Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até julho de 2020:
1.277.431
Total de páginas visitadas até julho de 2020:
3.924.272

Mais baixados

Doutrina

Um Sermão Contra o Papado – Thomas Watson

“Portanto, meus amados, fugi da idolatria.” (1 Coríntios 10:14)

Quando eu considero este dito do bendito Apóstolo Paulo: “estou limpo do sangue de todos” (Atos 20:26); e aquilo que o fez dizer isso, foi porque ele nunca deixou de anunciar (aos seus ouvintes então entregues aos seus cuidados) todo o conselho de Deus. Paulo havia sido fiel às Almas das pessoas; ele anunciou a Verdade, e denunciou o Erro. A consideração disso me pôs, neste tempo, sobre a Escritura: “Portanto, meus amados, fugi da idolatria”. A partir da qual, eu irei (pela Divina permissão e assistência) afirmar a verdade da Religião Protestante, contra a Inovação papista; e entre todos os Erros que são feitos contra o Evangelho, nenhum é mais grave, desonroso, nem perigoso, do que a- queles mencionados e definidos em um Conclave Papista: e portanto, havia boa razão pela qual o Apóstolo diria: “Portanto, meus amados, fugi da idolatria”.

A Idolatria brota e floresce na Religião Papista. Deveria ser a oração fervorosa e esforço de cada bom Cristão que nenhum desses fluxos venenosos que fluem a partir da Sé de Roma, possam alguma vez infestar esta Ilha Britânica.

Meu maior e principal propósito neste momento é mostrar-vos alguns poucos dos mui grandiosos Erros que há no Papismo, ou na Religião Papista, e igualmente, fortalecê-lo contra eles.

Dentre muitos outros, existem estes treze grandes Erros no Papado, dos quais todo bom Cristão deve evadir e fugir.

O primeiro Erro é este: Os romanistas sustentam que o Papa é a Cabeça da Igreja: Este é diametralmente e categoricamente oposto à Escritura; em Colossenses 2:9, Cristo é chamado de: Cabeça da Igreja. Agora, fazer do Papa a Cabeça da Igreja é fazer da Igreja um monstro, tendo duas Cabeças. Isto é tornar a Esposa de Cristo em uma Prostituta. Eu leio em Apocalipse 13:1, sobre uma Besta subindo do mar. Pela Besta, aqui os Intérpretes compreendem o místico Anticristo, ou seja, o Papa. Agora, se o Papa é a Besta aqui, e em outro lugar falado; quão ridículo, sim, quão ímpio é fazer da Besta a Cabeça da Igreja de Cristo. Este é o primeiro.

Um segundo Erro, que eu apenas nomearei, é este, que os Papistas asseguram que o Papa está acima da Escritura, e que suas Leis, Decretos e Cânones ordenam mais do

que a Escritura, do que a Palavra de Deus. Bem pode ele ter escrito sobre sua Mitra o  que é mencionado em Apocalipse 13:1: “e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia”. Mas eu adiciono,

O terceiro Erro, é a Missa, que na verdade é Idolatria grosseira; há nela esses dois Erros:

Em primeiro lugar. Transubstanciação: Belarmino, com outros Escritores Papistas, dizem que o Pão da Hóstia após a consagração, transforma-se no próprio corpo de Cristo. Agora, isso é contra a Filosofia, bem como contra a Escritura e a Divindade. Isso é contra a Filosofia, pois isto é claro: se o Corpo de Cristo está no Céu, então ele não pode estar no pão: Mas o Corpo de Cristo está no Céu, Atos 3:21: “O Qual convém que o Céu contenha (falando de Cristo) até aos tempos da restauração de tudo”. Além disso, que o pão no sacramento não se torna no Corpo de Cristo, eu provo assim: os ímpios não recebem a Cristo, 1 Coríntios 2:14. Mas se o pão é o próprio corpo de Cristo, então os ímpios, quando recebem o pão, comem o próprio corpo de Cristo. Essa é uma Opinião tão grosseira, que os mais antigos Pais escreveram contra isso, como Cipriano, Orígenes, Tertuliano, Agostinho e Ambrósio, e muitos outros.

Mas, em segundo lugar. O segundo Erro na Missa é: eles diariamente oferecem a Cristo na Missa. Eu reconheço que existem Sacerdotes nos tempos Evangélicos, e Sacrifícios também, mas eles são espirituais; como o sacrifício da Oração, do Louvor, e um coração contrito e quebrantado. Mas, que ali haja algum oferecimento exterior de Cristo como forma de Sacrifício, é uma blasfêmia contra o Ofício Sacerdotal de Cristo, pois isto supõe que o Oferecimento de Cristo na Cruz não foi perfeito. Isto é notoriamente contrário a cada letra da Escritura. Vejam Hebreus 10:12: “Mas este, (ou seja, Cristo, Deus – homem) havendo oferecido para sempre um único sacrifício pelos pecados, está assentado à destra de Deus”, e no versículo 14 diz-se: “Porque com uma só oblação aperfeiçoou para sempre os que são santificados”. Esta Escritura demonstra a completude dos Sofrimentos e Sacrifício de Cristo, e que agora, não há necessidade de oferecimento de mais Sacrifícios. Este é o terceiro; mas,

Em quarto lugar, um quarto de Erro é: A Doutrina das Satisfações Papistas. Eles sustentam que nós, em nossas próprias pessoas, satisfazemos a justiça de Deus por meio de nossa Penitência, Chicote, Jejum e Esmolas. Conforme o Concílio de Trento, e os Discursos Papistas. Mas, onde há algo assim na Escritura? Ai! O que é a nossa confissão de pecado? Essa não é nenhuma satisfação pelo pecado; se um traidor confessa sua culpa, isso não é uma satisfação, mas antes, um agravamento de sua traição. Ai! Nosso Arrependimento, Jejum, Humilhação, as melhores de nossas ações são manchadas, e

misturadas com muitíssimo pecado; nossa Humilhação é misturada com muitíssimo orgulho, nosso Arrependimento e Confissão, com muita Hipocrisia e Dissimulação. Há muito pecado no melhor de nossos serviços, e o pecado não pode satisfazer o pecado. Esta é a regra segura (e eu oro para que vocês observem isso) que qualquer oferecimento que trazemos a Deus por aceitação, devemos deixar sobre o Altar de Jesus Cristo, pois a Justiça de Deus não aceita nenhuma satisfação, senão por meio e através do Senhor Jesus. E este é o quarto Erro.

Em quinto lugar, um quinto Erro é: Não há distinção entre pecados Mortais e pecados Veniais: Os pecados mortais são assassinato, perjúrio, adultério, e tais semelhantes; estes (eles dizem) merecem a morte e condenação; Os pecados veniais, tais como os pensamentos vãos, raiva imprudente, concupiscência, estes (eles dizem) não merecem a Morte.

Mas, nós dizemos e afirmamos que não há tais pecados como eles chamam de Veniais. É verdade, os maiores pecados sendo arrependidos, são perdoáveis através do sangue de Cristo; mas não há pecado o qual podemos dizer que não merece a morte e condenação. E isso eu provarei por um duplo Argumento.

1. Se o mínimo pecado for (como de fato é) uma quebra e violação da Lei de Deus, então este não é mais venial do que um maior. Mas, o mínimo pecado é uma violação da Lei de Deus; portanto, o mínimo pecado não é mais venial do que um maior. A menor [proposição] é claramente provada a partir de Mateus 5:28: “qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela”. Neste lugar, nosso Salvador faz de um olhar lascivo, uma olhadela impura, ser uma quebra e violação da Lei de Deus.

2 Se o mínimo pecado expõe os homens a uma Maldição, então eles não são mais  veniais do que o maior; mas o mínimo pecado expõe os homens a uma Maldição, como está em Gálatas 3:10: “Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las”. Aquele que falha em um mínimo jota ou i,  esta falha o expõe a uma Maldição. E lembrem-se disso (meus irmãos), que sem arrependimento, Deus provê um grande Inferno para pequenos pecados. Esse é o quinto.

Em sexto lugar, um sexto Erro no Papado é: Sua afirmação da Doutrina do livre- arbítrio. Aquele Golias dos Papistas, Berlarmino, disse que a vontade do homem é inclinável ao bem, e que um homem tem um poder inato para fazer o que é bom. Mas a vontade do homem, sendo corrompida e depravada, não é inclinável para aquilo que é

bom, mas exatamente o contrário. E isso é evidente a partir de nossa própria experiência, se não tivéssemos nenhuma Bíblia para confirmá-la.

Quando o Leme de um Navio está quebrado, o Navio é levado para cima e para baixo, e outra vez, para o lado que o vento sopre: assim é também com a vontade do homem, sendo corrompida. Agostinho, em suas Confissões, diz que, antes de sua conversão, ele se acostumou a roubar frutas, não tanto por amor ao fruto, quanto pelo roubo. Por isso é que os homens são ditos amar o mal (Miquéias 3:2).

Mais uma vez, a vontade, sendo depravada e corrupta, não tem poder inato para fazer o que é bom. Na verdade, os Papistas dizem que o homem tem alguma semente do bem nele; mas a Escritura não o diz. O homem, como Ambrósio bem diz, tem um livre-arbítrio para pecar, mas não sabe como fazer o que é bom.

O pecado suprimiu os ferrolhos de onde a nossa força repousa. Assim, somos ditos ser fracos (Romanos 5:6). Os pecadores são ditos estarem em laço de iniquidade, e assim não em uma postura para correr a Corrida ao Céu. Um homem, por natureza, não pode fazer isso; ele não tem a mínima inclinação e tendência para o que é bom; ele está tão longe de realizar uma boa ação, tanto quanto ele não consegue pensar um bom pensamento. Por isso, é que o homem é dito ter um coração de pedra; ele não pode se preparar para sua Conversão, mais do que uma pedra pode se preparar para a Construção; os homens naturalmente são mortos espiritualmente. Na vontade do homem não há apenas a impotência, mas a obstinação. Por isso, é que os homens são ditos resistir ao Espírito Santo (Atos 7). Mas eu prossigo.

Em sétimo lugar, um sétimo Erro é: as suas Indulgências. Eles dizem que o Papa tem o poder de conceder um perdão e uma Indulgência, por meio da virtude da qual os homens são libertos de seus pecados aos olhos de Deus.

Além da Blasfêmia desta afirmação, que nada mais é, senão um truque astuto e artifício dissimulado para conseguir dinheiro, isto é de fato, o que traz a munição ao Moinho do Papa. Como isso é contrário à Escritura, que diz: “Quem pode perdoar pecados, senão Deus?” [Marcos 2:7].

Esta doutrina da Indulgência Papista é uma chave que destrava e abre uma porta para todo tipo de licenciosidade e impureza; pois, que necessidade as pessoas têm de cuidarem do que fazem, se elas (por meio de seu dinheiro) podem obter um perdão? Sr. Foxe em seu Livro dos Mártires, menciona alguém que ao princípio era um papista, e sendo trazido diante de Bonner, disse: “Senhor, no começo eu era de sua religião, e então

eu não importava sobre como eu vivia, porque eu podia, com meu dinheiro, obter um perdão. Mas agora eu estou persuadido de outra forma e acredito que: Quem pode per- doar pecados, senão Deus?

Em oitavo lugar, um oitavo Erro, A Doutrina dos Méritos: eles dizem que as boas obras expiam o pecado e merecem a glória. Belarmino disse, um homem tem um duplo direito à glória; um pelos méritos de Cristo, e o outro por seu próprio; e para isso ele insiste em 2 Timóteo 4:8: “Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim […]”.

Qual é o Justo Juiz. Ora, Belarmino, diz: Aquele Deus, em justiça, recompensa as nossas Obras, e se ele o faz corretamente e em Justiça, então, certamente eles merecem.

A isso, respondo de duas maneiras:

  1. Deus nos concede em justiça uma recompensa: isto não é pela dignidade de nossa obra, mas pela dignidade de nosso Salvador.
  2. Deus como um justo juiz recompensa as nossas obras, não porque merecemos uma recompensa, mas porque Ele tem prometido um galardão, e por isso é justo em conceder o que Ele prometeu.

Objeção. Mas eles dizem: Deus coroa o nosso trabalho, portanto, eles merecem.

Resposta. Deus (para falar à maneira dos homens) mantém dois Tribunais, um Tribunal de Justiça, e um Tribunal de Misericórdia: Em Seu Tribunal de Justiça, nada pode vir, senão os méritos de Cristo; mas no Tribunal da Misericórdia, nossas obras podem vir. Não, deixe-me dizer-lhes, Deus em livre graça coroa aquelas obras no Tribunal da Misericórdia, as quais Ele condenou no Tribunal de Justiça. Agora, que nós não temos, nem podemos ter méritos por nossas boas obras, eu provarei por um argumento tríplice, e este cordão de três dobras não será facilmente quebrado.

Primeiramente, (e vos suplico que considerem isso) quais méritos na mão de Deus, devem ser um presente que damos a Ele, e não um débito que devemos a Ele? Agora, tudo o que podemos fazer por, ou dar a Deus, é apenas um justo e devido débito.

  • Aquele que mereceria da mão de Deus, deve dar a Deus algo excedente; mas, infeliz- mente, se não conseguimos dar a Deus o básico, como Lhe daremos o lucro? Se não podemos Lhe dar o Lhe é devido, como podemos dar-lhe o excesso?
  • Aquele que mereceria qualquer coisa da mão de Deus, deve oferecer isso a Ele, que é perfeito; mas, então, podemos dar a Deus qualquer coisa que seja perfeita? Não são as nossas melhores ofertas inchadas com orgulho e corrupção?

Amados, Ai do homem vivo mais santo, se Deus lhe pesasse na Balança do Santuário e não lhe concedesse alguns grãos. Concluo isto com aquele ditado de Ambrósio, as boas obras são o caminho, mas não a causa da Salvação. Portanto, quando vocês fizerem tudo, digam que são servos inúteis (Lucas 17.10).

Não há Anjo que possa merecer (pois Ele os atribui loucura [Jó 4.18]), muito menos o homem vil e pecaminoso. Portanto, considerem toda a vossa justiça própria, apenas como excremento e comida de cães. Em uma palavra, não confiem em seus próprios méritos, coloquem a coroa sobre a cabeça de Livre Graça. Esse é o oitavo.

Em nono lugar, o nono Erro da Religião Papista é a doutrina do Purgatório. Há, dizem eles, um lugar intermediário e infernal, chamado de Purgatório. Agora, o que é isto senão um artifício sutil e truque para ganhar dinheiro? Pois, quando eles (especialmente aqueles que são ricos) estão prestes a morrer e fazer os Testamentos, se tão somente eles derem grandes somas de dinheiro, os sacerdotes orarão por eles para que não vão para o Purgatório; ou se o forem, que sejam rapidamente retirados dele. Quão contrário e repugnante é isto à Escritura, que não afirma sobre nenhum lugar Intermediário!

Os ímpios, quando morrem, suas almas vão imediatamente para o Inferno, Lucas 16:23. O homem rico foi sepultado, e no inferno, ergueu os olhos.

É verdade que há um Purgatório nesta vida, e este é o Sangue de Cristo, 1 João 1:7, se nós não somos purgados por este sangue, enquanto vivemos, seremos purgados depois, pelo fogo. Os homens ímpios, quando morrem, não entram em um fogo de purgação, mas de condenação.

E, por outro lado, os crentes quando morrem, passam imediatamente para o Céu, Lucas 23:43: “Ainda hoje estarás comigo no Paraíso”. Cristo Jesus estava nessa hora sobre a Cruz, e estaria instantaneamente no Céu; e o Ladrão penitente estaria com Cristo. Aqui não é mencionado tal lugar como um Purgatório. Os antigos e Ortodoxos Pais  todos foram contra o Purgatório, homens como Crisóstomo, Cipriano, Agostinho e Fulgêncio.

Em décimo lugar, O décimo Erro é, a invocação dos Anjos, uma oração para eles. Esta é uma regra certa, que culto aos Anjos é um culto segundo a sua própria vontade, expressamente proibido na Escritura (Colossenses 2:8).

A distinção deles sobre Mediadores de Redenção e de Intercessão não lhes ajuda; embora oramos (eles dizem) aos anjos como mediadores de intercessão, ainda assim oramos a Cristo como Mediador de Redenção.

Resposta. Jesus Cristo na Escritura não é apenas chamado de Redentor, mas também de um Advogado, e é um pecado fazer qualquer um outro nosso intercessor, senão Jesus Cristo. Que isso é pecado, rezar aos anjos, é claro a partir de muitas Escrituras: Vejam Romanos 10:14: “Como, pois, invocarão aquele em quem não creram?” Observem, nós não podemos orar para alguém, senão para quem nós cremos. Mas, nós não “cremos” em um Anjo, portanto, nós não oramos para um Anjo. Assim, em Hebreus 10:19: “Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus”. A Ele somente deve ser dirigida a oração, por meio de quem temos entrada no Santo dos Santos; logo, é por meio de Jesus Cristo que entramos no Santo dos Santos, portanto, é apenas por meio de Jesus Cristo que oraremos. Este é o décimo.

Décimo Primeiro. Outro Erro na Religião Papista é o seu Culto a Imagens; eles queimam incenso diante da imagem, que é um culto divino à imagem. Ora, isto é diretamente contrário à própria letra do Mandamento (Êxodo 20.4:5). Culto à Imagem, e Culto ao Ídolo são termos sinônimos. Deus diz sobre os ídolos, que eles falam Vaidade (Zacarias 10:2). E não é uma coisa vã adorar as coisas que são vãs, e que falam vaidades? Ninguém pode esculpir uma imagem de um Espírito, quem, então, pode fazer uma imagem daquele que é o Pai dos espíritos? Esta opinião sobre o culto às imagens tem sido condenada e destruída por vários Concílios e os Sínodos.

Décimo Segundo. Outro erro na Religião Papista é: eles negam que Jesus Cristo sofreu as dores do inferno em Sua alma. Na verdade, para dar-lhes o que Lhe é devido, eles agravam as dores do Corpo de Cristo, mas eles negam que Ele sentiu as dores e tormentos do inferno em Sua alma. Esta opinião em muito reduz os Sofrimentos de Cristo por nós, a mesma reduz o Amor de Cristo por nós. Mas, isto é claro: Cristo sentiu as dores do inferno em Sua alma.

Mas quando nós dizemos, Cristo sofreu as dores do inferno em Sua alma, não queremos dizer que Ele sentiu o terror de consciência, como o do condenado; mas queremos dizer que Ele sentiu o que era equivalente a isso, Ele sentiu o peso e dor da ira de Deus. Cristo Jesus sofreu equivalentemente às dores do inferno, para que assim Ele realmente nos libertasse dos tormentos do inferno.

Décimo Terceiro. E, finalmente, outro Erro é este, o Papa (eles dizem) tem um poder de absolver os homens de seus Juramentos. Que triste consequência, e como isso pode ser perigoso para os Estados Protestantes, eu deixo que eles mesmos julguem. Isso

tem sido frequentemente determinado por eruditos Causuítas, que um Juramento uma vez feito (a matéria deste sendo lícita), as pessoas não podem ser absolvidas dele. Porém, nada mais disso importa.

Agora, eu concluirei tudo em uma ou duas palavras de aplicação, e isso será nas palavras de meu texto. Portanto, meus amados, fugi da idolatria, fujam do Papado; afastem-se desta Religião que produz tantos Monstros. E além desses treze erros, considerem breve- mente estas seis ou sete Particularidades:

  1. A religião Papista é uma religião impura, imunda, eles permitem de Prostíbulos a Bórdeis por dinheiro: além disso, alguns dos próprios Papas têm sido acusados de Sodomia e Simonia.
  2. Ela é uma religião supersticiosa; o que aparece em seu Batismo de Sinos, e seu uso de Sal, Cuspe e Cruz no Batismo; de fato Paulo gloriou-se e regozijou-se na Cruz de Cristo. Paulo tinha o Poder da Cruz em seu coração, não o Sinal da Cruz em sua testa. É uma indizível indignidade e desonra a Jesus Cristo, usar isso em Sua adoração, o que Ele nunca instituiu.
  3. O Papado é confirmado por meio do engano e mentira: Como eles desmentiram tanto Calvino e Lutero. Eles disseram de Lutero, quando ele morreu, que demônios foram vistos dançando em volta dele, e que ele morreu com muito horror e desespero, enquanto ele partiu do mundo serena e docemente, suas últimas palavras foram aquelas de nosso bendito Salvador: Pai, em Tuas mãos entrego o meu espírito.
  4. A religião Papista é uma religião superficial, carnal, que consiste em coisas exteriores, como Chicote, Jejum, Adulação: Não há nada de Vida e Espírito em seu Culto, é apenas um esqueleto e carcaça; não há nada de Alma e Espírito nele.
  5. A religião papista é uma religião não edificante, ela não edifica os homens em sua santíssima fé, ela não progride a obra de santificação; há mais de Pompa do que de Pureza nela.
  6. Ela é uma religião cruel, é mantida e propagada por sangue e crueldade. O Papa quer ter a Espada de São Paulo, bem como chaves de São Pedro; e o que ele não pode manter por obrigação e força de Argumento, isto ele se esforçará para manter pela força das Armas. Em uma palavra, a Igreja Romana é uma Meretriz Púrpura, tingida com o sangue dos Santos e dos Mártires.
  7. E, por último, a religião Romanista é uma religião de autocontradição. Um de seus Cânones diz que um homem (em alguns casos) pode tomar o Sacramento da mão de um Herege; em outro Cânon, ele não pode. Um erudito e perspicaz escritor observa mais de cem Contradições na Religião deles. Por isso, mais uma vez eu pressiono as palavras do meu texto: Portanto, meus amados, não, deixem-me dizer, meus queridos amados, fujam da idolatria.

Para encerrar tudo, permitam-me exortar-vos a estas duas ou três coisas:

Primeiro. Segurem firme a Doutrina da verdadeira Religião Protestante Ortodoxa: o próprio pó desse ouro é precioso. Guardem todos os Artigos da Fé Cristã; se você abandonar um Artigo fundamental da sua Fé, você arrisca a sua Salvação. Quando Sansão derrubou apenas um pilar, imediatamente todo o edifício caiu: assim, se vocês destroem um Pilar, se vocês abandonam uma Verdade Fundamental, vocês arriscam tudo.

Em segundo lugar, anunciem a profissão da Religião Protestante, eu digo: não apenas se apeguem à Doutrina da Religião Protestante, mas exponham a Profissão da Religião Protestante: Não se envergonhem de usar as Cores de Cristo. Cristãos, lembrem-se desta única coisa: aquelas pessoas que têm vergonha de Cristo, são uma vergonha a Cristo. A religião que exorto-vos a fugir, é uma inovação; a que eu vos pressiono a permanecer é uma verdade; ela é conforme a Escritura; ela é construída sobre o fundamento dos Profetas e Apóstolos, e tem sido selada pelo sangue de muitos santos e mártires.

Em terceiro lugar, e por último, não apenas apeguem-se, e anunciem, mas também adornem a Religião Protestante: esta é a santa exortação de Paulo a Tito, Tito 2:10: “[…] sejam ornamento da doutrina de Deus, nosso Salvador”. Adornem a Religião com santa Conversação. Não há nada que endurece Papistas tanto quanto a devassidão dos Protestantes. Portanto, adornem a sua santa Religião com uma santa conversação. Façam como fez Cristo, sigam em Suas pisaduras; façam de Seu Salvador o vosso padrão. Deixem-me assegurar-lhes, eu mal posso pensar que realmente acreditam em Cristo, aqueles que realmente não obedecem a Cristo. A santidade dos Cristãos Primitivos muito propagou o Cristianismo. E, isso é o que vos rogo que levem para casa convosco: Apeguem-se e anunciem a Religião Protestante e a adornem com uma Santa e Bíblica conversação; e quando não me ouvirem Pregando para vocês, ainda assim, rogo-vos que ouçam esta boa Palavra falando convosco: Por isso meus amados, fugi da idolatria.

Considerem o que tem sido dito, e que o Senhor torne isso proveitoso para todas as vossas Almas.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário