Aviso

Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: “Julgai todas as coisas, retende o que é bom”. Louvado seja Deus!

ESTATÍSTICAS

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até outubro de 2019:
1.157.865
Total de páginas visitadas até outubro 2019:
3.267.612

Mais Baixados

Doutrina

Uma Descrição da Verdadeira Bem-Aventurança – Christopher Love

Uma Descrição da Verdadeira Bem-Aventurança

Christopher Love

“Mas ele disse: Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam” (Lucas 11:28)

Na obscura humanidade de Jesus Cristo, rompeu um brilho tão glorioso de Sua Divindade que, embora quanto à Sua pessoa, Ele foi considerado desprezível e rejeitável, ainda assim as palavras que Ele falou e as obras que Ele fez declaram-No nada menos do que o Filho de Deus. As palavras que Ele falou declaravam isso, Seus inimigos fazendo-se de juízes: “Responderam os servidores: Nunca homem algum falou assim como este homem” (João 7:46). E as obras que Ele fez, os milagres que Ele operou, deles, é dito que “Desde o princípio do mundo nunca se viu que alguém assim fizesse”. Como sobre a Sua cura do cego de nascença, dizem eles, “nunca se ouviu que alguém abrisse os olhos a um cego de nascença” [João 9:32].

Seus milagres causaram admiração nos corações, mesmo daqueles homens em quem Ele provocou inveja. O milagre operado neste capítulo, a desapropriação do demônio de um homem que era mudo, fez com que a fama de Cristo tivesse grande renome em muitas partes do mundo. E apesar de tudo isso, Seus inimigos não reconheciam a Divindade de Cristo, mas uma certa jovem (como pode ser obtido a partir da história) veio e levantou a voz e disse-lhe: “Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste” [Lucas 11:27]. Agora Cristo, em vez de agradecer-lhe por aplaudi-Lo, prefere dá-lhe uma repreensão, uma contenção, e disse: Eu lhe direi quem são bem-aventurados; “Antes bem-aventurados os que ouvem a Palavra de Deus e a guardam” [Lucas 11:28]. Assim, vocês têm a coerência das palavras.

O discurso da mulher era um dito proverbial entre os judeus. Quando qualquer pessoa fazia alguma realização que havia sido louvável, eles gritariam e diriam: “Bem-aventurado o ventre que te trouxe”. E a partir deste discurso proverbial gostaria de observar o seguinte: Bons filhos são um grande louvor e bênção a seus pais. Esta mulher poderia bendizer a mãe de Cristo, que deu à luz um filho assim como Ele era. Salomão diz: “O filho sábio alegra a seu pai” (Provérbios 15:20). E em muitos outros lugares vocês leem que grande bênção e honra derivam para os pais a quem o Senhor tem abençoado com filhos sábios e piedosos. E, no contrário, a Escritura assinala com uma marca de censura aqueles pais que trazem crianças ímpias ao mundo, filhos para aumentar o número dos condenados, para encher o inferno e contaminar a terra. Por isso é que tantas vezes

lemos nas Escrituras que um filho ímpio é uma vergonha para os seus pais (Provérbios 10:1,5).

A aplicação é para ensinar vocês, a quem Deus abençoou com um filho, para que sejam extremamente gratos a Deus, pois ele é uma bênção maior para vocês do que se Deus enchesse a vossa casa com prata e ouro. E vocês, a quem Deus tem assim afligido, em suportar filhos maus saídos de seus lombos, ó, clamem sob a mão pesada de Deus por Ele vos ter feito instrumentos para trazer filhos ao mundo que devem aumentar o número de condenados no inferno.

Isto muito a partir do discurso da mulher que disse: “Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste”. Mas Cristo disse: “Antes bem-aventurados os que ouvem a Palavra de Deus e a guardam” [Lucas 11:28]. Ele não diz que sua mãe não era bem-aventurada, mas que a mulher não poderia louvar a Sua mãe, ao pensar que ela era tão bem-aventurada apenas por carrega-Lo no ventre. Portanto Ele diz: Eu lhe direi quem é de fato o homem e mulher bem-aventurados, “os que ouvem a palavra de Deus e a guardam”. Cristo não quis ceder ao seu aplauso, mas Ele deu a ela uma repreensão suave e amorosa.

Disso observa-se que vocês devem tomar cuidado para que não estejam agradados com o orgulho quando ouvirem vocês mesmos sendo elogiados. Cristo não cederia ao elogio da mulher. Ela pensou que a virgem Maria era a mulher mais feliz em todo o mundo, mas Cristo coloca um “antes” sobre aqueles que conscientemente ouvem a Palavra de Deus e a guardam. Um crente ouvindo e obedecendo a Jesus Cristo é mais abençoado ao fazê-lo do que a virgem Maria foi apenas ao trazer Cristo ao mundo, embora tenha sido o nascimento mais feliz que alguma vez já fora realizado! Ó, como isso deve ser um estímulo para quem vocês ouçam e pratiquem o que ouvem, já que ao fazê-lo vocês são, assim, bem-aventurados!

Agora, observarei algo da maneira ou forma de expressão que Cristo usa aqui. Não é dito, “Bem-aventurados os que ouvem a Palavra de Deus”, pois, há muitos tipos de ouvintes que carecem de bem-aventurança. Mas, bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam, que a incorporam em suas almas e tornam-se transformados em sua imagem. Há quatro tipos de ouvintes citados em Mateus 13, e três deles carecem de bem- aventurança. Todos ouvintes, embora seja a Palavra de Deus que eles ouçam, não alcançam a bem-aventurança. Não é o ouvir, mas guardar e observar a Palavra de Deus que torna os homens bem-aventurados.

Observe mais uma vez que não é dito, “Bem-aventurados os que creem”. Embora seja de

fato uma verdade que todos os verdadeiros crentes são bem-aventurados, ainda não é assim dito que a fim de que os homens pensem que um mero crer é o suficiente para torna-los bem-aventurados, ou para que eles não pensem que eles estão para além do ouvir, orar, ou receber, que são as vaidades aspirantes de muitos nesta época.

Nem é dito, “bem-aventurados os que guardam a Palavra de Deus e uma separação ao ouvir”, mas, “juntamente com o ouvir. Bem-aventurados são aqueles que ouvem e guardam”. Muitos homens fingem uma grande perfeição de vida e conversação em guardar o que Cristo ordena, mas isto é uma separação do ouvir; eles deixam de fora o ouvir a Palavra. Mas, na estima de Jesus Cristo, somente aqueles que ouvem e guardam a Palavra de Deus são bem-aventurados.

Mais uma vez, não é dito, “Bem-aventurados serão vocês que ouvem e guardam a Palavra de Deus”, mas: “Bem-aventurados são vocês” para mostrar que vocês não devem ser bem-aventurados apenas quando vierem para o céu, mas que vocês são bem- aventurados ao fazê-lo, enquanto estão aqui na terra. “Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna” (Romanos 6:22). Você tem o seu fruto, ó homem, se você é um homem santo, mesmo antes de ir para a vida eterna.

Novamente, não se diz: “Bem-aventurados são vocês que ouvem e guardam”, mas, “se vocês ouvem a Palavra de Deus e a guardam”. Vocês podem ouvir os homens que pregam erros condenáveis, e guarda-los rapidamente em seu coração. Mas, neste caso, está mais perto de uma maldição do que de uma bênção. Os homens podem ser seguidores de sermões, mas se esses sermões que ouvem e praticam não estão de acordo com a Palavra de Deus, não são fundamentados nas Escrituras, eles estão sob uma maldição e não sob uma bênção pelo que ouvem. Portanto, o Espírito Santo aqui diz: “Bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam”. Isto deveria ensinar aos homens como eles ouvem, quem eles ouvem, e o que ouvem, para que eles não ouçam nada, senão a Palavra de Deus, e em seguida, guardem o que eles ouvem.

Lemos sobre mestres os quais introduzirão encobertamente heresias de perdição, e que muitos seguirão as suas dissoluções. “E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade. E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita” (2 Pedro 2:1-3). Agora, não são bem-aventurados aqueles que ouvem homens que trazem

tais heresias de perdição. A Escritura não vincula bem-aventurança a todos os ouvintes, mas aos que ouvem a Palavra de Deus e a guardam.

Novamente, não é dito, “Bem-aventurados também”, mas “antes, bem-aventurados”. Cristo não diz: “Minha mãe é uma mulher bem-aventurada, e também são bem-aventura- dos aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a guardam”. Mas Cristo vem com um “antes”. É como se ele tivesse dito: “Eu considero estes homens e mulheres mais bem- aventurados do que Minha própria mãe, meramente tendo sido o instrumento que Me trouxe ao mundo”. Ó, como esta consideração deveria inflamar seus corações, e estimulá- los a uma audiência diligente da Palavra de Deus, e a uma prática consciente do que vocês ouvem? Não há a frase semelhante a esta em toda a Bíblia.

Não é dito, “mais bem-aventurados são os que ouvem as Minhas palavras e Minhas declarações”. Isto é dito assim em alguns outros lugares, mas aqui é dito, “aqueles que ouvem a Palavra de Deus”. Pois se Cristo dissesse: “mais bem-aventurados são os que ouvem a Minha Palavra”, então as pessoas teriam pensado que Cristo imputava a bem- aventurança apenas à Sua própria pregação, e para aqueles que pessoalmente O ouviram pregar. Por isso Cristo disse: “Antes, bem-aventurados são aqueles que ouvem a Palavra de Deus”, seja ela pregada por Pedro, Paulo ou Apolo, por qualquer discípulo vivendo agora ou por qualquer ministro do Evangelho que viverá posteriormente até o fim do mundo.

“Todo aquele que ouve a Palavra de Deus contida na Escritura, Antigo e Novo Testa- mento, e a guarda, são mais bem-aventurados do que Minha mãe foi, sendo ela considerada apenas como um instrumento para trazer-Me ao mundo”. E nesta expressão há uma secreta glória ou honra colocada sobre os ministros do Evangelho de Jesus Cristo, que não limitaria a bênção à Sua própria pregação, mas a estende à Palavra de Deus que sai da boca de qualquer ministro. E essa é a razão (como muitos pensam), daquilo dito na Escritura: “Aquele que crê fará obras maiores dos que as que Cristo fez”. Isto não significa as obras de redenção, mas as obras ministeriais, de forma que um ministro fiel converterá mais almas dos que as que Cristo converteu por meio de Seu ministério. Cristo, poderia ter convertido todos os que O ouviram, mas Ele não o fez, para que os homens não pensassem eles não deveriam ouvir ninguém, senão Cristo.

Não lemos sobre muitos que foram convertidos pela pregação de Cristo. Houve mais convertidos por Pedro e outros apóstolos do que pelo próprio Cristo. Cristo fez isso para que as pessoas não desprezassem nenhum dos Seus ministros ordinários. Se Cristo tivesse convertido mais do que todos os discípulos, as pessoas, então, poderiam ter menosprezado os discípulos e seguido apenas a Cristo. Esta destemperança começou a

crescer nos dias dos apóstolos: “Quero dizer com isto, que cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu de Apolo, e eu de Cefas, e eu de Cristo” (1 Coríntios 1:12). O apóstolo os culpa por dizer: “Eu sou de Cristo”.

O significado não é que os homens eram censuráveis por seguirem o amor de Cristo. Deus me livre! É nosso dever mais elevado fazer assim, mas havia alguns na igreja de Corinto que estavam prontos para dizer: “Eu não me importo com a pregação de Paulo, ou Apolo, mas apenas em ouvir a Jesus Cristo”. Este foi um vão e pecaminoso clamor por Cristo. Assim, os homens clamarem por Cristo, pela pregação de Cristo e ao mesmo tem- po depreciarem o ministro, é pecado; e Cristo nunca intencionou que isso fosse pregado [somente] por Ele mesmo, pois Cristo disse: “Bem-aventurados são os que ouvem a Palavra de Deus e a guardam”. Seja isto pregado por qualquer ministro fiel, seja quem for.

Novamente, não é dito: “Bem-aventurados são aqueles por ouvirem e por guardarem”, mas “Bem-aventurados são os que ouvem a palavra de Deus e a guardam”. A bem-aven- turança nunca vem com um “por”, mas com um “se” ou um “que”. O Senhor não abençoa vocês por ouvirem, embora vocês ouçam tantos sermões quantos são os dias do ano. Mas, Ele abençoa aqueles que ouvem em obediência aos Seus mandamentos, e praticam o que ouvem. Assim, vocês têm oito observações a partir da forma do discurso que Cristo aqui utilizou.

Agora mostrarei o que se entende por guardar a Palavra de Deus que nós ouvimos. Há um duplo guardar da Palavra de Deus:

Em primeiro lugar, há um guardar disso em sua memória. “Mas Maria guardava todas estas coisas, conferindo-as em seu coração” (Lucas 2:19). Ela as guardava em sua memória. Nossas memórias devem ser como a arca em que o vaso de maná foi guar- dado. O pote de maná são as verdades divinas; estas devem ser mantidas em segurança em nossas memórias. Mas este não é o guardar que se fala aqui, pois há muitos homens que têm boas memórias para guardar o que ouvem, e ainda não têm nem bons corações ou uma boa vida, e, portanto, não são bem-aventurados por seu guardar.

Em segundo lugar, há uma manutenção da Palavra em sua prática, e isso é feito quando há uma consciente atenção para moldar as suas vidas e conversações conforme o que vocês ouvem ou conhecem. Agora, bem-aventurados são vocês que ouvem a Palavra de Deus e, assim, a guardam.

E, assim, eu evidenciei todas as dificuldades que podem aparecer nas palavras. A observação é a seguinte: São mais bem-aventurados aqueles que ouvem a Palavra de

Deus, e praticam o que ouvem, do que a mãe de Jesus Cristo foi por trazê-Lo ao mundo. É um ponto, eu confesso, que bem merece um exame, e se não fosse a Bíblia, teria sido incrível que Cristo houvesse colocado um “antes” sobre você, ó homem, ou mulher, em todas as épocas do mundo, que ouvirem a Palavra de Deus e a guardam.

É importante notar que um termo diferente é usado pela mulher no texto e Isabel, que era parenta da virgem Maria. A mulher no texto disse: “Bem-aventurado o ventre que te trou- xe, e os peitos que mamaste”. Mas Isabel clamou: “Bem-aventurada a que creu” (Lucas 1:45). Sobre estas palavras, um erudito autor fez uma boa observação: “Se na virgem Maria, Cristo não tivesse nascido em seu coração pela fé, bem como em seu ventre, ela não teria sido bem-aventurada, pois Isabel declara aqui em que a bem-aventurança da virgem Maria, e de todos os eleitos, consiste”.

Agora, como isso refutaria a caducidade da igreja de Roma, que tão excessivamente exalta a virgem Maria? Eu li um pouco de alguns autores papistas, e eu encontrei que para um tratado sobre a dignidade e glória de Cristo, eles escreveram muitos sobre a dignidade da virgem Maria. E eles relatam histórias e tolices estranhas a respeito dela, como nunca foi ouvido no passado, idolatricamente promovem a pessoa dela. Eles dizem que ela estava livre do pecado original, ao passo que a Escritura diz expressamente que todos os que descendem de Adão estão contaminados com a corrupção original e, portanto, a virgem Maria o é também, sendo uma filha de Adão.

Os papistas falam mais honrosamente da virgindade, dignidade e santidade da virgem Maria, a mãe, do que eles falam da Justiça, Graça e Méritos de Cristo, o Filho. E, por- tanto, eles apegam-se à “justificação pelas obras”, e não pela fé na Justiça de Cristo. Sim, eles tanto honram a virgem Maria que fazem dela a maior “mediadora” ao lado de Deus Pai. Um homem pode pensar que é desnecessário ensinar contra a doutrina papista, mas os ministros nunca tiveram mais razão para isso do que agora. Pois nunca houve mais probabilidade da disseminação do papado do que nestes dias onde, sob a noção de maldita tolerância, padres e jesuítas publicam seus princípios blasfemos e idólatras, e prosseguem em seus projetos jesuíticos.

E Deus sabe quão em breve vocês não irão colocar o seu pescoço sob o jugo de Cristo para ser trazido debaixo do jugo papista. Isso eu posso dizer por experiência própria, de forma que eu nunca encontrei tantos a cambalear para o papado como nos últimos tempos. Aqueles que professavam a religião protestante estão surpreendendo e apostatando de sua antiga profissão e alianças solenes, e Deus sabe em quanto tempo eles preferirão a virgem Maria a Jesus Cristo. Mas espero coisas melhores de vós. Por isso vou passar disso, e venho para as razões da questão, que são estas:

  1. São mais bem-aventurados os que ouvem e guardar a Palavra de Deus do que a virgem Maria foi por trazer Cristo ao mundo, porque Cristo considera os tais como permanecendo em mais múltiplas relações próximas a Ele do que Seus próprios amigos naturais tinham. “Mas, respondendo ele, disse-lhes: Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a executam” (Lucas 8:21). Eis aqui é a correta maneira de ser trazido para um relacionamento próximo com Cristo, tornando-se semelhante a Jesus Cristo, sendo considerado irmão, irmã e mãe de Jesus Cristo, e isto é por ouvir e obedecer à vontade de Cristo.
  • Sua bênção aparece nisto, porque se vocês ouvem e praticam, vocês perseverarão até o fim, enquanto outros devem apostatar e cair da fé. “Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e comba- teram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha. E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia; E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda” (Mateus 7:24-28).

Somente perseveram aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a guardam; somente eles têm suas almas edificadas sobre a rocha, e permanecem inabaláveis no tempo da perse- guição. Na verdade, eles podem cair, e abominavelmente também (como Davi, Pedro e muitos outros preciosos santos fizeram), por meio da violência das tentações de Satanás e da corrupção restante que há neles, mas, eles nunca cairão final e irremediavelmente, porque estão edificados sobre a rocha que nunca pode cair; eles estão edificados sobre uma rocha que nunca pode ser removida, e esta rocha é Cristo, que ao mesmo tempo é o autor e consumador de sua fé (Hebreus 12:2). E Ele orou para que a fé deles não desfalecesse totalmente (Lucas 22:32). E isso Ele obteve, portanto, apesar de surgirem  as tempestades e ondas, eles nunca cairão irremediavelmente. Os outros caem, e arruínam-se quando surgem os ventos e as tempestades.

  • O Senhor faz promessas gloriosas para os tais que ouvem a Palavra de Deus e a guardam. “Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo” (Apocalipse 1:3). Aqui vocês veem que aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a guardam, ou seja, depositam-na em seus corações e expressam o poder dela em suas vidas, são bem- aventurados.
  • Ao praticar o que vocês ouvem na Palavra, vocês podem trazer outros à bem- aventurança; e felizes são vocês que são instrumentos para trazer outros ao céu.

“Semelhantemente, vós, mulheres, sede sujeitas aos vossos próprios maridos; para que também, se alguns não obedecem à palavra, pelo porte de suas mulheres sejam ganhos sem palavra” (1 Pedro 3:1). Assim, “Tendo o vosso viver honesto entre os gentios; para que, naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, glorifiquem a Deus no dia da visitação, pelas boas obras que em vós observem” (1 Pedro 2:12). A sua conversa piedosa pode ser um meio para trazer outros ao céu.

  • Se vocês conscientemente praticam o que ouvem, vocês são bem-aventurados porque (embora vocês não possam levar os outros para o céu) vocês mesmos certamente chegarão ao céu, seguramente chegarão à bem-aventurança. “Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus. E ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os seguem” (Apocalipse 14:12-13). Ó, vocês que conscientemente guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus, vocês certamente irão para o céu, embora vocês não tragam nada consigo mesmos, mas apenas vocês mesmos. Foi uma frase notável de um dos pais que, quando uma vida evangélica vai adiante, uma vida angélica seguirá depois. Ó, portanto, conscientemente pratiquem o que vocês ouvem e conhecem.

Agora eu chego à aplicação:

USO DA LAMENTAÇÃO. Se for assim, que aqueles que ouvem e guardam a Palavra de Deus são mais bem-aventurados do que a virgem Maria foi apenas por trazer Cristo ao mundo, não deveria, então, ser uma lamentação que os homens não buscam a bem- aventurança quando podem obtê-la por meio de termos fáceis? Se Deus dissesse: “Eu te abençoarei se você remover montanhas, se você cumprir a Minha lei em cada “jota” e “i” da mesma”, isto seria, de fato, obra impossível de ser efetuada. Mas Deus disse: “Bem- aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam”. Portanto, se vocês não prati- cam o que ouvem, vocês recusam a sua própria misericórdia. O Diabo não poderia conde- nar vocês, se vocês não condenassem a si mesmo. Tu, ó homem que tem um coração obstinado, que (deixe o pregador dizer o que ele quiser) fará o que você deseja, que faz pouco caso do que ouve, e pouca consciência em praticar o que você ouve, é indesculpável.

Agora, para levar para casa esta aplicação, observem estas cinco considerações:

  1. Seu ouvir. Se vocês não praticam o que ouvem, agravarão a sua condenação em breve. “Se eu não viera, nem lhes houvera falado, não teriam pecado, mas agora não têm desculpa do seu pecado” (João 15:22). A culpa admite alguma atenuante onde não há conhecimento da falha; é um pecado muito mais condenável ao conhecer da lei de Deus,

do que ser ignorante da lei de Deus. Aqueles que pecam contra o conhecimento, não têm disfarce ou desculpa pelo seu pecado. “E o servo que soube a vontade do seu senhor, e não se aprontou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites” (Lucas 12:47). Em Isaías 13, lemos sobre muitas nações e pessoas contra quem o Senhor ordena o profeta denunciar uma profecia penosa.

Mas em Isaías 22, lemos sobre o “peso do vale da visão”, ou seja, de Jerusalém; e observa-se que esse fardo era o mais pesado dentre todos os outros, nenhum fardo é tão pesado quanto o do vale de visões. Era um lugar onde o conhecimento existia, onde a pregação existia; portanto, esse fardo era mais pesado do que contra a Babilônia, Tiro, Damasco e todo o restante. Embora os outros homens que vivem na parte americana do mundo devam ir para o inferno por sua desobediência, ainda assim lembrem-se, que vocês que vivem na Inglaterra, onde o Evangelho é professado e pregado, devem ir para o inferno com uma carga mais pesada em sua consciência do que aqueles que não têm o Evangelho. Vocês serão condenados com uma testemunha, os que ouvem a Palavra de Deus e não fazem nenhuma consideração de praticar o que ouvem e o que conhecem.

Isto faria alguém ficar surpreso ao ler essa passagem: “Derrama a tua indignação sobre os gentios que não te conhecem” (Jeremias 10:25). Agora, se a fúria do Senhor é derra- mada sobre os miseráveis ignorantes pagãos que não conhecem a Deus, que não têm os meios de conhecimento, que não ouvem o Evangelho de Cristo, o que será derramado sobre os chamados cristãos que não conhecem a Deus? Mas, acima de tudo, que fúria e vingança inexprimíveis serão derramadas sobre os chamados “cristãos” que pecam  contra o conhecimento de Deus, que pecam contra a luz que brilha claramente diante de seus olhos, que pecam contra uma consciência despertada e convencida? Se algum lugar no inferno é mais quente do que o outro deve ser para eles, pois é um pecado muito mais condenável [para o] conhecedor da lei de Deus, do que ser ignorante da lei de Deus; a- queles que o pecam contra o conhecimento, não têm desculpa nem disfarce de seu pecado.

  • Considerem: vocês estão vazios do amor a Deus, se não praticam o que ouvem. “Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado” (1João 2:5).
  • Considerem: Deus olha para a sua profissão como em nada válida, a menos que vocês pratiquem o que vocês ouvem. Na aritmética, mesmo colocando tantos zeros juntos eles não somam nada, mas coloquem um algarismo junto, e em seguida, faz-se uma grande soma. Assim, jamais façam tantas orações e jamais ouçam tantos sermões, ainda assim tudo permanece apenas como zeros, a menos que vocês juntem isso com um curso de vida consciente, de acordo com o que vocês ouvem e com o que vocês oram.

Considere, você (que tem sido um professo por tanto tempo) gostaria que Deus olhasse para você como tendo sido um homem profano toda a sua vida? Deus olha para você, como tal, se você não pratica o que você ouve e conhece: “Eram, porém, os filhos de Eli filhos de Belial; não conheciam ao Senhor” (1 Samuel 2:12). Eles não conheciam a Deus? Certamente conheciam! Por sua educação eles tinham um conhecimento especulativo de Deus e de Sua lei, pois eram sacerdotes do Senhor, e Deus não escolheria homens ignorantes como Seus sacerdotes. Mas eles não tinham conhecimento prático, eficaz e salvífico de Deus, pois eram homens de vidas e conversas ímpias, e, portanto, Deus olhou para o seu conhecimento como nenhum conhecimento, e para a sua profissão [de fé] como uma profissão vã.

Assim, “Os sacerdotes não disseram: Onde está o Senhor? E os que tratavam da lei não me conheciam, e os pastores prevaricavam contra mim, e os profetas profetizavam por Baal, e andaram após o que é de nenhum proveito” (Jeremias 2:8). “Não Me conheciam”. Deus não considerava o conhecimento que eles tinham dEle, porque eles transgrediram contra Ele. Lembre-se, Deus considerará o seu ouvir como nenhum ouvir, a sua oração, como nenhuma oração, o seu recebimento dos sacramentos como nenhum recebimento, se você não obedecer conscientemente ao que você ouve.

  • Você não pode ter uma boa persuasão, nem descobrir em sua alma o amor de Deus por você, a menos que você guarde conscientemente o que você ouve. “Se me amais, guardai os meus mandamentos” (João 14:15). E, portanto, você encontra nas Escrituras que o amor de Deus é frequentemente unido à observância dos mandamentos de Deus: “E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos” (Êxodo 20:6). Ambos são colocados juntos para mostrar que onde há um amor de Deus, haverá um guardar de Seus mandamentos.
  • Se não praticarmos conscientemente o que ouvimos, provocaremos o Senhor para levar o Evangelho para longe de nós. “E sucederá que, naquele dia, diz o Senhor Deus, farei que o sol se ponha ao meio-dia, e a terra se entenebreça no dia claro” (Amós 8:9). E, no versículo 11: “Eis que vêm dias, diz o Senhor DEUS, em que enviarei fome sobre a terra; não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do SENHOR”. Lembrem-se, Deus tirará a Palavra por nosso não proveito pelo que ouvimos. “Portanto, eu vos digo que o reino de Deus vos será tirado, e será dado a uma nação que dê os seus frutos” (Mateus 21:43). Pelo reino de Deus devemos entender o Evangelho, a Palavra de Deus e o ministério dos mesmos; isto vos será tirado e será entregue a outros, se vocês não produzirem os seus frutos.

E aqui podemos ler tanto o nosso pecado e julgamento. Pois se alguma vez qualquer povo do mundo foi culpado de aridez e esterilidade sob os meios de Graça, nós somos esta nação. Nós temos sido exaltados para o céu, e, assim, podemos justamente esperar ser lançados no inferno. Agora, para despertar as vossas consciências, devo, em primeiro lugar, estabelecer algumas manifestações de que somos extremamente culpados de esterilidade sob os meios de Graça. E que, portanto, em segundo lugar, estamos em grande perigo de ter o Evangelho removido de nós, e será dado a uma nação que produzirá os seus frutos. Que nós somos culpados de esterilidade sob as ordenanças do Evangelho evidencia-se:

  1. Pelas tristes queixas que os mais frutíferos estoques e plantas no jardim de Deus fazem, elas com tristeza e gemido de coração reclamam de sua esterilidade sob as ordenanças do Evangelho. Agora, se as árvores de justiça do plantio do Senhor, na vinha do Senhor, reclamam que eles não dão fruto, certamente, então, as árvores da floresta são estéreis. Se as árvores do jardim de Deus não dão fruto, o que podem fazer as árvores do deserto? Se o povo do Senhor sentar e lamentar porque não se encontra nenhum fruto apropriado neles, que motivo, então, tem o ímpio do mundo para reclamar, cujos corações permanecem tão duros como a mó inferior, não obstante todo o orvalho celeste que ao longo do tempo cair sobre eles?
  • Isso aparece pelas tristes queixas dos lavradores de Deus, os ministros de Jesus Cristo, que discernem apenas pouco fruto evidente após todo o seu trabalho, pouco sucesso na atenção ao seu ministério evangélico. Por isso, eles se deitam em suas camas em tristeza, e com sofrimento de espírito reclamam, como Pedro, que eles haviam pescado a noite toda, mas não pegaram nada, que lavram em cima de pedras e quebraram seus instrumentos, mas não conseguiram quebrar o coração dos homens, que eles usam as suas próprias vidas, consomem seus próprios pulmões, mas não podem consumir as concupiscências. E, assim, eles se queixam com o profeta (na pessoa de Cristo): “Eu tenho trabalhado em vão” (Isaías 49:4).
  • Isso se evidencia pela comparação dos nossos tempos com o tempo em que o Evangelho foi primeiramente plantado. Cristo diz: “E, desde os dias de João o Batista até agora, se faz violência ao reino dos céus, e pela força se apoderam dele” (Mateus 11:12). Naqueles dias, os homens usaram uma santa violência nos caminhos da religião, mas onde é que esta violência pode agora ser encontrada? Quando os setenta discípulos tiveram a comissão de Cristo para pregar o Evangelho, foi dito que eles saíram pregando a Palavra (Lucas 10:18). E o que se segue? Deus estava com eles, e muitos foram convertidos, e “Satanás, como raio, caiu do céu” (Lucas 10:18).

O ministério deles teve um mais glorioso sucesso. E é dito (o que é uma profecia dos primeiros momentos da pregação do Evangelho), “Amplia o lugar da tua tenda, e estendam-se as cortinas das tuas habitações” (Isaías 54:2). Como se não houvesse espaço suficiente para os homens convertidos, por isso, “amplia o lugar da tua tenda”, o que refere-se aos Gentios em sua primeira conversão. E, disse o apóstolo: “Alegra-te, estéril, que não dás à luz; Esforça-te e clama, tu que não estás de parto; Porque os filhos da solitária são mais do que os da que tem marido” (Gálatas 4:27). E diz-se: “E a mão do Senhor era com eles; e grande número creu e se converteu ao Senhor” (Atos 11:21).

Sim, três mil foram convertidos através de um sermão de Pedro, ao passo que agora três mil sermões dificilmente convertem uma alma para Cristo. E, o profeta diz: “O teu povo será mui voluntário no dia do teu poder; nos ornamentos de santidade, desde a madre da alva, tu tens o orvalho da tua mocidade” (Salmos 110:3). O significado dessas palavras: “desde a madre da alva, tu tens o orvalho da tua mocidade”, é isto: os convertidos após a primeira pregação do Evangelho devem ser tão numerosos quanto as gotas de orvalho sobre a relva na manhã. Mas hoje em dia a conversão das almas, o trazer os homens a Jesus Cristo, não é tão numeroso quanto as gotas de orvalho, mas tão raro quanto as pérolas e diamantes.

  • Parecerá que existe uma aridez geral sob todos os meios de Graça, porque nestes dias mais pessoas são pervertidas da verdade e simplicidade do Evangelho do que são convertidas pelo poder e eficácia do mesmo. A conversão que é efetuada hoje em dia é apenas um poder sobre as cabeças dos homens, não sobre os seus corações; isso opera neles apenas fantasias e noções, não piedade prática. Eles são como a lua (não como o sol), cuja influência oferece luz, mas não calor. A Palavra, isso pode ocorrer, recupera-os da embriaguez na prática, mas o Diabo os torna bêbados nas opiniões e erros.

Agora sendo assim, irei, em próximo lugar, dar algumas demonstrações de que estamos em perigo de ter o reino de Deus, o Evangelho de Jesus Cristo, removido de nós. Portanto, não estejamos seguros, pois há grande perigo do Evangelho ser removido, se não do país, mas de determinados lugares.

  1. Isso pode ser evidenciado a partir da oposição implacável que há nos professos do Evangelho contra os pregadores do Evangelho. Essas mesmas pessoas que estimavam os pés de seus ministros por serem mui formosos, agora dizem que a marca da besta está sobre a sua testa. Aquelas pessoas que teriam arrancado os seus olhos para fazer o bem aos seus ministros bons, agora arrancariam os olhos de seus ministros. Essas mesmas pessoas que olhavam para nós como servos de Cristo e administradores dos mistérios da salvação, agora nos consideram como os membros do anticristo e corruptores da religião. Agora não há nenhuma maneira mais provável para afastar o Evangelho de nós do que rejeitar e se opor ao Evangelho, e aos ministros dos mesmos. Esta será a grande entrada (se o Senhor não impedir) para a nossa total confusão, e uma retirada do Evangelho de Jesus Cristo.

Eu gostaria que tais homens, que preferem ver os ministros piedosos na prisão do que no púlpito, considerassem que, se Deus os levar embora, vocês desejariam ter piores em  seu lugar. Os sectários estavam cansados do piedoso e erudito Junius; por isso, Deus suportou Armínio, aquele pestilento inimigo do Evangelho de Cristo, para levantar-se depois dele. Deus pode justamente nos enviar professos incapazes e enganadores pelo nosso menosprezo a esses ministros instruídos e piedosos que estão entre nós. Quando Paulo e Barnabé foram desprezados e combatidos pelos judeus incrédulos, eles disseram: “Mas Paulo e Barnabé, usando de ousadia, disseram: Era mister que a vós se vos pregasse primeiro a palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, e não vos julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios” (Atos dos Apóstolos 13:46). Eles perderam o Evangelho devido a disso.

  • Parece que há o perigo de que o Evangelho seja removido de nós pela libertinagem geral e fraqueza das pessoas que vivem sob ele. Quando as crianças são atrevidas com pão na mão, o pai o toma delas e os prepara rapidamente. Temos tratado com o Evangelho como as crianças lidam com pão quando suas barrigas estão cheias. Temos crescido devassos e nos tornamos cansado dele, de modo que agora se um ministro prega sobre a fé, o arrependimento, a mortificação, o zelo, a abnegação e a mentalidade celestial, estes são considerados doutrinas maltrapilhas. Agora, quando o Senhor vê um povo crescer cansado e libertino com o Evangelho, Ele os reduzirá. Ele os fará saber o valor do Evangelho pela falta do Evangelho.
  • Quando os israelitas detestaram o maná, Deus rapidamente os fez padecer os diminuiu pela fome. Aquele que corre pode ler o nosso pecado e perigo nisto em particular. Pois, aquelas mesmas pessoas que esperavam com prazer as ordenanças de Jesus Cristo, ó, como elas se tornaram cansadas das ordenanças! Aquelas pessoas que consideravam os seis dias tediosos, e embora anelassem pelo Sabath, agora não se importam em  santificar o Sabath durante todo o ano! Aquelas pessoas que não poderiam viver um dia sem o Evangelho, podem agora viver não somente fora, mas acima do Evangelho! […]

Parece que o Evangelho está em perigo de ser removido de nós, em virtude do grande aumento de tais opiniões que são contrários ao Evangelho, que são destrutivas ao poder e a pureza dele. Quando os homens usarão fortes esforços para promover uma tolerância entre todas as religiões, este é o caminho para nos conduzir a nenhuma religião. “Pondo o seu limiar ao pé do meu limiar, e o seu umbral junto ao meu umbral” (Ezequiel 43:8), ou seja, quando eles acrescentaram tradições, suas próprias invenções, aos preceitos de Deus, então houve um muro entre Deus e eles. Sua impiedade era como um muro de separação. Deus estava afastando-se deles. Aqueles que pleiteiam por uma licenciosa tolerância de todas as opiniões fazem tanto quanto os que nelas se encontram para colocar um muro de separação entre Deus e Inglaterra.

  • Um aumento de erros e heresias de perdição é uma demonstração de que o Evangelho está sendo removido. O Evangelho é o sol que brilha em nosso horizonte; heresias são as neblinas e nevoeiros que escurecem os brilhantes raios do sol. Alguém bem observa que não foi a corrupção em comportamentos que excomungou a igreja de Roma, mas exatamente a corrupção na doutrina. Quando a mulher estava voando para o deserto, diz- se, “E a serpente lançou da sua boca, atrás da mulher, água como um rio, para que pela corrente a fizesse arrebatar” (Apocalipse 12:15). Esta inundação de água foi uma enxurrada de heresias, e particularmente a heresia do arianismo. Se o Senhor permitir que dragão derrame uma enxurrada de heresias para transbordar a terra, pode-se, então, justamente temer a remoção do Evangelho de nós.
  • A oposição implacável que é contra o estabelecimento do governo da igreja é uma demonstração da remoção do Evangelho. É verdade, o governo é apenas a sebe, e o Evangelho é o fruto, mas se você quebra a proteção, o fruto será pouco. Este é o caminho para ter o campo invadido pelo javali. Foi dito por Lutero (em seu primeiro recuo da igreja de Roma), que o Evangelho tem mais prejuízo por sete anos de suspensão de um governo bem ordenado do que poderia se recuperar em 40 anos posteriores. E que o Senhor conceda que isto não prove ser assim conosco.

Agora por tudo isso pode parecer que estamos em grande perigo de ter o Evangelho tirado de nós. Ó, quão cuidadosos, então, devemos ser para utilizar os meios de Graça, enquanto nós fruímos deles, pois se o Evangelho se for tudo se vai. É melhor perder a luz do sol do que a luz do Evangelho. Pois:

  1. Se o Evangelho é retirado de um povo, a paz é retirada de um povo. A remoção do Evangelho da paz fará com que a sua paz seja removida.
  • Se o Evangelho se for, a fartura se vai bem como a paz.
  • Se o Evangelho se for, se o culto a Deus é retirado, a nossa segurança se vai. A arca era a segurança dos israelitas. Quando a arca foi retirada, a sua força e segurança foram removidas. Quando os judeus rejeitaram o Evangelho, assim ele foi levado aos Gentios, e os Romanos vieram e levaram tanto a sua posição e nação.
  • Quando o Evangelho se vai, a nossa liberdade civil se vai. Quando os judeus menosprezaram o Evangelho, eles viviam não mais como homens livres, mas se tornaram escravos e tributários em relação aos Romanos.
  • A dignidade e o esplendor de uma nação se vão quando o Evangelho se vai. Como o velho Eli disse, quando a arca foi tomada, “de Israel se foi a glória” [1 Samuel 4: 21]. E é dito em Mateus 2:6 que Belém de modo nenhum era a menor entre todas as capitais de Judá. No entanto, Miquéias disse em Miquéias 5:2 que Belém era pequena, isto é, a menor em relação à sua situação e pequena em número de habitantes. Mas não menos importante, como Mateus fala, porque o Messias nasceu ali e ali pregou o Evangelho. O Evangelho de Cristo fez de Belém mais do que era; e por isso é que de Cafarnaum é dito ser levantada ao céu, porque as boas novas do Evangelho foram ali anunciadas.

Agora, se Deus tirasse o Evangelho de nós, Ele nos deixaria como Belém, a menor de mil cidades. Não devemos medir a grandeza de uma cidade pelo grande comércio, pelo gran- de número de pessoas ali, mas pelo florescimento do Evangelho nela. Londres seria a menor cidade dentre mil se o Evangelho fosse removido dela. Ó, então, que motivo temos para conhecer e considerar no dia de hoje as coisas que dizem respeito à nossa paz, para que futuramente elas não sejam escondidas de nossos olhos. Não nos contentemos com um mero ouvir da Palavra, mas em que sejamos cumpridores dela, expressando o poder e a autoridade da mesma em nossas vidas e conversações.

Objeção. Mas vocês dirão: “Se são bem-aventurados somente aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a guardam, aqueles que praticam o que ouvem, então onde é que um homem bem-aventurado deve ser encontrado? Pois, onde é que este homem vive, este que pode guardar, que consegue viver de acordo com o que ele ouve? Eu ouço muitos de um pecado reprovado, que eu que não consigo abster-me. Ouço muito de um dever pres- sionado que eu não consigo executar. Ouço muito de uma graça mesmo aconselhada que eu não consigo desempenhar. Agora como pode um homem ser bem-aventurado, vendo ele não pode guardar o que ele ouve?”

Resposta. Se vocês realmente vivessem sob um pacto de obras, vocês nunca poderiam ser um homem bem-aventurado, porque vocês nunca poderiam guardar o que ouvem com aquela exatidão que um pacto de obras requer, pois esta ordena ao homem guardar toda a lei, guarda-la perfeitamente, e mantê-la pessoalmente. Mas, para o vosso consolo, saibam que vocês estão sob um pacto de Graça, que não necessitam de uma perfeita, mas de uma sincera obediência à lei de Deus, que aceita a vontade como ação. Ah, lembrem-se que vocês não estão sob um pacto de obras, mas sob um pacto de Graça, que aceita o que Cristo fez e sofreu por vocês (se vocês são crentes), como se fosse feito por sua própria pessoa.

Embora, de fato, seja verdade o que Cristo disse ao jovem: “Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos” (Mateus 19:17), ainda assim vocês devem saber que Cristo falou isso a ele porque sabia que ele era de um temperamento farisaico, e que pensava em ser salvo por suas boas obras. Mas se Cristo dissesse assim a qualquer um de nós: “Você irá para o céu, se você guardar todos os mandamentos, e você nunca irá para o céu, se você quebrar qualquer um dos mandamentos”, o Senhor tenha miseri- córdia de nós! Então, todos pereceríamos eternamente. Mas Cristo disse: “Creia e viva”. Agora a promessa (não obra) é o objeto da fé (Romanos 4:16). Desta forma, Ambrose era acostumado a dizer: “Esperemos pelo perdão como que pela fé, não por dívida”.

Em uma palavra, guardem conscientemente o que vocês ouvem; lamentem a vossa inca- pacidade de cumprir a lei de Deus; façam o que puderem, e lamentem que vocês não possam fazer melhor; e então Deus dirá: “Embora você não consiga guardar a lei comple- tamente, mas Meu Filho a tem guardado por você. Aceito Sua Obediência como sua obediência, e a Sua Justiça, como sua justiça”. Ó, que Graça e Misericórdia há aqui!

Como pode isto animar os vossos corações em meio a todos os desânimos que estão sobre você! Mais uma vez, para o vosso consolo, saibam que, se com sinceridade de coração vocês se esforçarem para guardar o que ouvem, na Divina aceitação é em tudo a mesma coisa como se vocês tivessem guardado tudo o que ouvem perfeitamente. Se for o desejo e o empenho de sua alma obedecer à vontade de Deus e observar Seus manda- mentos, na aceitação Divina isto é aceito como se isto fosse realmente feito por você.

É valioso que percebam o que é dito na Escritura: “Pela fé ofereceu Abraão a Isaque, quando foi provado; sim, aquele que recebera as promessas ofereceu o seu unigênito” (Hebreus 11:17). Abraão não chegou a fazer o que é dito aqui que ele fez, mas porque Abraão fez isso no propósito de seu coração, porque o desejo e a resolução de sua alma eram obedecer ao mandamento de Deus, assim, a Escritura considera isso como efetuado! Ó, tomem isso para o seu consolo, você que é um filho de Abraão, que andam nas pisadas e fé de Abraão: os próprios desejos e propósitos do vosso coração são vistos como se fossem feitos reais e verdadeiros. Se vocês desejam orar melhor, ouvir melhor, e praticar mais do que vocês fazem, na consideração Divina isto é tido como se vocês já o tivessem feito.

Sobre o autor

Hélio Clemente

Meu nome é Helio Clemente: Tenho 72 anos, sou engenheiro, brasileiro, divorciado, graduado pela USP em 1967. Não defendo ou divulgo nenhuma denominação em particular, cristianismo é somente o evangelho, e o evangelho é toda a Escritura, desde o Gênesis até o Apocalipse.

comente

Clique aqui para enviar um comentário