamurabi, rei de Ur, cidade natal de Abraão. Se um homem casado morresse antes da mulher, a lei do levirato estabelecia que o seu irmão (ou parente mais próximo) casaria com a viúva e suscitaria sua descendência desta forma.

O primeiro filho da viúva era considerado herdeiro legal do falecido. Este costume foi absorvido pela lei mosaica e estabelecido em Israel posteriormente.

Deuteronômio 25,5-6: “Se irmãos morarem juntos, e um deles morrer sem filhos, então, a mulher do que morreu não se casará com outro estranho, fora da família; seu cunhado a tomará, e a receberá por mulher, e exercerá para com ela a obrigação de cunhado. O primogênito que ela lhe der será sucessor do nome do seu irmão falecido, para que o nome deste não se apague em Israel”.

O marido de Tamar morreu, foi perverso perante o SENHOR e o SENHOR o fez morrer.

Gênesis 38,7: “Er, porém, o primogênito de Judá, era perverso perante o SENHOR, pelo que o SENHOR o fez morrer”.

Note neste verso o nome SENHOR em letra maiúscula, este é o Cristo; vemos aqui e em muitas outras passagens, como na destruição dos primogênitos do Egito, do exército de Senaqueribe e outras, que o SENHOR age ativamente no bem e no mal, não existe outro poder paralelo no universo para criar o que quer que seja.

Observe no verso abaixo, em Isaías, novamente o nome SENHOR em maiúsculas: Este é YAHWEH, o Cristo, que se manifesta já no Velho Testamento como o Rei e Senhor do universo.

Isaías 45,7: “Eu formo a luz e crio as trevas; faço a paz e crio o mal; eu, o SENHOR, faço todas estas coisas”.

Judá, então, ordenou a Onan, seu segundo filho, que cumprisse a lei do levirato suscitando filhos à Tamar, mas ele também era mau e “deixava o sêmen cair na terra”, ou seja, interrompia a relação para evitar a gravidez. Isto era mau perante o Senhor, pelo que Ele também o fez morrer.

Gênesis 38,9-10: “Sabia, porém, Onã que o filho não seria tido por seu; e todas as vezes que possuía a mulher de seu irmão deixava o sêmen cair na terra, para não dar descendência a seu irmão. Isso, porém, que fazia, era mau perante o SENHOR, pelo que também a este fez morrer”.

Mas Tamar não desiste, e vendo que o terceiro filho não lhe seria dado em casamento usa de um estratagema, e, disfarçando-se de prostituta entrega-se a Judá e desta forma consegue engravidar. Judá, desconhecendo a situação, em sua condição de chefe de família sentencia a nora à morte, sem dar oportunidade de defesa e sem o curso de um processo legal, como deveria ter sido feito.

Gênesis 38,24: “Passados quase três meses, foi dito a Judá: Tamar, tua nora, adulterou, pois está grávida. Então, disse Judá: Tirai-a fora para que seja queimada”.

Tamar, porém, não aceita a imposição e revela a Judá sua paternidade através do anel e do cajado que havia tomado como penhor. Judá, então, constrangido pela situação reconhece sua injustiça em não dar a Tamar o seu terceiro filho Selá conforme prometera e a recebe em sua casa sem jamais a possuir novamente.
 Perez, na língua hebraica significa brecha, este capítulo mostra como a coragem e a decisão de Tamar assegurou a ascendência de Jesus através da linhagem davídica. 
Muitas vezes os heróis (e heroínas) da fé usam de artifícios considerados impróprios a nosso ver, mas Deus coloca as coisas desta forma para mostrar que nenhum homem é dono de sua própria salvação e que ninguém será salvo pelas obras da lei. 
 O privilégio ser ascendente de Nosso Senhor não foi dado a pessoas que fizeram por merecer, mas simplesmente a pessoas que foram escolhidas por Deus, esta é uma consequência direta do decreto da predestinação, para que meditemos neste fato e tenhamos consciência que somente a justiça de Cristo pode salvar, nada mais poderá ser acrescentado.
 Romanos 3,28: “Concluímos, pois, que o homem é justificado
pela fé, independentemente das obras da lei”.

Sem esquecer, jamais, que a fé é um dom de Deus e não pode ser considerada como capacidade de obediência evangélica, pois desta forma, ela é transformada novamente em obras.

Confissão de Fé de Westminster, Capítulo XI, Seção I – Deus não os justifica em razão de qualquer coisa neles operada ou por eles feita, mas somente em consideração à obra de Cristo; não lhes imputando como justiça a própria fé, o ato de crer ou qualquer outro ato de obediência evangélica, mas imputando-lhes (somente) a obediência e a satisfação de Cristo…

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário